sexta-feira, 7 de agosto de 2020

Festival Elas Que Lutem, só com mulheres no line up, acontece neste sábado

Loading

Neste sábado, 8 de agosto, haverá um super evento:8 djs, 8 horas de música comandada apenas por mulheres. A ideia é ser como "uma viagem sonora" conduzida através do Hip-Hop, R&B, House e Disco, com djs e produtoras de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. 

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter

Em um mercado onde 87% dos artistas de festivais são homens (União Brasileira de Compositores), nasceu o Elas Que Lutem, coletivo de música eletrônica organizado por mulheres, idealizado por Livia Lanzoni e Bruna Ferreira, djs da dupla From House to Disco, em parceria com Gabriela Bahia, curadora da Rádio Sal (Veneno) e do FFW e Francesca Sardi, residente do programa Night Sessions, da Energia 97fm, em São Paulo. 

Com estreia em janeiro de 2020, no formato de festa, ele logo ganhou força para se transformar em um movimento com um objetivo nobre: balançar o mercado de festas que trabalha com line-ups majoritariamente masculinos. Para responder a pergunta "onde estão as mulheres na cabine?", o coletivo atua como uma curadoria de artistas da cena eletrônica, trazendo tanto novos rostos quanto nomes já consagrados, mostrando que elas estão aí e são super talentosas. 

"O Elas Que Lutem nasceu de situações incômodas que passamos ao longo da carreira, acontecimentos que descobrimos ser comuns a outras artistas no mesmo mercado: o descrédito da mulher no cenário de música eletrônica. Por isso, o projeto veio para balançar esse segmento que trabalha com line-ups majoritariamente masculinos. Notamos que, por mais que existissem excelentes artistas, elas não ocupavam lugares de destaques", explicam. 

Além da festa homônima, o coletivo também atua em projetos especiais para casas noturnas, festivais e marcas, desenvolvendo ativações e mostrando versatilidade para desenhar line-ups variados dentro das vertentes da house music, a exemplo da parceria com a Heavy House para uma live stream beneficente durante a pandemia covid-19, na qual foi criado um kit de higiene pessoal e cuidados femininos para mulheres em situação de vulnerabilidade, ação em conjunto com a UNAS Heliópolis que alcançou mais de 2.500 espectadores e arrecadou, junto com a casa, mais de R$ 50.000,00 em prol da causa. 

LGBTQIA+

O olhar para o feminino também abraça a causa LGBTQIA+, estendendo relevância e trazendo para o line-up todas que se identificam como mulheres: drags e trans.“Nosso carinho vai além de sermos um casal lésbico. Vimos que as mesmas situações não se restringiam apenas às mulheres cis, mas também às trans e drags. Por isso, o olhar para o feminino também abraça a causa, estendendo relevância e trazendo para o line-up todas que se identificam como mulheres”, ressaltam Bruna e Livia.

Apesar do pouco tempo, o coletivo já conta com projetos em andamento, entre eles o Festival Elas Que Lutem, transmitido via Twitch, no próximo sábado (8) a partir das 16h. No line-up: Miss Má (Casa 92, Skye Bar, Bar Obelisco e Four Seasons SP); Larysss (Discothèque e AYO, coletivos de BH); Mari Rossi (Danza Comigo, Friends Casa, Mareh), Etcetera (WareHOUSE, Um Quarto Festival); Elisa Amaral (Belmond Copacabana Palace RJ, Nosso Camarote Sapucaí, Wow Festival), além do staff composto por From House to Disco (Club Jerome, Selina International Music Summit, Um Quarto Festival); Gabi Bahia (SAL, FFW, Manas e Monas) e Francesca (Night Sessions, Tetto Club, Privilège). 

O Festival começa no perfil da DJ Mari Rossi (neste link) e, através função da raid da plataforma Twitch, terá sua audiência automaticamente transportada para os próximos perfis, uma jornada com oito horas de duração e muita música. 

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter