sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Mortes de LGBTs no Brasil está aumentando em 2017

Loading

O relatório anual do Grupo Gay da Bahia sobre mortes de LGBT no Brasil sobre 2017 ainda não pode ser concluído, mas parcial mostrada pela ONG mostra que este ano, até então, o número está maior. 

Segundo dados coletados até o dia 20 de setembro, cerca de 277 mortes aconteceram no Brasil em razão a sexualidade de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. Infelizmente, trata-se de um recorde negativo. 

Em 2016,o total foi de 343 assassintos, algo me torno de 0,95 mortes por dia. Em 2017, até o momento, a média é de 1,05 por dia. 

Sempre é bom lembrar que os dados divulgados pelo GGB trata-se de uma amostragem subnotificada, já que nem todos os crimes contra LGBT são registrados e os que são, não são necessariamente indicados como crimes por LGBTfobia já que a LGBTfobia não é crime no Brasil. Ou seja, se os números da amostragem assustam, na verdade, eles são piores ainda. 

Enquanto isso.., “a cura gay” no Brasil continua e a criminalização da homofobia parece distante em nosso país. 

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Representante da ONU condena decisão de “cura gay” no Brasil

Loading

A infeliz decisão de um juiz brasileiro em permitir “a cura gay” no Brasil continua chamando a atenção internacionalmente, depois de cantoras pop como Kesha e Demi Lovato se manifestarem contra a decisão brasileira, chegou  a vez de nada mais nada menos que a ONU criticar e condenar. Isso mesmo! Até a Organização das Nações Unidas (ONU) é contra. 

Em pronunciamento, Charles Radcliffe, chefe de Igualdade e Não-Discriminação do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), declarou: 

"É decepcionante ver o que aconteceu no Brasil. É uma prática que a ONU condena... Os direitos humanos têm que ser garantidos para todos... Em todo o mundo, líderes de associações psiquiátricas e psicológicas condenam a ideia de que a homossexualidade pode ser tratada, mesmo se a pessoa quiser. Ela é parte da diversidade da espécie humana... Mas isso não previne que alguns médicos e políticos continuem a explorar a ideia de apoiar as terapias. O debate ainda está vivo... Estou confiante de que, no longo prazo, vamos ver progresso. O Brasil não vai de uma hora para outra sair de uma posição de liderança no tema para ir em outra direção. Mas de fato o progresso não é imediato. Há reveses e divergências.” 

Como mostra matéria do jornal O Tempo, Radcliffe ainda lembrou que que existem casos no mundo de médicos que utilizam instrumentos de tortura, como choques elétricos, como forma de terapia para “curar” a homossexualidade. O representante da ONU sorbe questões LGBT ainda lembrou que em muitos países, e até mesmo nos Estados Unidos, ainda existe a prática de famílias forçarem seus filhos a fazer essas terapias, que são muitas vezes documentadas como cruéis, levando a casos de depressão e suicídio.

Para quem ainda não sabe... em 1990, a Organização Mundial de Saúde (OMS) entendeu que a homossexualidade não pode ser considerada uma patologia, mas uma variação natural da sexualidade humana. 

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Mostra em BH abordará preconceito contra minorias, incluindo filmes com temática LGBT

Loading
Cena do filme Doce Amianto

Cena do filme O Cheiro da Gente

Começa nesta quint-feira, 28 de setembro, e segue até o dia 4 de outubro a Mostra PARACêTALOKA, no Cine 104, que irá exibir filmes permeados pela discussão das marginalizações e violências sociais que as ditas minorias sofrem, sobretudo, combater o preconceito LGBTQ. Toda a programação do cinema neste período será dedicada à Mostra. 

Nas sessões das 17h15 será exibido o longa Vic & Flo viram um urso. Com direção de Denis Côté, o filme conta a história de duas mulheres que tentam se readaptar ao mundo depois de anos na prisão, mas se veem em uma situação de ameaça no local que escolhem para viver.

Com direção de Uirá dos Reis e Guto Parente, Doce Amianto traz a história de uma mulher passando por um momento de rejeição de seu grande amor. Seu universo interior choca-se com a realidade de um mundo que não a aceita, um mundo ao qual ela não pertence e invariavelmente ela torna a debruçar-se em seus delírios jocosos, misturando realidade e fantasia. Em cartaz nas sessões das 19h15, em Doce Amianto convivem masculino e feminino, dor e humor, dureza e carinho, o poético e o vulgar.

Fechando a programação, no longa francês O cheiro da gente o diretor do filme, fotógrafo e artista Larry Clark acompanha momentos da vida de um grupo de seis jovens parisienses, seus encontros entre o Museu de Arte Moderna e o Palais de Tokyo e suas festas repletas de sexo, drogas e rock‘n’roll. O filme estará em cartaz nas sessões das 20h15.

Segundo a organização,  a Mostra é necessária  nesta “ obscura fase em que país se encontra nos ameaça cada vez mais enquanto indivíduos. Na semana passada, uma liminar concedida pelo juiz federal Waldemar Claudio de Carvalho, considera a homossexualidade doença e autoriza tratamentos extintos no Brasil desde os anos 90, portanto, interrompemos a nossa programação, pois resistir é preciso”.  Belo exemplo! 

Os ingressos têm preços populares [R$ 12 e R$ 6 (meia-entrada)] e podem ser adquiridos na bilheteria do espaço. O Cine 104 não abre aos domingos e nas segundas-feiras.

Serviço
Mostra PARACêTALOKA
Datas: 28 de setembro a 6 de outubro. 
Ingressos: R$ 12 e R$ 6 (meia-entrada) – somente na Bilheteria
Local: Cine 104 -  Praça Rui Barbosa, 104, Centro, em BH.
Horários (o Cine 104 abre de terça a sábado):
17h15-  Vic & Flo viram um urso
19h00- Doce Amianto
20h15 - O cheiro da gente









1ª Semana Integrada de Diversidade Sexual e de Gênero da UFMG começa neste sábado

Loading

Começa neste sábado, 30 de setembro, e segue até o dia 6 de outubro a 1ª Semana de Diversidade Sexual e Gênero da UFMG. Serão realizadas diversas atividades gratuitas como debates, performances, rodas de conversa, sarau (veja a programação completa abaixo). 

A realização da Semana é uma iniciativa de coletivos da própria universidade (Nuh, IRIS, Prisma, LGEOBTT, Frente Autonoma LGBT e o CDBIO) e estudantes LGBTIQAs da própia UFMG. Veja abaixo o pronunciamento, na íntegra, sobre as motivações e objetivos da criação desta Semana:

"Vivemos um tempo em que as bases da educação brasileira estão sendo postas em cheque por setores da sociedade e pelo governo em exercício. Os gastos públicos em educação estão congelados, levando as universidades e demais instituições públicas de ensino a rever suas despesas e desacelerar a ampliação do ensino que vivíamos.

Em todo o país, o programa Escola sem Partido ganha força, impondo limites á expressão e à cátedra de professor@s e impedindo o acesso de educand@s a conhecimento sobre a vida política e social do nosso país e do mundo. 

Esses tempos reforçam a necessidade da Universidade pensar, em diálogo forte e constante com toda a sociedade, no seu futuro e buscar respostas às muitas interrogações que surgem nessa conjuntura. 

Por isso, nós, estudantes LGBTIQAs da UFMG convocamos toda a comunidade acadêmica e a sociedade mineira para a I Semana Integrada de Diversidade Sexual e de Gênero, norteada pelo tema "Escola sem Partido é Escola sem Diversidade".

Durante toda a semana, teremos dezenas de debates, apresentações culturais e muitas outras atrações que trarão alegria e close para a Universidade, mas também inquietações e força para a luta pelo futuro da educação brasileira. 

Vem com a gente colorir essa UFMG com a beleza das nossas lutas!"

Serviço
I Semana de Diversidade Sexual e Gênero da UFMG
Data: de 30 de setembro a 6 de outubro
Horário: veja a programação completa na imagem abaixo
Local: UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais (Avenida Presidente Antônio Carlos, Pampulha, Belo Horizonte)












terça-feira, 26 de setembro de 2017

Veja vídeo com pesquisadores da UFMG comentando sobre a “cura gay” no Brasil

Loading

A TV UFMG produziu um ótimo vídeo no qual pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais apontam problemas da liminar que autoriza a "cura gay" no Brasil.

No vídeo são entrevistados Deborah Barbosa (professora do Departamento de Psicologia da UFMG) e Thiago Coacci (advogado, doutorando pela UFMG e membro da Comissão da Diversidade Sexual da OAB-MG). Na matéria também é mencionada a nota de repúdio a decisão divulgada pelo Departamento de Psicologia da Universidade, além de apontados os erros jurídicos e psicológicos da famigerada “cura gay” no Brasil. 

Para quem ainda não sabe, a “cura gay” só está em vigor no Brasil após grupo de psicólogos da missionária Rozângela Alves Justino entrar com ação, juiz federal concedeu liminar autorizando tratamentos de reversão sexual no Brasil - mesmo sem o pedido ter a urgência necessária a uma liminar. 

Demi Lovato e Kesha se manifestam contra "cura gay" no Brasil

Loading

Duas popstars internacionais resolveram se manifestar sobre a estúpida decisão de um juiz sobre “cura gay” no  Brasil. Isso mesmo! Estamos falando de Demi Lovato e Kesha. As cantoras usaram as redes sociais para demonstrar apoio aos fãs homossexuais do Brasil. 

Kesha, por meio do instagram, compartilhou uma imagem de uma notícia internacional sobre o assunto (“Brasil legaliza terapia de conversão sexual que classifica homossexualidade como doença”) e escreveu: “Não há cura para algo que não é doença. Não seria mais revolucionário apoiar, celebrar e amar pessoas por quem elas são em vez de humilhar e mudá-las? É uma vergonhosa decisão legislativa e eu ofereço meu apoio para enfrentar essa decisão medieval e desprezível. Amo todos e e respeito o direito de todos de serem que eles são de nascença. Isso são obstáculos, não barreiras, e nós iremos lutar!”

Já Demi, pelo Facebook, compartilhou uma imagem que muitos no Brasil estão usando para protestar (amor não é doença, é a cura. Trate seu preconceito.) e escreveu: “Pensando em você hoje Brasil. Espero ver essa decisão errada corrigida em breve” e em português escreveu “Eu amo vcs”. 



Wouldn't it be a revolutionary idea to support and celebrate and LOVE people for who they are instead of shaming and trying to change them.  This is a shameful piece of legislation and I lend my support to help fight this medieval and despicable decision.  I love all people and respect everyone's rights to be exactly who you were born to be.  These are speed bumps, not walls , and we will fight!
Uma publicação compartilhada por Kesha (@iiswhoiis) em 

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Nesta sexta acontece em Belo Horizonte festival com Lia Clark e Mulher Pepita

Loading


Nesta sexta-feira, 20 de setembro, acontece a primeira edição do Beagá Pop Festival, que terá shows de Lia Clarck e Mulher Pepita. Isso mesmo! É a primeira vez que as duas se apresentam juntas em Belo Horizonte.

A proposta, segundo os organizadores, é: “Nosso festival chega em Belo Horizonte com objetivo de ser referência como o melhor festival do gênero no Brasil. Unindo música, diversidade, entretenimento e interação”.

Além das duas cantoras, o festival terá diversas atrações, como : Projeções LED, Performances/Dancers,  Foods: Churros, Pipoca, Algodão Doce e Guloseimas e Open Shots, com direito a 1 hora de catuaba selvagem liberado. Além dos Djs: Vibers, Ed Luiz ( @bsurda ),  Fabrinni e Gustavo Bezzi.

Serviço
Beagá Pop Festival – com shows de Lia Clark e Mulher Pepita
Data: 29 de setembro (sexta-feira)
Horário: 23h
Local: Avenida Getúlio Vargas, 85, Funcionários, Belo Horizonte - MG, 30112-020, Brasil




Nesta semana, banda fará tributo ao Pink Floyd com shows em BH

Loading


Na vibe do Rock In Rio, o Muza aproveita para chamar atenção para o show da banda ATOM em Belo Horizonte que fará tributo ao Pink Floyd.

Criar uma experiência conceitual em torno do disco The Dark Side of the Moon, uma das mais famosas obras do rock mundial, eleito o segundo melhor disco do gênero pela revista Rolling Stone. Essa é a missão da Banda ATOM, grupo mineiro formado por nove músicos profissionais e que estreia sua nova turnê em tributo ao Pink Floyd, banda britânica surgida nos anos 1960. 

Os shows acontecerão em Belo Horizonte, nos dias 29 e 30 de setembro, às 21h, no Cine Theatro Brasil Vallourec. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro ou pela internet, no site Compre Ingressos (http://www.compreingressos.com/espetaculos/5386-atom-pink-floyd-tribute-grande-teatro).

Sobre a banda ATOM 

A banda ATOM é formada por músicos que dividem a paixão pelo Pink Floyd e a determinação por explorarem todas as dimensões da história que tornou o grupo um dos maiores de todos os tempos. O guitarrista e vocalista da banda, Helinho Guimarães, ressalta que os músicos da ATOM se conheceram de forma despretensiosa, em estúdios e eventos da capital, até que o gosto pelo conjunto britânico os aproximou. “Depois de acompanhar várias bandas tributos de Pink Floyd ficou mais evidente a vontade de proporcionar ao público uma homenagem que fosse mais do que apenas musical e conseguisse também recriar a experiência de se estar em um show do Pink Floyd.” Juntos desde 2012, com algumas mudanças na formação, a banda se apresenta pelo terceiro ano consecutivo no Cine Theatro Brasil Vallourec. Com a casa lotada nos anos anteriores, em 2017 a ATOM optou por realizar dois dias de show, para ninguém ficar de fora.

Sobre o Show

Para a turnê do The Dark Side of the Moon Tour, a ATOM preparou a maior experiência conceitual baseada na obra do Pink Floyd. A ideia é, além de reproduzir com fidelidade as músicas apresentadas pelo grupo, mostrar ao público uma viagem sensorial pelo universo das características do grupo britânico. Para isso, a ATOM produziu diversos vídeos que serão exibidos em sincronia com as músicas, nos dois telões que compõem o palco. Um potente jogo de luzes ambientará a cena para que o público se sinta em um concerto de rock que reinterpreta os shows do Pink Floyd.

Embora o nome da turnê faça referência a um dos mais famosos álbuns da banda, que será executado na íntegra, o show contemplará o repertório do grupo britânico por diversas fases. As músicas do The Dark Side of the Moon serão reproduzidas de forma fiel aos registros gravados, enquanto o restante do repertório será apresentado com base nas diversas versões das obras tocadas ao vivo ao longo da carreira do Pink Floyd.

Pink Floyd e The Dark Side of the Moon

Formada em Londres, em 1965, a banda Pink Floyd é um dos maiores ícones musicais do mundo, sendo considerada uma das precursoras do rock progressivo e uma das bandas com maior êxito comercial da história. O trabalho da banda é marcado por letras filosóficas, experimentações musicais, encartes inovadores e shows bem elaborados. Até 2013, a banda somava mais de 240 milhões de cópias vendidas por todo mundo.

Lançado em 1973, o álbum The Dark Side of the Moon é o oitavo da banda e ficou famoso por ser o marco de uma nova fase do grupo. Com letras mais pessoais e o uso de instrumentos menores e diversos efeitos sonoros para a gravação, o disco foi um sucesso em diversos países, alcançando o primeiro lugar da parada de sucessos em várias partes do mundo.

ATOM em São Paulo

No embalo dos shows em BH, a turnê da Banda ATOM já tem uma próxima parada. O grupo tem show confirmado para São Paulo, no dia 1° de novembro, quarta-feira, às 21h, no Teatro Bradesco. 

Serviço
Show da Banda ATOM Pink Floyd Tribute – The Dark Side of the Moon Tour BH
Local: Cine Theatro Brasil Vallourec (Avenida Amazonas, 315, Centro - Belo Horizonte – MG)
Datas: 29 e 30 de setembro, às 21 horas
Ingresso: A partir de R$ 40 reais (meia, primeiro lote). Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro ou pela internet, no site Compre Ingressos 

domingo, 24 de setembro de 2017

Conheça a campanha "Bi Não é de Biscoito", pela visibilidade bissexual, e participe!

Loading
Bandeira do orgulho Bissexual

Em razão ao Dia da Visibilidade Bissexual, celebrada na data de 23 de setembro, a Frente Autônoma LGBT lançou a campanha “Bi Não é de Biscoito”, pela visibilidade bissexual. 

A campanha consiste em bissexuais postarem vídeos nas redes sociais, falando sobre sua sexualidade, e marcar a Frente Autônoma. Até o momento, já foram postados vídeos de alguns ativistas bissexuais, como a psicóloga Dálcira Ferrão (veja abaixo).

Leia abaixo a proposta da Campanha na Íntegra:

[BI NÃO É DE BISCOITO]

Dia 23 de Setembro é o dia da visibilidade bissexual. Essa letrinha, apesar de presente na sigla LGBT é muito pouco discutida. Até mesmo dentro dos movimentos LGBT é comum que a bissexualidade seja tratada como apenas uma fase, quando lembram que ela existe. Para romper com a invisibilidade bi e esses discursos limitadores, a Frente Autônoma LGBT lança hoje a campanha Bi não é de biscoito.

Queremos encher o facebook com depoimentos de pessoas bissexuais. Convidamos ativistas bi que colam com a gente da Frente para gravar um pequeno vídeo falando sobre a bissexualidade e suas vivências. O primeiro vídeo de nossa campanha é da Dalcira Ferrão, mulher negra, bissexual e ativista LGBT. Além disso, Dalcira é psicóloga e coordena a Comissão de Psicologia, Gênero e Diversidade Sexual do Conselho Regional de Psicologia - Minas Gerais. Conheça um pouco da história dessa ativista.

Se você também é bi, pan ou não monossexual, grave um vídeo curto contando da sua experiência ou explicando algo sobre a bissexualidade. É coisa simples, grave com o seu celular mesmo, poste na sua página com a #VisibilidadeBi e manda o link pra gente que ao longo da semana iremos compartilhar os depoimentos.

Sobre  a Frente Autônoma LGBT

A Frente Autônoma LGBT é fruto da compreensão de que as militâncias LGBTs são muitas, complexas e complementares. Estamos nas lutas das ruas, dos bairros, vilas e ocupações, na produção de cultura e na academia, organizados ou não, buscando reforçar as bases de uma sociedade em que cidadania, respeito e dignidade sejam de fato para todxs. Temos convicção de que é só pela união dessas lutas que conseguiremos dar passos largos nessa direção, ainda que em tempos temerosos.

Organizamos um espaço de comunicação e fortalecimento mútuo das militâncias LGBT em Belo Horizonte e em Minas, por meio do qual buscamos dar visibilidade e força aos movimentos pelos direitos LGBT, além de construir coletivamente novas ações, principalmente nos espaços onde essa luta ainda é mais espinhosa. Vamos juntxs derrubar os muros que limitam os diálogos e construir, lado a lado com os diversos segmentos da nossa comunidade, uma nova forma de lutar pelos nossos direitos, representativa da diversidade desse movimento.



sábado, 23 de setembro de 2017

Movimento LGBT de Itabirito quer compor Conselho Estadual da Juventude de MG

Loading


O Movimento Itabiritense de Lésbicas Gays Bissexuais e Travestis (ITA LGBT) está quer compor o Conselho Estadual da Juventude (Cejuve/MG). O intuito é representar as entidades LGBT de Minas Gerais, para isso, é preciso clicar aqui e votar. Abaixo, você pode obter mais informações sobre a eleição do Cejuve/MG e do ITALGBT. Ressalta-se que o ITA LGBT já foi aprovado como candidato. 

Eleição do Conselho Estadual da Juventude 

Está aberta *até o dia 25 de setembro* a votação para eleição das entidades que vão compor o Conselho Estadual da Juventude (Cejuve/MG). Participam do processo eleitoral eleitores com domicílio eleitoral em Minas Gerais.

O Conselho será composto por 36 conselheiros, sendo:
12 representantes governamentais e suplentes;
24 representantes de entidades da sociedade civil e suplentes.

Os mandatos terão duração de dois anos, sendo possível uma recondução.

Caberá ao Conselho Estadual da Juventude a elaboração dos critérios e parâmetros para a implementação de políticas que assegurem a cidadania e ampliem as oportunidades para as juventudes e a apresentação de sugestões de diretrizes orçamentárias e alocação de recursos nos Planos Plurianual de Ação Governamental, na Lei de Diretrizes Orçamentárias e na Lei Orçamentária Anual, voltadas para a população jovem, entre outas funções.

O *Movimento ITALGBT* candidata-se à vaga na temática LGBT, representando as entidades do interior de Minas Gerais e buscando defender a Diversidade entre as juventudes de Minas Gerais.

Dentre as ações do Movimento ITALGBT junto a juventude destacamos:

• Tenda de Referencia ITALGBT, presentes desde o carnaval de 2014, no Circuito Oficial do Carnaval de Itabirito, com ações de acolhimento a jovens LGBT e distribuição de Insumos;

• Garantia por decisão judicial de distribuição de insumos para maiores de 16 anos, 

• Garantia da aprovação sem alteração do Plano Decenal de Educação garantindo a discussão sobre identidade de gênero nas escolas do município;

• Realização do programa e consolidação da Rede de Educação Em Direitos Humanos com viés na Educação Popular.

• Realização em novembro do I Encontro Nacional de Jovens sobre Direitos, Saúde e Participação Social em parceria com a UNESCO

O Movimento ITALGBT e uma entidade de utilidade púbica Municipal e desde sua fundação em 2013 tem procurado de maneira protagonista dialogar com os diversos segmentos da sociedade bem como promovendo a formação da juventude LGBT sobre cidadania e direitos Humanos acolhendo a todos e todas sem distinção.


23 de setembro – Dia da Visibilidade Bissexual

Loading


Hoje, 23 de setembro, é celebrado como o Dia da Celebração Bissexual ou Dia do Orgulho Bissexual ou ainda Dia da Visibilidade Bissexual. 

Pouco se sabe sobre a criação desse dia, a não ser que foi definido pelos ativistas bissexuais Wendy Curry, Michael Page e Gigi Raven Wilbur  em 199, nos Estados Unidos, como resposta ao preconceito e à marginalização das pessoas bissexuais na sociedade geral.

De qualquer forma, sabe-se que a sexualidade das pessoas bissexuais precisa ser também reconhecida e respeitada. O Muza achou algumas imagens na internet e compartilha com vocês, inclusive uma ilustração da Carol Rossetti. 





sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Neste sábado acontece em BH “Protesto a Favor Dos Lgbt”

Loading


Neste sábado, 23 de setembro, acontece em Belo Horizonte  uma manifestação contra a cura gay no Brasil. Seria realizado um evento similar hoje em BH, mas foi adiado por este de sábado, para unir forças: “Nós conversamos e achamos melhor unir forças e fazer um evento só para que possamos colocar muita gente na rua e mostrar aos fundamentalistas ao que viemos”, diz o aviso no evento anterior. O evento será às, na Praça 7, no Centro da Belo Horizonte. Abaixo, você pode ler o convite na íntegra:

"E QUANTO MAIS DOR EU RECEBO, MAIS PERCEBO QUE SOU INDESTRUTÍVEL"
Manas de BH e região, com base na liminar concedida pela justiça do DF sobre a homossexualidade ser uma "doença", nos gays, lésbicas, transsexuais, travestis, bissexuais, estamos dando resposta com a nossa voz em forma desse protesto, afim de demonstrar indignação e nos levantarmos sobre tal distribuição de ódio gratuito. 

Já esta com data marcada para o dia 23/09 às 12:00 no pirulito da praça 7.
O encontro será realizado na praça da estação, as 11:00, pra galera se reunirá, 12:00 estaremos na praça 7, quem chegar atrasado pode ir direto pra praça 7 que vai estar todo mundo reunido lá.

Traga seu cartaz, sua bandeira, sua roupa bem closuda, venha com muito glitter, água para fortalecer a voz e muito sangue nos olhos. 

Vamos ser consciente que estaremos em local público para que não vire baderna e não saia fora do controle!!!"

NAO FAÇAM A GAGA MAS SIM FAÇAM BARULHO!!!

Serviço
Protesto a Favor Dos Lgbt
Data: 23 de setembro (sábado)
Horário: 12h
Local: Praça Sete de Setembro (Praça 7), Centro, Belo Horizonte.

Pabllo VIttar é capa da revista Contigo!

Loading



Acontece hoje em BH o show de lançamento do disco do cantor Veronez

Loading


Hoje acontece em Belo Horizonte o show de lançamento do disco “Narciso Deu Um Grito”, primeiro do cantor Veronez. Conhecido por muitos de BH como Marcelo Veronez, ele ganhou destaque local com o projeto “Não Sou Nenhum Roberto”, em que revisita o repertório de Roberto e Erasmo,  além de participar também da Banda Viada. O disco já está disponível nas plataformas digitais, inclusive no YouTube.

A apresentação de hoje, que começa às 21h, terá participações da cantora e compositora Josi Lopes e de integrantes dos coletivos Toda Deseo e Bacurinhas, além do bloco carnavalesco Corte Devassa. No palco, Veronez conta com a banda que gravou a maioria das faixas do disco: Nara Torres (percussão), Davi Fonseca (teclados), Ygor Rajão (guitarra e fluggel), Yuri Vellasco (bateria) e Lucas Completo (sax barítono). Camila Rocha assume o baixo na apresentação. A direção musical é de Ygor Rajão.

Além da performance marcante de Veronez, o show de “Narciso Deu Um Grito” terá coreografias criadas pelos artistas Rafael Lucas Bacelar e Ronny Stevens, que serão acompanhados no palco por Fernanda Rodrigues, Idylla Silmarovi, Wagner Alves e Ana Reis, artistas dos coletivos Toda Deseo e Bacurinhas. A luz do espetáculo ficou a cargo de Akner Gustavson e Marina Arthuzzi.

Sobre o Disco

Depois de ganhar destaque com o projeto “Não Sou Nenhum Roberto”, em que revisita o repertório de Roberto e Erasmo, Veronez percebeu a necessidade de gravar um disco para fazer seu trabalho circular, inclusive fora de Belo Horizonte. O cantor mergulhou, então, no garimpo de composições para a construção do repertório de “Narciso Deu Um Grito”, que tem como fio condutor o carnaval. 

O resultado, que tem a produção musical de Ygor Rajão, é um repertório assinado por nomes de destaque da cena mineira - de Marku Ribas a Milena Torres, de Luiz Gabriel Lopes a Brisa Marques -, cujas composições se transformam na interpretação singular e apaixonada de Veronez.

Serviço
Show de lançamento do disco “Narciso Deu Um Grito”, de Veronez
Data: 22 de setembro (sexta-feira), 
Horário: 21h.
Local: Teatro SESIMINAS, Rua Padre Marinho, 60 - Santa Efigênia
Entrada: R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia-entrada). Ingressos antecipados a R$ 10 com a produção do evento. Contato: Paulinha Pimenta - confirmacaoestreianarciso@gmail.com (99133-4336)


EVENTO ADIADO Nesta sexta acontece em BH manifestação “Ser LGBTQI não precisa de cura! Mas preconceito SIM!”

Loading

Hoje, sexta-feira, 22 de setembro, acontece em Belo Horizonte  uma manifestação contra a cura gay no Brasil. Haverão também atos em outras cidades brasileiras, em BH será a manifestação “Ser Lgbtqi não precisa de cura! Mas preconceito SIM! (Ato em BH)”, às 17h, na Praça 7, centro da capital mineira. Abaixo, você pode ler o convite na íntegra:

Na última sexta-feira (dia 15/09) a justiça federal autorizou psicólogos a tratarem a homossexualidade como DOENÇA. Reforçando o discurso de que não devemos existir como nós somos. Esse ataque se junta à tantos outros. Como a transsexualidade ainda hoje ser considerada trantorno mental. 

Na última semana LGBTQI's sofrem mais um ataque. Ao nosso direito de amar, a nossa dignidade, ao nosso direito de existir. 

Mas se nos mostram com ódio que não podemos ocupar um lugar nessa sociedade, bora mostrar com muito amor e luta que esse lugar é nosso DIREITO!

A próxima Sexta-feira é dia de colorir as ruas pra mostrar que: O QUE NÃO É DOENÇA, NÃO TEM DE CURA!

Vem as trans, as gay, as bi, as sapatão (e as hetera tbem!) ocupar as ruas do centro de BH! Traz seu glitter, sua bandeira, seu caminhão e seu orgulho. 

Vão ter atos nesse mesmo dia em varias outras cidades do país, bora ajudar costurar esse bandeirão colorido por todo esse Braseel!

Obs.: Queremos ver varios beijaços por segundo pra mostrar pra essa sociedade o quanto somo saudáveis

Obs.2: essa vida já não tá facil sendo LGBT ou não (nao temo mais direito a aposentar, reforma trabalhista, passagem R$4,05), então assim: ME RESPEITAA!

EM TEMPO: já está disponível um abaixo-assinado online contra essa absurda (no mínimo), ideia de “cura gay” no Brasil. Clique aqui e participe

Serviço
Manifestação em BH - Ser Lgbtqi não precisa de cura! Mas preconceito SIM! (Ato em BH)”
Data: 22 de setembro (sexta-feira)
Horário: 17h
Local: Praça Sete de Setembro (Praça 7), Centro, Belo Horizonte

ATENÇÃO: A DATA DO EVENTO FOI ALTERADA.
Por que? Porque outras manas também estavam organizando um protesto sobre o mesmo tema no sábado. Nós conversamos e achamos melhor unir forças e fazer um evento só para que possamos colocar muita gente na rua e mostrar aos fundamentalistas ao que viemos.Então, não deixem de comparecer. 
Sábado, 23/09, na praça 7.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Internautas criam abaixo-assinado online contra “cura gay” no Brasil

Loading

Se você também considera, no mínimo, absurda a recente decisão de um juiz brasileiro a favor  da “cura gay”, por meio de tratamento psicológico, você tem mais uma maneira de expressar sua indignação. Foi criado um abaixo-assinado online, pela página do Facebook  “Você não é estranho”, contra essa decisão. Intitulado “Homossexualidade não é doença! Repúdio à decisão da Justiça Federal do DF. Para: Aos cuidados do Congresso Nacional e do Conselho Federal de Psicologia", o abaixo-assinado, ou petição online, tem ganhado bastante divulgação na internet. 

Para assinar, clique aqui. A descrição da petição, diz:

A Justiça Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal acatou parcialmente uma liminar contra a Resolução 01/99 do Conselho Federal de Psicologia. Esta liminar busca regularizar o uso de terapias de “reversão sexual”. 

A Resolução 01/99 do Conselho Federal de Psicologia (CFP) foi aprovada em março de 1999 e determina atuação dos profissionais de Psicologia na abordagem da questão da Orientação Sexual. Nesta está colocada uma conduta condizente com não considerar a homossexualidade uma doença, aprovada em Assembleia Geral da OMS em 17 de Maio de 1990, onde não se deve utilizar nenhum tipo de patologização, mas sim a disponibilização do seu conhecimento para uma reflexão sobre o preconceito e o desaparecimento de discriminações e estigmatizações. 

Este tipo de atuação dos profissionais de psicologia, como colocado pela Resolução 01/99, é o mínimo que se pode esperar no Brasil, país recordista de assassinatos LGBTs. E ainda extremamente distante, levando em consideração que a bissexualidade e as identidades Trans* ainda seguem consideradas como doentes. 

Ainda assim, este tipo de abordagem parece impensável para um grupo de psicólogos que moveu o pedido liminar acatado parcialmente pela Justiça Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal. Isso mantém o texto da Resolução 01/99, mas impede a proibição da prática da terapia de reversão sexual. Ou seja, legaliza a existência destas práticas a cargo de cada psicólogo individualmente, tratando a homossexualidade como doença. 

Portanto este abaixo-assinado visa repudiar publicamente a decisão da Justiça Federal do Distrito Federal, além de exigir dos órgãos competentes as devidas providências. A homossexualidade não é doença e não precisa de cura.

Está acontecendo em BH o evento “D.I.V.E.R.S.A - diversidade, resistência e arte”

Loading

Acontece em Belo Horizonte até o próximo sábado, 23 de setembro, o evento “D.I.V.E.R.S.A -  diversidade, resistência e arte” no Centro Cultural Venda Nova, em Belo Horizonte.

O evento consiste em diversas atividades ao longo dos dias, como palestras, cinema comentado, roda de conversa, exposições, palco aberto, gaymada, sarau, oficinas, shows e performances 

O evento é uma realização do Centro Cultural Venda Nova, Fundação Municipal de Cultura e com apoio do Centro de Luta Pela Livre Orientação Sexual (Cellos MG). 
Periféricas , Cristal Lopez, Coletivo Toda Deseo, Coletivo Juntos, Canal Opinião 10, 
Coletivo LGBTQ+ em Venda Nova e Frente Autônoma LGBT.

Programação:

21 setembro | 5°feira:
19h30 - Roda de Conversa:
LGBT DE PERIFERIA: empoderamento, resistência e luta.
Com Giovanni Heliodoro - Aláfia, artista, mulher trans, militante do Coletivo Periféricas

22 setembro | sexta:
19h às 22h30 - Baile da Diversa : música, performance, apresentações, versos e uma baladinha sensacional! Coordenação: Coletivo Divinas Tetas

23 setembro | sábado:
14h - Dança: Cia Power Dance - Venda Nova
14h30 - Dança: Cia Devassa - Venda Nova
15h - A Corteja Diversa
Um desfile pelas ruas do entorno do Centro Cultural Venda Nova
15h30 - GAYMADA
Coordenação de Cristal Lopez
16h - Palco aberto:
Shows, performances de artistas LGBTQ+
17h: Show DJ Phill - Eletromusic
20h - SHOW FINAL: Roda de Timbau

Serviço
Evento -  D.I.V.E.R.S.A diversidade, resistência earte
Datas: 18 a 23 de setembro
Horários por dia: quinta (21), às 19h30; sexta (22), das 19h às 22h30; sábado(23), das 14h às 20h.
Local: Centro Cultural Venda Nova (CCVN) -  rua José Ferreira dos Santos, 184 - Novo Letícia, Belo Horizonte. 
Entrada: Gratuita