quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Conheça o minidocumentário sobre o "o único gay da Nigéria"

Loading
Ilustração: Andrpe Tomonari


O Muza compartilha com vocês um belo, triste e forte minidocumentário sobre o "o único gay da Nigéria". 

O minidoc chama-se  "The real story of ´the only gay in Nigeria´" (A real história do único gay da nigéria") que tem em sua produção os brasileiros  Gui Boucault, Luís Henrique Boucault e André Tomonari. Eles estão à frente do estúdio de conteúdo Royalpixel.  

Trata-se da história real de Bisi Alimi, "um cara criado para condenar gays ao fogo do inferno que acabou se tornando o primeiro nigeriano a se assumir em rede nacional naquele país" como descreve a produção do minidoc, que ressalta ser uma história "bastante poderosa, triste e inspiradora".

Abaixo você pode assistir o minidocumentário na íntegra, que tem o áudio original em inglês, apesar do envolvimento do brasileiro. 

Para quem não sabe, na Nigéria a homossexualidade é crime. A pena pode chegar até 14 anos de prisão. Lá é proibido ter relações homossexuais e sequer mostrar carinho entre pessoas do mesmo sexo. 

Na sequencia abaixo, o Muza traz a opção de ver no YouTube, adicioando as legendas em português e ainda, no final, segue nossa transcrição em português do vídeo. 

Ficha Técnica do curta de aminação "The real story of ´the only gay in Nigeria´"

Produtores executivos
Gui Boucault
Luís Henrique Boucault

Direção
André Tomonari
Gui Boucault (brasileiro)

Narração
Bisi Alimi

Ilustração
André Tomonari

Animação
Sprio Bunster

Edição
Gui Boucault


The real story of "the only gay in Nigeria" from Hey Umami on Vimeo.





"O presidente da Nigéria disse em rede nacional que não existia gay na Nigéria.. e eu me senti tão ofendido...

Aceitar a sexualidade não foi fácil. Cresci em uma família religiosa e até os 17 anos fizeram exorcismo comigo e até tentei me matar. Era anti-gay.

Na juventude, conheci outros gays mas a vida era "divertida e perigosa" e se restringia as festas no underground no final de semana. De segunda a sexta fingiam ser outro garoto. Cheguei a ser agredido, preso e até molestado.

Acabei me tornando ator em 2003 em uma novela bem popular e fiquei relativamente famoso. Um jornal chegou a investigar minha vida e "me tirou ele do armário". E por um ano tentei negar, fingir que não era, namorei uma mulher e até deixei alguns amigos gays. 

Até que um programa matinal me procurou para contar minha história e assim acabei saindo do armário na TV e me tornei "o único gay da Nigéria".

Ao contrário do que pensei, que seria libertador para o país e a África... deixei de ser o queridinho da vez. Cheguei a ser agredido e preso várias vezes. Perdi o papel na TV e tive minha casa invadida por homens que me agrediram e me torturaram. Foi uma experiência muito dolorosa. 

Após essa experiência decidi sair da Nigéria e hoje sou um refugiado por esse motivo. Perdi muita coisa, inclusive amigos e estou começando tudo de novo. 

Ao longo do tempo acredito que minha história irá ajudar os LGBTs da Nigéria. Se faria tudo de novo? Se eu voltasse, eu gostaria de poder fazer tudo de novo."