sexta-feira, 28 de agosto de 2020

Atleta de crossfit relata LGBTfobia em carta aberta

Loading

 

O Muza recebeu um contato da atleta Mayara Faria. Também conhecida como May Faria, ela tem  28 anos, mora no Rio de Janeiro, é elite de Crossfit e lésbica. 

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!

Em seu contato, ela nos disse que sofre LGBTfobia, acarretando, inclusive, na perda de contratos e patrocínios. Somente no Instagram, May possui 100 mil seguidores

May compartilhou conosco uma carta aberta na qual fala sobre sua experiência e faz um apelo para acabar com a LGBTfobia no meio do crossfit e nos espostes em geral. Confia abaixo a carta na íntegra. 

"Me chamo Mayara Faria, tenho 28 anos, Moro no Rio de Janeiro e sou lésbica.

E gostaria de fazer um apelo nas mídias sociais  LGBTQIA+ para falar sobre os abusos que sofro por ser uma atleta lésbica. 

Sou atleta e já sofri ameaças e ofensas no meu Instagram, e até mesmo perdi patrocínios, e o cúmulo de todos foi um pedido para usar um “aplique de cabelo” pois o meu cabelo curto e corpo forte me tornavam uma figura masculinizada e pouco atrativa para o público, no caso eu poderia assustar as pessoas. 

Até porque eu já estava chocando as mesmas por ser Lésbica.

Infelizmente sou mais uma vítima assim como milhares de pessoas LGBTQIA+ . 

E sempre optei por não me esconder e mostrar as mesmas pessoas que não tenho medo e estou aqui para lutar contra essa ignorância que nos rodeia.

A discriminação contra a pessoas por causa da sua orientação sexual ou gênero impede que a população LGBTQIA+ usufrua de seus direitos básicos como cidadãos e seres humanos, já que são coibidos de se expressar livremente seus sentimentos e desejos, individualmente ou com seus parceiros já que a sociedade brasileira ainda é conservadora, machista e patriarcal".

Ver essa foto no Instagram

Primeiramente: músculo é coisa do corpo humano. Gordura também. Vísceras também. Nada disso é coisa de homem. Daqui, podemos continuar o papo... 💪 ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Nossa, cuidado pra não ficar parecendo um homem, hein? Tá forte demais; mulher musculosa é feio. Roupa justa no seu corpo fica vulgar, para usar isso tem que ser bem magrinha. Você sai assim na rua? Short colado e muito curto! 😒 ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ É daí para pior. Toda mulher já ouviu muita “gracinha” (para usar o eufemismo popular de assédio). Mas quando a gente faz atividade física, aumenta bastante, né? 🙄 ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Composição corporal, estilo das roupas... tudo no nosso corpo vira pauta para opinião alheia. E quando não é crítica, é hiperssexualização. 🤚⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ O nosso corpo não está disponível para discussão. Só a gente sabe o que estamos trabalhando para que ele seja capaz de fazer e como ele fica esteticamente por causa disso. E principalmente, ele só tem que agradar a uma pessoa.✌️ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ———————————————————————— #brabasdocross #grlpwr #strongwomen #girlswholift #traininggirls #fitnessgirl #lgbt #challenge #motivation #treinoemcasa #brasil #inspiration #instagram #saude

Uma publicação compartilhada por 🎯 May Faria 🔺 Crossfit Athlete (@immayfaria) em

 

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter