quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Começa hoje em BH festival de teatro Cenas Curtas com espetáculos LGBT

Loading
Espetáculo teatral "Foi só para continuar Viva" - foto: Lucas Ávila
DJs "Duelo de Ego"

Marcado pela diversidade de temas e urgências sociais, políticas e artísticas, o Festival Cenas Curtas, um dos principais espaços para experimentação em teatro no Brasil, chega à 19ª edição. O evento será realizado de 26 a 30 de setembro no Teatro Wanda Fernandes, no Galpão Cine Horto, e no circuito conhecido como Corredor Leste, no entorno do centro cultural do Grupo Galpão, em Belo Horizonte. 

Com o objetivo de provocar e fomentar pesquisa de linguagem por meio de criações cênicas, a mostra busca oferecer as melhores condições técnicas aos participantes, ajuda de custo financeira e, ao sugerir que o festival é o espaço para o “risco e o erro”, também pretende criar um ambiente acolhedor para se experimentar o novo. 

Peças teatrais de palco e rua de Belo Horizonte, da região metropolitana e outros cinco estados brasileiros foram escolhidos para se apresentar durante o Cenas Curtas 2018. “Ao longo desses 19 anos, muitos espetáculos, diretores, atores, grupos e técnicos puderam experimentar e amadurecer suas criações. Entre centenas de exemplos, citamos um do início, o espetáculo de sucesso nacional ‘Por Elise’, que também deu origem ao Grupo Espanca e, recentemente, o ‘Rosa Choque’, que este mês se apresentou em Portugal. Sem dúvida, o Cenas Curtas é o festival que mais fomenta e deixa resultados concretos para a produção teatral de Belo Horizonte”, destaca Chico Pelúcio, diretor do Galpão Cine Horto e um dos fundadores do Grupo Galpão. 

Dando sequência às ações do Corredor Leste, o evento conta com cinco intervenções artísticas chamadas Rolês, que abordam temas e estéticas diversas como o direito à cidade, luta contra o racismo e orgulho LGBTQIA+. Alternando-se entre as artes visuais, a música, a performance e a discotecagem, entre outras abordagens, os Rolês passaram pelo crivo de representantes dos espaços culturais belo-horizontinos Zona Last, Teatro 171, Gruta Casa de Passagem, Santa e Galpão Cine Horto, que acolherão as apresentações. Os critérios norteadores para a seleção foram a diversidade de linguagens e a adequação ao espaço. “O Festival insiste em programar as cenas de teatro de rua por acreditar que, sem incentivo e politicas públicas, esse gênero de teatro não sobrevive. Acreditamos que o teatro de rua seja a melhor estratégia para a democratização e interiorização desta arte”, informa Chico Pelúcio.

Este ano serão apresentadas 16 cenas de palco, três de rua e cinco rolês. Jovens atores que estão vivenciando processos de estudos e exploração de novas linguagens encontram no Festival Cenas Curtas um terreno fértil para a experimentação. “É o lugar onde podem colocar suas ideias em ação, mas de forma concisa, já que cada cena participante tem, no máximo, 15 minutos de duração”, explica o diretor do Grupo Galpão Cine Horto.

Ao todo, o Cenas Curtas 2018 recebeu 239 propostas, originárias de 45 cidades de 12 estados. Entre as escolhidas, 16 propostas são cenas de palco, três de rua e cinco rolês. Além da capital, foram contempladas propostas mineiras de Betim e Nova Lima, na Região Metropolitana, e Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri. Somados os projetos escolhidos, o estado de São Paulo comparece com dois espetáculos selecionados, e Bahia, Rio de Janeiro e Santa Catarina com uma representação cada.

A curadoria das cenas de palco e rua foi realizada por Amaury Borges, Carlandréia Ribeiro, Chico Pelúcio, Henrique Vertchenko, Joyce Athiê e Ricelli Piva. 

Debates e compartilhamentos

Como de costume, todos os dias, críticos, artistas e público se encontram para uma roda de conversa sobre as cenas apresentadas nos “Debates do Dia Seguinte”, momento para diálogos e reflexões sobre os trabalhos apresentados. Após as conversas, uma equipe de jornalistas vai abastecer a seção “No Calor da Cena”, no site do Galpão Cine Horto. Não bastasse, todos os dias, após as cenas, haverá um encontro no Bar do Festival. E, ainda, ao final, a “Festa de Encerramento”.

Nesta edição, os “Debates do Dia Seguinte” serão realizados por Clóvis Domingos, artista cênico, pesquisador e crítico teatral; e Nina Caetano, pesquisadora da cena contemporânea, performer e dramaturga. 

Clóvis Domingos é Doutor em Artes da Cena pela Escola de Belas Artes da UFMG, professor de Teoria e História do Teatro, colaborador fixo e editor-assistente no Horizonte da Cena (BH/MG). Integrante do agrupamento obsCENA (BH) no qual pesquisa práticas cênicas liminares. Como crítico atuou em eventos tais como: MITsp, Festival de Curitiba, Aldeia Sesc Ilha do Mel, Janela de Dramaturgia, Rede Sola de Dança, Mostra LAB etc. Atualmente desenvolve estágio de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFOP com estudos sobre historiografia da crítica teatral brasileira moderna e contemporânea.

Doutora em Artes Cênicas pela ECA-USP, Nina Caetano é professora do PPGAC-UFOP. Desde 2007 integra o obsCENA, agrupamento independente de pesquisa cênica no qual investiga modalidades cênicas liminares. Com a performance “Espaço do Silêncio”, já se apresentou em diversos eventos no Brasil, como FRINGE (Curitiba, 2018), Urbarte (Salvador, 2017) e II Bienal Internacional de Teatro da USP (SP, 2015).

Entreato
A cena “Rolê: Rolezinho da Favelinha”, do Coletivo Lá da Favelinha, também é uma das atrações da 19ª edição Festival do Cenas Curtas, com duas apresentações: “Disputa Nervosa” e “Favelinha Fashion Week”. 

A “Disputa Nervosa” é o evento que mobiliza centenas de jovens através das danças do funk, principalmente o passinho, oriundo do Rio de Janeiro, e que se tornou febre em Belo Horizonte. Ao promover um encontro entre comunidades, os jovens podem disputar quem é o melhor na dança. A disputa incentiva a troca de ideias e a ocupação dos espaços públicos da cidade.

O “Favelinha Fashion Week” tem movimentado o mundo da moda em Belo Horizonte. A ideia é promover grupos culturais, marcas independentes, a economia local e a sustentabilidade. E ao fazer moda de uma forma divertida e inovadora, os desfiles resultam em editoriais incríveis e revelam modelos de todas as idades, tamanhos e aparências, que moram no Aglomerado da Serra.

O Centro Cultural “Lá da Favelinha” é uma organização independente que promove oficinas educativas gratuitas e eventos culturais para jovens e crianças. Tudo começou com uma oficina de MCs ministrada por Kdu dos Anjos, artista nascido e criado na vila Novo São Lucas (Favelinha), no Aglomerado da Serra. A oficina cresceu, formou um grupo musical, fundou uma biblioteca, abriu as portas e rapidamente se tornou o Centro Cultural Lá da Favelinha.

O Festival
Realizado anualmente, o Festival Cenas Curtas pretende estimular a criatividade, reunir artistas e proporcionar ao público acesso a uma diversidade maior de gêneros teatrais, tornando-se referência nacional. As inscrições estavam abertas a artistas, grupos e coletivos de todo o Brasil, que não estejam ligados diretamente ao Galpão Cine Horto. 

O 19º Festival de Cenas Curtas é uma realização do Galpão Cine Horto, sob apresentação do Ministério da Cultura e Governo de Minas Gerais, com patrocínio da Cemig e apoio da Usiminas.

PROGRAMAÇÃO 19° FESTIVAL CENAS CURTAS
Dia 26 de setembro, quarta-feira
19h30 – Rua Pitangui - Horto
Rolê – “Intervenção Vintage – por BeHoppers” (Belo Horizonte/MG)

20h – Teatro Wanda Fernandes, Galpão Cine Horto (Rua Pitangui, 3613)
Cena 1 – “Agô” – Direção: Patrícia Alencar - Teatro-Dança (Belo Horizonte/MG)
Cena 2 – “Canto ao Mar” – Direção: Ana Martins e Rikelle Ribeiro - Drama (Belo Horizonte/MG)
Cena 3 – “De Zé à Seu Zé, Dois de Nós Mesmos” – Direção: Ricardo Iazzeta e Sergio Siviero – Teatro-Dança (São Paulo/SP)
Cena 4 – “Encontros e desencontros de Fátima Bernardes”, Coletivo Transborda – Direção: Thalita Motta – Teatro performativo (Belo Horizonte/MG)

Entreato
Lá da Favelinha

22h – Gruta – Rua Pitangui, 3613 C, ao lado do Galpão Cine Horto
Rolê – “O Corpo é o Universo em Transe” – Direção: Gabrieu e Letícia - Audiovisual e pintura (Belo Horizonte/MG) 

Dia 27 de setembro, quinta-feira
17h30
Cinema (2º andar Cine Horto)
Debate do Dia Seguinte com Clóvis Domingos 

20h – Teatro Wanda Fernandes, Galpão Cine Horto (Rua Pitangui, 3613)
Cena 1 - “Viagem à Lua” – Direção: João Paulo Prazeres - Criação multidisciplinar (Belo Horizonte/MG
Cena 2 - “Axexê da Bailarina” – Direção e performance: Calu Zabel, Coletivo S/N – Dança (São Paulo/SP)
Cena 3 - “Ensaio sobre Fragilidade” – Direção: Mário Rosa (Belo Horizonte/MG)
Cena 4 - “Brasa”, Plataforma DORAS – Direção e Dramaturgia: Luísa Bahia - Teatro Performativo (Belo Horizonte/MG)

Entreato
Simplesmente Marta

22h – Teatro 171 – Rua Capitão Bragança, 35, Horto
Rolê - “O Gigante Acordou - Fake news”, Escola de Arte Indisciplinada – Performance Criação: Erika Rohlfs, Gabriel da Luz, Guilherme Morais e Jonata Vieira
Performances convidadas 171: Parda (com Júnia Pereira) + Bonek Queer (com Ana Gabi, Rodrigo Carizu e Mari de Cassia) - (Belo Horizonte/MG)

28 de setembro, sexta-feira
18h30 - Cinema (2º andar Cine Horto)
Debate do Dia Seguinte com Nina Caetano

21h – Teatro Wanda Fernandes, Galpão Cine Horto – Rua Pitangui, 3613
Cena 1 - “Aparecida”, Breve Cia – Teatro Negro – Direção: Adriano Borges - Drama (Betim-BH/MG)
Cena 2 – “Seguindo Passos”, TrupeZarpando – Dança, Teatro, Circo (Rio de Janeiro/RJ)
Cena 3 - “Para Rocío Jurado” – Direção cênica: Fabrício Trindade – Teatro Performático (Belo Horizonte/MG)
Cena 4 – “Manobras de McBurney Feliz!”– Direção: Lucas Arabi Vasconcellos – Performance (Belo Horizonte/MG)

23h – Zona Last  (Rua Pouso Alegre, 2952, Horto)
Rolê – “Sinal Vermelho”, Grupo Traços – Direção: Adriana Chaves, Ana Elisa, Daniele Fernandes e Saulo Calixto - Performance (Belo Horizonte/MG)

29 de setembro, sábado
18h30 – Cinema (2º andar Cine Horto)
Debate do Dia Seguinte com Clóvis Domingos

21h – Teatro Wanda Fernandes, Galpão Cine Horto (Rua Pitangui, 3613)
Cena 1 - “Todas as Vozes, Todas Elas”, Grupo de Teatro Mulheres de Luta Ocupação Carolina Maria de Jesus – Cena- performance-manifesto (Belo Horizonte/MG)
Cena 2 – “Foi Só Pra Continuar Viva”, Transitório Encontro – Direção e dramaturgia: Débora Vieira - Comédia Dramática (Belo Horizonte/MG)
Cena 3 – “Verbal do Tempo” – Atuação e Auto-direção: Maria Clara Lemos – Teatro (Nova Lima/MG)
Cena 4 – “Pocilga”, Triunfo das Porcas – Teatro (Belo Horizonte/MG) 

Entreato
Chico Pelúcio

23h – Santa – Rua Capitão Bragança, 15, Horto
Rolê - 1 – “Duelo de Egos” – Pseudo-DJs Paola Bracho e Petra Von Kant - Discotecagem (Minas Gerais)

30 de setembro, domingo – Rua Genoveva - Horto
15h 
Feira Queer + Kitutu

16h30
Cena 1 - “Minguante”, Alunos In-Cena – Drama (Teófilo Otoni/MG)
17h
Cena 2 - “Farrapo, o Palhaciclista” – Direção: Marcos Farrapo Fernandes - Teatro-Circo (Porto Seguro/BA)
17h30
Cena 3 - “Transvyadaji”, TRA (Trava Rangers do Apocalipse) – Performance (Florianópolis/Santa Catarina)

19h – Festa de encerramento
Prêmio Banana Rosa + Anúncio das Melhores Cenas
Discotecagem: dj anônimo + Supololo + Mientras Dura DJs

INGRESSOS
Cenas de Rua + Rolês + Feira Quarta Queer + Debate do Dia Seguinte: Entrada gratuita
Cenas de Palco + Festa de Encerramento*: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia) - clique aqui para comprar.
* Quem apresentar um canhoto de qualquer dia do Festival Cenas Curtas paga meia na Festa de Encerramento