quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Espetáculo com teatro, cinema e música estreia nesta sexta-feira em BH

Loading

Uma reunião de atrizes e atores que atuam em música, dança, cinema, literatura e educação, investigando o teatro em diferentes linguagens. Assim se define a Quartatela, coletivo de teatro de Belo Horizonte que apresenta, de 9 a 11 de agosto, o espetáculo Eclipse Solar, no Teatro Francisco Nunes.

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!

A peça conta com a direção de Ricardo Alves Jr, cineasta mineiro premiado internacionalmente, que trabalhou com as artistas da Quartatela na montagem do novo trabalho, reunindo teatro, cinema e música para discutir questões políticas e afetivas do nosso tempo. Após a temporada no Chico Nunes, o grupo tem apresentação prevista em setembro, no Rio de Janeiro, na programação do Festu 2019, e parte da bilheteria da temporada em BH será utilizada para o financiamento da viagem ao festival carioca.

A Quartatela surge do encontro de artistas que se formaram no Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart) do Palácio das Artes/Fundação Clóvis Salgado, num período delicado para o ofício da arte em nosso país. Carência de patrocinadores na área da cultura, cortes de investimentos públicos no setor, além de uma forte desvalorização do teatro enquanto profissão, são desafios que levaram o coletivo a se oficializar em 2019, entendendo a necessidade desse encontro como força para a manutenção do teatro de grupo na cidade, uma das tradições da cena mineira desde a consolidação do Grupo Galpão e de outros mais recentes, como Luna Lunera e Grupo Espanca, todos com artistas oriundos do Cefart. Ao mesmo tempo, a Quartatela quer encontrar sua própria identidade, trilhar seus próprios caminhos nesse contexto, vivenciando o trabalho artístico e seus desafios.

Além disso, a motivação para a formação da Quartatela se dá pela forma como a pesquisa em teatro do grupo quer se conectar com os novos públicos, tomados pelas redes sociais e pelas novas tecnologias. Em “Eclipse Solar”, o elemento vídeo tem gravação e transmissão ao vivo, utilizando a linguagem da projeção para trabalhar um teatro de cinema, com uso do primeiro plano, de forma que o público veja o máximo de expressão das atrizes e dos atores no palco. A linguagem cinematográfica está também nas luzes, na espacialização e na utilização sonora, além da projeção de vídeos, apresentados como uma espécie de cartas para o futuro que se conectam, também, com o presente.

Com dramaturgia de Germano Melo, a montagem retrata, por meio de uma narrativa fragmentada, o cotidiano de uma cidade imaginária, a Cidade dos Exilados, para onde acorrem expatriados ávidos por preservar a liberdade do pensamento, dos corpos e da imaginação. São pessoas que esperam um acontecimento extraordinário, o eclipse total do sol, enquanto divagam sobre a existência e o desejo de ser. A palavra se constitui como parte do tecido dramatúrgico, juntamente com canções e imagens, para criar o retrato de uma juventude que perde a inocência ao constatar a fatalidade trágica.

O espetáculo faz ainda uma referência visual e sonora à década de 1980, com canções como “Total Eclipse of the Heart” (Bonnie Tyler), “I Love to Love” (Tina Charles) e “I Feel Love” (Donna Summer). Esse período foi escolhido pela sua possibilidade de vislumbre de um mundo democrático, com a queda do muro de Berlim e regimes autoritários em diversos países do mundo, inclusive no Brasil. Trata-se de uma era da liberdade de expressão, da liberdade sexual, dos corpos bailando ao som da disco, da consolidação do rock como gênero musical e modo de vida. Mesclada à trilha sonora mecânica, as atrizes e atores também interpretam grande parte das composições ao vivo. A ideia é mostrar que, apesar de todos os desafios enfrentados pela arte e nossa cultura, ainda há espaço para celebrar. Mesmo diante da maior adversidade, ainda é possível transformar dor e angústia em potência de vida.

Serviço
Espetáculo Eclipse Solar
Data: de 9 a 11 de agosto.
Horários: sexta e sábado às 21h, domingo às 19h.
Local: Teatro Francisco Nunes. Av. Afonso Pena, s/n - Centro (Parque Municipal).
Ingressos: R$20 (inteira) e R$10 (meia e lista amiga) – clique aqui para comprar.


Ficha Técnica
Direção: Ricardo Alves Jr.
Dramaturgia: Germano Melo.
Atuação: Bremmer Guimarães, Caroline Cavalcanti, Eduarda Fernandes, Gabriela Veloso, Lorena Fernandes, Lucas Nicoli, Marianna Callais, Pedro Lanna, Paula Amorim, Rafael Batista.
Assistência de Direção: Rafael Batista.
Direção de Arte: Luiz Simões.
Direção Musical: Lucas Nicoli.
Desenho de Luz: Jésus Lataliza
Assistência de Iluminação e Operação: Lucas Matias Morais.
Desenho de Som e Operação: Fabrício Lins.
Direção Técnica: Geraldo Octaviano.
Preparação Corporal: Elba Rocha.
Preparação Vocal: Luísa Bahia.
Maquiagem: Gabriela Dominguez.
Arte Gráfica: Ângela Peres.
Realização: Quartatela, Teatro Francisco Nunes e Fundação Municipal de Cultura.
Apoio: Botequim Vegano e Fundação Clóvis Salgado.

Siga o Muza no Facebookno Instagram e no Twitter!