quinta-feira, 21 de maio de 2020

Grupo LGBTQI+ que torce para o Cruzeiro recebeu mensagens de ódio

Loading

Se você não sabe, existe um grupo LGBTQI+ de torcedores do Cruzeiro: Marias de Minas. Foi a maneira que alguns torcedores do time mineiro encontraram para se sentirem mais seguros ao se reunir e torcer pelo time. Afinal, sabemos que o futebol ainda é um ambiente bastante LGBTfóbico. 

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!   

Pois bem, nesta semana, na quarta-feira, 20 de maio, para comemorar um ano do grupo, foi realizada uma Live pelo Instagram do Maria de Minas com presença do jornalista esportivo Guilherme Piu. O que era para ser uma conversa agradável se tornou palco para recebimentos de mensagens de ódio e LGBTfóbicas. 

Dentre as mensagens recebidas, estavam ameaça de violência física e até de morte: "Vai apanhar no Mineirão" e "Ce vai morrer" foram algumas delas. 

Por meio de Nota de Repúdio, o Maria de Minas informou que "Todas as medidas cabíveis para identificar e denunciar os agressores já estão sendo tomadas"

O Centro de Luta Pela Livre Orientação Sexual de Minas Gerais, o Cellos Mg, que é responsável pela Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte, também emitiu uma Nota de Repúdio: "Precisamos e exigimos uma investigação limpa, rápida, eficiente, que puna estes criminosos de acordo com a Lei"



Ver essa foto no Instagram

NOTA DE REPÚDIO A Marias de Minas realizou na última quarta-feira, dia 20 de maio, sua primeira live no Instagram. Aproveitamos a data que marca o aniversário de um ano do primeiro grupo LGBTQI+ de torcedores do Cruzeiro e convidamos o jornalista Guilherme Piu - setorista do clube no Jornal Hoje em Dia - para bater um papo. O que deveria ser uma oportunidade para discutir sobre a maior crise - política e financeira - da história do clube, as eleições do dia seguinte e o futuro do Cruzeiro, infelizmente, acabou ganhando destaque por outra razão: a homofobia. É sabida e evidente a grande LGBTfobia dentro do futebol (muito mais que fora dele). A Marias de Minas nasceu exatamente para lutar por inclusão, respeito e democratização na torcida celeste. Ainda que não tenham nos surpreendido as várias ofensas e ameaças recebidas, repudiamos tais ações. O jornalista Guilherme Piu também foi alvo de comentários de ódio por estar realizando seu trabalho de livre imprensa e dando voz a que tem tão pouca nas arquibancadas. Prestamos a ele nossa solidariedade e agradecemos por ter aceitado o convite. Todas as medidas cabíveis para identificar e denunciar os agressores já estão sendo tomadas. Exigimos investigação e punições adequadas. Não vamos recuar. A luta só deve cessar quando a guerra não mais existir. #cabuloso #maiordeminas #cruzeiro #cruzeirãocabuloso #borareconstruir #reconstruir #maisdoquetorcer #pelodireitodetorcer #futebolmineiro #campeonatomineiro #minasgerais #futebolbrasileiro #futebol #futebolgay #gay #lgbt #lgbtq #lgbtqi #stophomofobia #homofobianão #futebolparatodos
Uma publicação compartilhada por Marias de Minas (@mariasdemg) em



Ver essa foto no Instagram

NOTA DE REPÚDIO O CELLOS/MG vem através desta repudiar publicamente as manifestações de ódio e ameaças recebidas ontem, dia 20 de maio de 2020, pelos torcedores do Cruzeiro, representantes da torcida Maria de Minas. Ontem, em uma transmissão ao vivo nas redes sociais, os torcedores foram agredidos verbalmente e ameaçados de morte por perfis que já estão sendo identificados e levados às autoridades competentes. Tal comportamento, ainda comum nos estádios de futebol, nos causa medo e espanto. Infelizmente, vivemos em um país onde a LGBTfobia mata um LGBT a cada 23 horas* e que a garantia dos direitos da nossa comunidade é questionada todos os dias por quem deveria nos proteger. É cada vez mais preocupante que esses indivíduos se sintam no direito de xingar, ameaçar e cometer tais crimes com a certeza de sua impunidade. É também preocupante a resistência de torcedores de futebol aos LGBTs, que precisam se esconder nas arquibancadas para não sofrerem com agressões. Precisamos e exigimos uma investigação limpa, rápida, eficiente, que puna estes criminosos de acordo com a Lei. Os campos de futebol não podem continuar sendo palco da LGBTfobia e, ainda que tenhamos pequenos avanços, precisamos continuar lutando por nosso espaço - contando também com o apoio dos clubes, das federações e do Ministério Público. Por sua vez, a internet também não pode ser campo livre para ameaças e injúrias à nossa comunidade. CELLOS/MG *Fonte: G1
Uma publicação compartilhada por Parada do Orgulho LGBT de BH 🌈 (@paradabh) em


Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!