quarta-feira, 26 de julho de 2017

Lia Clark tem vídeo de “boquetáxi” restrito no YouTube e reclama de LGBTQfobia

Loading


Lia Clark, uma forte representante nacional na Drag Music, lançou ontem o videoclipe de “Boquetáxi”. Cheio de referências pop, desde o figurino que lembra Christina Aguilera no videoclipe de “Dirrty” (2002), e, claro, letras e imagens sexualmente sugestivas, mas tudo com bastante humor.  Sim, esse é o estilo da Lia, mas mesmo assim, poucas horas após o lançamento, o YouTube restringiu seu vídeo somente para maiores de 18 anos. Isso mesmo!

A drag queen cantora não ficou nada satisfeita e fez textão sim desabafando sobre e reclamando de sofrer LGBTQfobia:  “Vocês podem estar pensando que é por causa da bunda no clipe e/ou letra da música ou até concordando com o bloqueio do youtube, porém, o buraco é bem mais embaixo.... Eu poderia listar milhões de vídeos/músicas cis-héteros brasileiros que constam no youtube com nudez e palavrões nos quais não consta a tal restrição de +18. Isso sem mencionar as traduções das músicas de vídeos internacionais”.


Fato é que mesmo com a restrição, Lia tem móvitos pra comemorar: o videoclipe de “Boquetáxi” bateu seu próprio recorde e conseguiu 423 mil visualizações em 24h. Isso mesmo! Quase meio-milhão.  

Leia abaixo, na íntegra o texto de Lia Clarck: 

“Ontem à tarde eu lancei meu novo clipe "Boquetáxi" no Youtube e a repercussão do vídeo foi enorme. Fiquei muito feliz e conseguimos alcançar o #1 dos vídeos mais vistos do dia.

Hoje acordei com a triste notícia de que o vídeo foi automaticamente removido da lista de vídeos em alta e não foi por ter caído de posição, o que é um processo natural, mas sim pq ele foi marcado como restrito por conteúdo impróprio para menores de 18 anos por conta do número alto de denúncias do público heteronormativo que o vídeo atingiu com tamanha exposição. Vocês podem estar pensando que é por causa da bunda no clipe e/ou letra da música ou até concordando com o bloqueio do youtube, porém, o buraco é bem mais embaixo.

Eu poderia listar milhões de vídeos/músicas cis-héteros brasileiros que constam no youtube com nudez e palavrões nos quais não consta a tal restrição de +18. Isso sem mencionar as traduções das músicas de vídeos internacionais. Porém, não vou apontar o dedo pra ninguém, só quero deixar explícito que isso é LGBTQfobia. E este preconceito não está vindo exclusivamente dos cis-heteros, mas também dentro da nossa comunidade, que acaba acreditando que se enquadrar aos padrões de higienização impostos por nossos opressores é uma questão de respeito. Não, não é! Respeito é tratar todos de forma igualitária.

E não, eu não estou pedindo pra gostarem/consumirem o meu trabalho, eu só quero igualdade e respeito.

Eu tenho direito de fazer o meu trabalho como todos eles. Eu tenho noção que a forma que me expresso nas minhas músicas não é a que "a grande massa" espera de um músico, mas eu tenho direito de fazer o trabalho da minha maneira e isso não deslegitima a luta de ninguém. Eu cantar “Boquetáxi” e pedir respeito não é hipocrisia. O macho cis-hétero que canta funk proibidão não é julgado da mesma forma que eu e continua lá no Youtube livre de qualquer restrição que atrapalhe seu trabalho. 

E o pior é que muita gente não consegue enxergar isso, a LGBTQ+fobia é real e não é brincadeira. Hoje eu estou reclamando por ser silenciada pelo Youtube mas amanhã coisa muito pior pode acontecer com outra pessoa. 

Obrigado pelo apoio, estamos tentando reverter a situação! Amo vocês”


Ontem à tarde eu lancei meu novo clipe "Boquetáxi" no Youtube e a repercussão do vídeo foi enorme. Fiquei muito feliz e conseguimos alcançar o #1 dos vídeos mais vistos do dia. Hoje acordei com a triste notícia de que o vídeo foi automaticamente removido da lista de vídeos em alta e não foi por ter caído de posição, o que é um processo natural, mas sim pq ele foi marcado como restrito por conteúdo impróprio para menores de 18 anos por conta do número alto de denúncias do público heteronormativo que o vídeo atingiu com tamanha exposição. Vocês podem estar pensando que é por causa da bunda no clipe e/ou letra da música ou até concordando com o bloqueio do youtube, porém, o buraco é bem mais embaixo. Eu poderia listar milhões de vídeos/músicas cis-héteros brasileiros que constam no youtube com nudez e palavrões nos quais não consta a tal restrição de +18. Isso sem mencionar as traduções das músicas de vídeos internacionais. Porém, não vou apontar o dedo pra ninguém, só quero deixar explícito que isso é LGBTQfobia. E este preconceito não está vindo exclusivamente dos cis-heteros, mas também dentro da nossa comunidade, que acaba acreditando que se enquadrar aos padrões de higienização impostos por nossos opressores é uma questão de respeito. Não, não é! Respeito é tratar todos de forma igualitária. E não, eu não estou pedindo pra gostarem/consumirem o meu trabalho, eu só quero igualdade e respeito. Eu tenho direito de fazer o meu trabalho como todos eles. Eu tenho noção que a forma que me expresso nas minhas músicas não é a que "a grande massa" espera de um músico, mas eu tenho direito de fazer o trabalho da minha maneira e isso não deslegitima a luta de ninguém. Eu cantar “Boquetáxi” e pedir respeito não é hipocrisia. O macho cis-hétero que canta funk proibidão não é julgado da mesma forma que eu e continua lá no Youtube livre de qualquer restrição que atrapalhe seu trabalho.  E o pior é que muita gente não consegue enxergar isso, a LGBTQ+fobia é real e não é brincadeira. Hoje eu estou reclamando por ser silenciada pelo Youtube mas amanhã coisa muito pior pode acontecer com outra pessoa.  Obrigado pelo apoio, estamos tentando reverter a situação! Amo vocês🚕🔥
Uma publicação compartilhada por Lia Clark (@xliaclark) em