quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Conheça Azizi MC que retrata comunidade negra LGBT periférica de Belo Horizonte

Loading


Hoje, 20 de novembro, é o Dia da Consciência Negra e o Muza compartilha com vocês um lançamento super pertinente: O EP Gueto-Poc de Azizi MC, aqui de Belo Horizonte, que retrata também em seu trabalho as vivências da comunidade negra LGBT periférica.

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!

Sobre Azizi MV

Com atuação notória nas periferias da Zona Nordeste de Belo Horizonte, desde 2015 essa é a discussão que o artista promove em seus trabalhos, no qual passou por diversas experimentações que o permitiram abranger um diálogo consistente com seu público-alvo. A partir destas vivências, notou-se que a comunidade LGBT periférica desfruta de poucos espaços de abertura para falarem das questões que permeiam uma realidade triste e cruel de genocídio dessa população. 

Azizi Yung Zy (ou "xxaxx") é MC e performer afrofuturista, que trás ao cenário do Hip-Hop nacional uma nova proposta em diálogo com o universo LGBT de periferia. Apadrinhado pela gravadora Produto Novo ®, o artista já lançou os singles "Rap de Viado" e "Copycat" em parceria com DJ Zeu. Atualmente se apresenta em diversos festivais e casas de shows por Minas Gerais e no Brasil, a tag #RapdeViado define suas performances musicais influenciadas por  experiências cotidianas, como um jovem negro, gay e periférico. 

Sua pesquisa sonora passa por diversas influências da música nacional, desde o rap emblemático de Racionais MC’s, Facção Central e Sabotage aos clássicos internacionais como Prince, Frank Ocean, James Brown, Afrika Bambaataa e Nicky da B, passando pelos ritmos afrolatinos mais dançantes da atualidade como Boombap, Afrohouse, Vogue, Cumbia, Funk e Trap Music. 

Azizi é o primeiro MC assumidamente homossexual a ganhar destaque no cenário do Hip-Hop mineiro, na ultima terça-feira (12/11) o artista recebeu um título de honra ao mérito por sua contribuição na cultura Hip-Hop de Belo Horizonte, oferecido pelo Vereador Arnaldo Godoy durante a programação da 5ª Semana Hip-Hop. Intimidação e ocupação dos espaços são pautas recorrentes no seu trabalho como MC em uma cultura marcada majoritariamente pelo machismo e homofobia, Gueto Poc surge como resistência e voz na luta contra a invisibilidade e o preconceito, fazendo uma crítica as opressões sociais e segregação contra LGBTs, negros e periféricos abordando o afrofuturismo como principal vertente artística deste trabalho . 

Sobre o EP "Gueto Poc"

Em seu primeiro EP intitulado 'Gueto Poc' o artista apresenta sua trajetória através das sonoridades do Hip-Hop, do Boombap ao Trap, fazendo uma junção dos elementos significativos tanto da cultura Hip-Hop quanto a cultura LGBT periférica. 

O título foi escolhido para representar esta parcela da população que vive a margem da sociedade e que mais sofre com preconceito e genocídio. O disco conta com participações especiais de Iza Sabino e Ventura Profana com o intuito de expandir a representatividade abordando as falas de mulheres negras e travestis no Rap Nacional. Produzido de forma independente pelo produtor musical Clebin Querino do selo Produto Novo ®, além de produções do DJ Afrobool, AL$ e Thaik. 

O EP Gueto Poc estreou na plataformas no Sábado dia 16 de Novembro. Além da lançamento na Semana Hip-Hop o artista fará uma performance no evento Queerlombos em Ouro Preto (MG) no dia 23/11



Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!