quinta-feira, 30 de julho de 2020

Jovem relata LGBTfobia em supermercado de BH [Atualizado]

Loading

Uma jovem de 19 anos relatou ter sido vítima de LGBTfobia em uma unidade da rede de supermercados EPA em Belo Horizonte, na manhã desta quinta-feira, 30 de julho.

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!     

Por meio das redes sociais, Ana Clara Ferreira, 19 anos e estudante de sociologia, relatou o que aconteceu. Por volta das 11h ela foi em uma unidade do EPA no bairro Nova Suíça, região Oeste de BH, e ao fazer um pedido no Açougue ouviu risos e comentários dos funcionários como "parece um homem!". 

Ela escreveu: "Não irei ficar calada... Fui no açougue desse EPA a pedido da minha mãe... e durante todo o preparo até a entrega do pedido estava o tempo todo rindo.... Eu não tive forças pra voltar e falar algo, não consegui reagir. Eu simplesmente TRAVEI, e acho que quem já passou por isso sabe bem como é!".

Ana ainda relatou que só fez o post nas redes sociais por incetivo da família e da sua namorada: "Eu me senti tão envergonhada que me calei, e não ia vir falar nada mas a minha família e a minha namorada me encorajaram a vir até as redes sociais e a relatar o que tinha acontecido". 

Em entrevista ao Muza, Ana disse que chegou a ir em uma unidade da polícia mas foi informada que como não havia feito "na hora, e estava sozinha" então "poderia levar um processo por falta de provas". Por fim, ela retornou ao supermercado com a mãe e conversou com o gerente. Ele disse que tomaria as medias cabíveis e uma advertência aos funcionários. 

O Muza fez contato com o Supermercado EPA sobre o ocorrido, mas até o fechamento desta notícia não recebeu retorno. 

EM TEMPO: O Supermercados EPA respondeu o nosso posto no Instagram com a seguinte mensagem: "Somos uma empresa com mais de 60 anos de atuação e 16 mil funcionários. Temos certeza de que nenhuma organização consegue conquistar tais números fazendo uma gestão pautada em preconceitos, sejam eles quais forem. Temos orgulho dos profissionais que fazem parte da nossa empresa, mas lidamos com seres humanos, passíveis de acertos e erros... Reiteramos nosso repúdio a todo e qualquer tipo de agressão ou preconceito e nos orientamos pela premissa de que uma sociedade justa e correta se faz com respeito, trabalho e solidariedade. Iniciaremos, imediatamente, apuração dos fatos e dos envolvidos e tomaremos medidas drásticas necessárias. Obrigado!"





Venho por meio dessa rede social expor um episódio de desrespeito e homofobia que sofri hoje (30/07), mas dessa vez será diferente, não irei ficar calada. Ocorreu na unidade de vocês localizado no bairro Nova Suíça, na rua Joaquim Nabuco entre 11:00 e 11:30 da manhã. Fui no açougue desse EPA a pedido da minha mãe, chegando lá fiz o pedido ao açougueiro que estranhamente pediu para outro me atender sendo que estavam todos atoa, e nesse momento começaram a rir, e sabemos e sentimos quando estão rindo da gente, e era de mim que estavam rindo, então esse açougueiro preparou o pedido que havia feito. Feito isso, ele simplesmente jogou o pedido no balcão, e durante todo o preparo até a entrega do pedido estava o tempo todo rindo. Quando me virei, ouvi “parece um homem!” E todos os outros açougueiros riram. Eu não tive forças pra voltar e falar algo, não consegui reagir. Eu simplesmente TRAVEI, e acho que quem já passou por isso sabe bem como é! Eu me senti tão envergonhada que me calei, e não ia vir falar nada mas a minha família e a minha namorada me encorajaram a vir até as redes sociais e a relatar o que tinha acontecido, me ajudem a compartilhar, que isso chegue aos responsáveis daquela unidade, homofobia e desrespeito? Com certeza irei sofrer muitas outras vezes, mas me calar igual antes? JAMAIS. LEMBRANDO QUE HOMOFOBIA É CRIME!!! @epasupermercados
Uma publicação compartilhada por Ana Clara (@anaferreirasss) em


Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!