quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Transexual é agredida em BH por homens que usavam camisa do candidato Bolsonaro

Loading

Estamos em uma semana decisiva para o Brasil e se você ainda pensa que machismo, homofobia, racismo ou o próprio movimento #EleNão, que tomou as ruas de várias cidades no final de semana, é "mi mi mi" temos um exemplo real que, infelizmente, vai te mostrar que se não ficarmos atentos em quem votar no próximo domingo o pior pode acontecer. Não se pode generalizar, mas fatos são fatos:

No final de semana uma transexual foi agredida em Belo Horizonte por homens que estavam vestindo camisa com estampa do candidato Bolsonaro. 

A informação foi divulgada pela própria transexual de 25 anos (o Muza obteve a informação de que ela pediu para retirar seu nome da notícia por medo de represália), em seu stories no Instagram. 

A mesma transexual já foi vítima de LGBTfobia em 2016. Desta vez, em 2018, ela retornava para casa de uma balada quando foi abordada por 4 homens que a jogaram dentro de um carro e bateram nela com socos.

"Eles me puxaram para dentro do carro... sentaram em cima de mim e me deram vários socos no meu rosto... um deles estava armado... durante todo o tempo eu escutei ´se ele ganhar vamos poder caçar mais macacos, traveco´... depois dessa tortura eles mandaram eu descer do carro sem olhar pra trás"

Após a agressão, ela chegou a procurar a polícia por insistência de um amigo, mas não foi bem acolhida: "Infelizmente a polícia não foi educada para lidar com ataques contra pessoas LGBT".

Em seu relato, a transexual ressaltou que está vivo "não graças a polícia, mas pela minha resistência por carregar minha bandeira". Ela também  lembrou casos recentes de transfobia que ganharam a mídia no país (Dandara e Matheusa). 

Ao final, ainda fez um clamor para a comunidade LGBT se unir, se apoiar e se proteger, além de pedir "ajuda votando certo". 

O Muza fez contato a transexual para saber de seu atual estado, mas não obteve retorno até o fechamento da matéria. A última postagem no Instagram é de 15 de setembro e no facebook do dia 27 de setembro. 

Abaixo você pode ver todos os prints divulgados sobre esse lamentável e inaceitável episódio de LGBTfobia. 

ATUALIZAÇÃO: ela atualizou seu stories agradecendo as mensagens de carinho e dizendo que está bem, mas que tem medo de ser perseguida e atacada novamente.