terça-feira, 2 de junho de 2020

BH terá manifestação "Vidas Pretas Importam!"

Loading

Diante do contexto social e político atual envolvendo críticas e manifestações contra o Racismo e o Fascismo, sobretudo no Brasil e nos Estados Unidos o Muza abre espaço em sua pauta LGBTQ+ de Belo Horizonte para divulgar, como apoio e com orgulho, a manifestação "Vidas Pretas Importam!" que acontecerá em BH. 

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter

A manifestação será no próximo domingo, 7 de maio, às 15h, na Praça 7. O convite oficial feito no Evento no Facebook explica: "Ato contra a violência da polícia nas favelas, violência essa que é historicamente direcionada ao nosso povo preto, contra o estado genocida que cumpre seu plano cruel de ceifar a vida de pessoas pretas, contra todos os dedos que apertaram os gatilhos que tiraram a vida de nossos irmãos e irmãs... Por políticas públicas de igualdade efetivas para que nossas crianças possam andar por aí sendo livres".

Diante do contexto da pandemia do novo coronavírua a Orgazação faz algumas importantes orientações: 
"- NÃO VÁ SEM MÁSCARA E MANTENHA O DISTANCIAMENTO DE 2 METROS DE OUTRAS PESSOAS
-Se fizer parte do grupo de risco, não vá
- Vista roupas simples e com cores neutras (PRETA se possível). Tampe suas tatuagens
- Se seu cabelo for comprido, prenda o cabelo
- Leve seu cartaz
- Volte pra casa depois do ato, não crie aglomerações". 

Serviço
Manifestação "Vidas Pretas Importam"
Data: 7 de junho (domingo)
Horário: 15h
Local: Praça Sete de Setembro, Praça 7 (centro de Belo Horizonte)

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter

Para inspirar: uma reflexão sobre o racismo e as manifestações no Brasil e no mundo com Giovanna Heliodoro, mais conhecida na redes como Transpreta. 







Parem de culpabilizar os brasileiros pretos por não se auto organizarem como os estadunidenses, a questão vai além da mera comparação e basta você analisar a história do nosso país e se livrar da síndrome de inferioridade. Não existe resultados iguais para contextos sociais opostos. A história não se repete e não é possível vivenciarmos as mesmas reações diante o racismo e toda violência policial que nos acerca. Não comentam apagamento histórico e invisibilizem as manifestações populares lideradas por pessoas pretas no Brasil. Abram mão dos seus fetiches em vivenciar uma rebelião estadunidense, pois quando o Movimento Negro vai as ruas como já foram inúmeras vezes gritar em prol de vidas pretas, a dita “esquerda branca” não compareceu e precisamos pontuar isso, como bem disse a @raquelvvirginia e @djamilaribeiro1 Antes de cobrar os sujeitos pretos por uma rebelião brasileira reflitam, abram mão dos seus privilégios, organize as suas revoltas e lembre-se que a nossa história também se trata de resistência 👊🏾 #vidasnegrasimportam #blacklivesmatter
Uma publicação compartilhada por Giovanna Heliodoro (@transpreta) em