quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Travesti e transexual da militância LGBT de BH participaram do programa Amor & Sexo

Loading

Na noite de ontem, 27 de novembro, o programa "Amor & Sexo", apresentado pela maravilhosa Fernanda Lima recebeu convidados ilustres, como Pabllo Vittar, Johnny Hooker, Daniela Mercury... Anyky Lima e Gisella Lima. Estas duas últimas, se vocês não estão lingando os nomes às pessoas, são mulheres transexuais conhecidas na militância LGBT de Belo Horizonte e Minas Gerais. 

Anyky Lima é a atual vice-presidente do Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual (Cellos MG) que a ONG responsável pela organização da Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte. Já Gisella, atualmente trabalha na Coordenação de Políticas Públicas para a Diversidade Sexual do Estado de Minas Gerais.

As duas fizeram uma breve participação no momento em que o programa abordou o tema: "Famílias que acolheram pessoas que se assumiram gays", no qual mães e avós falaram sobre suas reações quando souberam da sexualidade de seus filhos e netos.

Anyky foi apresenta como costureira e avó de coração da Gisela, sua fala foi:

"Eu não sou avó, eu sou travesti. O acolhimento é muito importante porque o amor destroi qualquer preconceito, quando se joga pra fora uma filha (expulsa de casa) - estou falando de travestis e transexuais - está jogando à beira da sorte, tá ali na rua e pode morrer a qualquer momento com requinte de crueldade ,como está acontecendo até hoje com mutias travestis e mulheres transexuais. E eu falo que um país, que lava as mãos e fecha os olhos, é um país que tem as mãos sujas de sangue, porque a comunidade merece, são seres humanos que merecem viver como qualquer outra pessoa" 

Gisella foi questionada sobre como conheceu Anyky, e explicou:

"Eu a conheci naquela migração. Saí do interior e fui buscar oportunidade (Belo Horizonte). A porta que me abriu naquele momento foi a prostituição. Não me fez ser menos digna ser prostituta. A casa da Anyky era uma pensão. Passado um tempo,  eu não me identifiquei mais com a prostituição e eu quis desistir e ela (Anyky) disse ´não, fique, a gente vai procurar um emprego pra você, um emprego formal´. Essa amizade virou uma parceria. As pessoas LGBT escolhem, formam suas famílias".