segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Time de BH ganha primeiro campeonato de futebol gay do Brasil

Loading


No último sábado, 25 de novembro, aconteceu no Rio de Janeiro, na Barra da Tijuca, o primeiro campeonato brasileiro de futebol gay ou campeonato composto apenas por atletas gays. Isso mesmo! Trata-se do  Champions Ligay, realizado pela LGNF - LiGay Nacional de Futebol, que reuniu diversos times composto somente por atletas homossexuais e bissexuais de vários estados do Brasil (transexuais também podiam se inscrever). Mas não é só isso!

O time campeão da primeira edição desse campeonato inédito no país é de nada mais nada menos que Belo Horizonte. Isso mesmo!  O time campeão foi o Bharbixas F.C, que comemorou nas redes socais dizendo:
“...5 meses da criação de time, fomos os campeões da primeira #championsligay . O time de BH. Reconhecido por serem #lacrativas , #fechativas e #afeminadas : Atingimos nosso objetivo com sucesso! Ser gay é lindo. Ser livre é mágico! Ser Bharbixas é acreditar na diversidade, é saber respeitar e amar o outro acima de qualquer coisa. Time, vocês foram f@da, dentro e fora de quadra”.

Ao todo oito times disputaram o título: BeesCats Soccer Boys do RJ, Bharbixas F.C. de BH, Bravus de Brasília, CFC Aligaytors Futebol Clube de PR, Futebol Magia do RS, Futeboys Futebol Clube de SP, Sereyos de Floripa e Unicorns de SP. A Final foi entre Bharbixas e BeesCats. 

Se você acha desnecessário ou não entende a criação de um time de futebol composto somente por gays e bissexuais e, por consequência, um campeonato desses, a própria LGNF explica em suas redes sociais o motivo de sua criação:

“Os 8 times integrantes da LiGay, em grande parte fundados nos últimos 2 anos, vêm reunindo semanalmente mais e mais jogadores, todos interessados em praticar o esporte mais popular do mundo... O interesse da comunidade LGBTQ aumentou em abril de 2017... bem como encorajando meninos e meninas a efetivamente praticarem o futebol, seja qual for sua identidade de gênero, mostrando que no Brasil o futebol já não é mais dominado por machões heterossexuais... Sim, jogar bola e quebrar essa barreira do preconceito num dos esportes mais homofóbicos do mundo e da história... O único objetivo de cada time é a diversão. A competição não entra em campo!”

É válido destacar que apesar dos atletas serem gays e bissexuais, o campeonato também apostou com a diversidade ao incluir mulheres nos papeis de árbitras e treinadoras, o que não é comum no futebol tradicional. Além de como mencionado anteriormente, transexuais também puderam se inscrever.  

Abaixo, é possível ver o jogo da final na íntegra.