sábado, 3 de outubro de 2020

Está disponível para assistir online filme sobre paixão entre bailarinos

Loading

Com a pandemia o cinema é uma das áreas do entretenimento mais afetas. Em BH, um dos poucos cinemas alternativos que temos é o CentoeQuatro. Como alternativa para este momento que estamos vivendo, o CentoEQuatro está fazendo uma ótima ação: disponibilizando online e gratuitamente alguns filmes. 

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter! 

O filme disponibilizado atualmente tem super haver com a gente aqui do Muza: "E Então Nós Dançamos", com direção de Levan Akin o longa mostra a relação amorosa complicada entre dois bailarinos. Confira o trailer abaixo. O filme esteve em cartaz em BH em janeiro deste ano

Para assistir ao filme é super simples: acessar o link que está na bio do perfil do Instagram do CentoeQuatro e inserir a senha cine104. 

O filme "E Então Nós Dançamos" estará disponível até às 20h deste domingo, 4 de outubro. Aproveite! 

Ver essa foto no Instagram

Devido a problemas técnicos, o Cine 104 Em Casa irá estender o prazo do filme E ENTÃO NÓS DANÇAMOS até às 20h do próximo domingo, dia 04 de outubro. Mais uma chance para quem ainda não conseguiu assistir a este belo filme 🥰. . O longa A ILHA DO MILHARAL, que seria exibido hoje, será incluído em breve em nossa programação. Lamentamos pelo ocorrido. . Para assistir, clique no link da Bio e insira a senha: cine104 . Suécia. Geórgia. França. 2019. 1h 53min. 16 anos. . SINOPSE: Um conto apaixonado ambientado nos limites conservadores da moderna Tbilisi, capital da Geórgia. O filme acompanha Merab, que desde garoto treina dança tradicional georgiana no Georgian National Dance Ensemble com Mary, sua parceira. Merab fica um tanto desequilibrado com a chegada de um novo dançarino no grupo: o carismático e descontraído Irakli. Merab se sente ameaçado, e ao mesmo tempo atraído, por aquele que se tornará uma fonte de rivalidade e desejo. . E ENTÃO NOS DANÇAMOS foi recebido com protestos violentos quando foi exibido pela primeira vez na Geórgia, devido à postura rígida do país contra as políticas LGBT. Apesar do furor, o filme foi um tremendo sucesso de público. Levan Akin, que é sueco, foi inspirado a fazer o filme quando viu imagens de uma marcha do Orgulho Gay, na Geórgia, sob ataque de homofóbicos. Isso o levou a visitar o país e conversar com pessoas da comunidade LGBT que vivem sob constante ameaça. Akin quer mostrar para o público os costumes da Geórgia, um país que não é exatamente conhecido por tendências socialmente liberais. . Para maiores informações, acesse a página de cinema de nosso site: www.centoequatro.org/cinema.

Uma publicação compartilhada por CentoeQuatro (@centoequatrobh) em

 

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!