sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Especial Eleições 2018 - Conheça Doutor Ricardo SOS Aids candidato a Deputado Federal

Loading

No próximo domingo, 7 de outubro acontecem as eleições 2018 no Brasil.  O Muza está atento e para ajudar este importante momento democrático irá compartilhar com vocês os candidat@s de Minas Gerais que são LGBT ou estão  relacionados às questões LGBT. Para isso, fizemos um questionário no qual os mesmos foram convidados a responder e que você confere abaixo, na íntegra. 

Caso seja candidat@ e também queira participar desta ação do Muza, é só entrar em contato conosco pelo email contato@muza.com.br 

O Muza ressalta que é um site apartidário. Lembramos também que as eleições 2018 irão eleger President@ e vice-president@, senador@, governador@, deputad@s federais e estaduais.

Desta vez, nesta ação do Muza Especial Eleições 2018, conheça Ricardo Mello que é candidato à deputado federal:

Quem: Ricardo Mello (Doutor Ricardo SOS Aids)
Concorre a: Deputado Federal  
Partido: DC
Número: 2777
Facebook oficial: Doutor Ricardo SOS Aids 

Muza - Esta é a primeira vez que concorre a um cargo político? 
Ricardo Mello - Não. Já estive vereador durante dois mandatos na cidade de Itajubá/MG, sendo o vereador mais votado da história da cidade, nas duas vezes. Também concorri ao cargo de prefeito em 2016, ficando em segundo lugar com uma votação muito expressiva. 

Por que decidiu seguir carreira política?
Porque acredito que, na função de agente político, posso representar esse povo tão sofrido, lutar por suas ideias, defender seus direitos. Em Itajubá, defendi a pedido do povo a redução de vereadores, fui um forte fiscalizador do Executivo, entre outras ações que interessavam ao povo.

Por que a pauta LGBT lhe interessa quanto político/a/e?
Sou homessexual e há 33 anos sou portador do vírus HIV. Portanto vim do holocausto, que era no início da década de 80, “quando vi a cara da morte, mas ela estava viva”. 
Fundei, há 25 anos, uma ONG chamada Grupo SOS Aids em Itajubá, com o objetivo de dar assistência a portadores de HIV/AIDS, seus familiares, amigos e simpatizantes. Sei o quão importante é esse amparo, a necessidade de ter o respeito de todos para viver uma vida com dignidade. Por isso acredito que, como político, posso lutar para termos essa vida digna, em sociedade, com amor, solidariedade e humanidade. 

Qual sua relação com os LGBT?
Sou homossexual e através do SOS Aids militamos nessa causa. Sei o que é ser discriminado na pele em dose dupla. O preconceito elimina a oportunidade das pessoas se conhecerem, abrirem-se do próximo. Isso me deixa perto, não só do grupo LGBT, mas das minorias de um modo geral. 

Como médico que sou, também sei a importância dos cuidados que o público LGBT deve ter, sobretudo por muitas vezes ser obrigado a viver à margem da sociedade, na prostituição, nas drogas, na violência. 

Por que acredita que a representatividade LGBT é importante na política?
Porque é preciso dar voz a eles. Apesar do movimento reunir milhões de pessoas nas ruas, nas redes sociais, na batalha diária por igualdade, precisamos de representantes efetivos nos espaços de discussão e decisão.

A luta por direitos iguais é contínua e precisamos de representantes no Congresso, no Senado, enfim, em todos os espaços públicos. Precisamos de voz para que nossas dores, nossos sofrimentos, nossa angústia do dia a dia sejam vistos. 

Apenas assim conseguiremos avançar em mais direitos na educação, na saúde, nas oportunidades de trabalho e no reconhecimento da sociedade como seres humanos que somos. 

Qual sua proposta/ação com foco LGBT caso eleito?
O primeiro passo é o da representação. Ocupar o Congresso representando o público LGBT e seus anseios e pautas. Segundo, é buscar através de leis e na fiscalização delas e do poder executivo, a ampliação dos direitos e mais igualdade. 
Este público não é tratado como cidadão que merece ser visto. Por isso, preciso primeiro ser eleito. 

Acrescente algo que julgar interessante e não tenha sido abordado.
Acima de causas pontuais como LGBT e Aids, acredito que o ser humano precisa de atenção, cuidados. Uso muito a palavra dignidade porque é isso que todos queremos, sejam com dinheiro ou sem dinheiro, na saúde ou na doença, até na nossa morte. 
Precisamos de mais amor, mais solidariedade, mais humanidade, mais igualdade, sem preconceitos, sem ódio, sem distinções!