segunda-feira, 31 de julho de 2017

Veja um belo e delicado curta de animação sobre o amor entre dois meninos

Loading

Foi divulgado hoje no YouTube curta de animação: “In a Heartbeat”, que conta a história de um menino apaixonado por outro menino.

A priorio o amor se mostra de maneira platônica, em um ambiente escolar, até que o coração “fala mais alto” e assim a história se desenvolve... o resto é spoiler e não queremos estragar esse belo e delicado momento que você terá ao apertar o play abaixo. 

A animação “In a heartbeat” (algo como “No bater do coração”) é um criação de Beth David and Esteban Bravo com produção da Ringling College of Art and Design, com música por Arturo Cardelús. Ao todo, animação levou 1 ano e meio para ser produzida. 

Personalidades gays ignoram Pabllo Vittar em “Sua Cara” parceria com Anitta e Major Lazer

Loading

O lançamento do videoclipe “Sua cara” do Major Lazer com Anitta e Pabllo Vittar é um sucesso. O vídeo, lançado ontem, 30 de julho, já tem quase 15 milhões de visualizações em menos de 24h e domina, desde então, a internet no Brasil e ganhou alguns destaques no exterior também.  Mas infelizmente, nem tudo é só alegria. Por incrível que pareça, o lançamento já chamou atenção por atitudes preconceituosas (homofobia? Transfobia?) de personalidades gays. Isso mesmo! Gays discriminando uma cantora que é drag queen e homossexual. 

No Brasil, o repórter Amin Khader, da Record (emissora de televisão que tem líderes religiosos no seu comando), foi chamado atenção pela própria Anitta para que a entrevista mostrasse tanto ela quanto Pabllo Vittar. Isso mesmo! Anitta foi simplesmente maravilhosa e conduziu tudo da melhor maneira possível, criando oportunidades para Pabllo ser incluída na entrevista, mas precisou chegar ao ponto de posicionar fisicamente o repórter, que é homossexual, para parar de dar as costas para a Pabllo. Veja no vídeo abaixo.



Já no exterior, sim atitude preconceituosa semelhante aconteceu por lá também, foi com o blogueiro Perez Hilton pelo twitter. Ele twittou primeiro falando que o clipe novo da Anitta e Diplo estava no ar. Aí o twitter do Major Lazer, que tem o Diplo em sua formação, mandou um tweet dizendo que a Pabllo Vittar também fazia parte do vídeo e música. E o que Perez fez?  Disse que sabia, mas não quis divulgar, assim como não colocou o próprio Major Lazer. Motivo? Ele não fala da Pabllo em seu blog e ainda disse que drag queen internacionalmente famosa é RuPaul. Simplesmente desnecessário né?  Lamentável.



Para quem ainda tinha dúvida...  homofobia, transfobia acontecem SIM dentro do próprio meio LGBT e pelos próprios LGBT.  Sim.. preconceito na Sua Cara! 



sexta-feira, 28 de julho de 2017

UFMG oferece Formação Transversal em Gênero e Sexualidade - Perspectivas Queer/LGBTI

Loading


A  Universidade Federal de Minas Gerais está oferecendo neste semestre Duas novas formações Transversais. Uma delas é em “Gênero e Sexualidade e Perspectivas Queer/LGBTI” e  a outra em Empreendedorismo e Inovação. 

Alunos veteranos de graduação interessados em cursar as formações transversais oferecidas pela UFMG neste semestre devem solicitar matricula nos dias 29 e 30 (sábado e domingo), por meio do Sistema Acadêmico da Graduação (Siga). O resultado da solicitação será divulgado no dia 3 de agosto.

Estudantes de pós-graduação podem solicitar a matrícula nas formações transversais no dia 3 de agosto, nas seções de ensino das unidades responsáveis pela oferta de cada disciplina.
Pessoas sem vínculo com a Universidade podem fazer as formações como disciplinas isoladas, cuja matrícula deverá ser solicitada no dia 7 de agosto, nas seções de ensino das unidades responsáveis pela oferta de cada disciplina.

O que são as formações transversais?

As formações transversais são atividades acadêmicas que buscam incentivar a formação de espírito crítico e de visão aprofundada sobre temas gerais. São ofertadas com o objetivo de oferecer opções inovadoras e incomuns de percurso acadêmico, de modo que o corpo discente disponha de elenco de atividades capazes de suprir necessidades emergentes da sociedade e do conhecimento.

As disciplinas podem ser aproveitadas isoladamente (como formação livre) ou em conjunto em todos os cursos de graduação da Universidade. Caso o estudante opte por cursar as 360 horas-aula de uma determinada Formação Transversal (FT), receberá certificação específica em sua área de ênfase.

Gênero e sexualidade

Uma das novidades neste semestre é a oferta da Formação Transversal em Gênero e Sexualidade: Perspectivas Queer/LGBTI. Ministrada por professores de sete departamentos distribuídos por cinco unidades acadêmicas, essa modalidade de FT pode ser cursada parcial ou totalmente por qualquer estudante da Universidade.

“A formação em gênero e sexualidade tem disciplinas ofertadas por professores das áreas de direito, educação, comunicação, psicologia, medicina, dança, antropologia e ciência política. Em todas elas, há modos diversos de olhar para o gênero e a sexualidade como campo de estudos e como prática política”, comenta a professora Joana Ziller, do Departamento de Comunicação.
Neste semestre, a formação oferece cinco disciplinas: Democracia e teorias do reconhecimento; Dança contemporânea II - Performance; Educação, sexualidade e gênero; Processos midiáticos, relações de gênero e figurações da sexualidade e Psicologia da diversidade sexual e de gênero.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Pabllo Vittar, Liniker, Lia Clark e mais fazem ensaio Rainbow Power para revista Vogue

Loading

Vogue é sinônimo de moda e poder e na próxima edição, que estará nas bancas nesta sexta-feira, 28 de julho, teremos pessoas que são sinônimo também de moda e poder:

Pabllo Vittar, Linn da Quebrada, Liniker, Gloria Groove, Verónica Valenttino, Ivana Wonder, Lia Clark, Candy Mel, Raquel Virgínia e Assucena estarão tod@s em um ensaio exclusivo para a revista intitulado de Rainbow Power. As fotos são de Cassia Tabatini e styling de Dudu Bertholini.

A revista destaca tod@s como “Cantoras multifacetadas e empoderadas da cena LGBTQ”. O ensaio acompanha uma entrevista com Pabllo Vittar que diz: “Sofri muito preconceito, mas conquistei meu espaço”.

Na foto acima: Linn da Quiebrada, Liniker e Gloria Groove (Foto: Cassia Tabatini; Styling: Dudu Bertholini; Beleza: Daniele da Mata, Rafael Holland, Enrico Moscatelli, Sasha Housbrak e Ian Ribeiro; Assistentes de Styling : Marcello Martins

Na foto abaixo:  Pabllo Vittar veste Gucci (Foto: Cassia Tabatini; Styling: Dudu Bertholini; Beleza: Daniele da Mata, Rafael Holland, Enrico Moscatelli, Sasha Housbrak e Ian Ribeiro; Assistentes de Styling : Marcello Martins e Ana Carolina Nascimento; Produção de Moda: Fernanda Turetta; Assistente de Fotografia: Renato Gonçalves)



Donald Trump proíbe transgêneros no exército dos Estados Unidos

Loading

Mais uma do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contra os LGBT... infelizmente. Pelo twitter, ele informou que transgêneros não poderão mais fazer parte das forças armadas do país:

"Depois de consultar meus generais e especialistas militares, estejam avisados que o Governo dos Estados Unidos não irão mais aceitar ou permitir que indivíduos transgêneros sirvam em qualquer função a força militar dos Estados Unidos. Nossos militares devem se concentrar em vitórias decisivas e extraordinárias, e não podem se preocupar com os tremendos custos médicos e transtornos que seriam causados por transgêneros entre os militares. obrigado"

O pronunciamento de Trump gerou imediata reação contrária a decisão do Governo, que foi contrária a política pró-LGBT do ex-presidente Barack Obama. A hashtag ##ProtectTransTroops (Proteja as Tropas Trans) se destacou no Twitter; artistas como Miley Cyrus, Demi Lovato e Sam Smith também se manifestaram contra nas redes sociais; e a Associação Médica Americana (AMA)., como informa o G1, divulgou um comunicado negando a alegação de Trump sobre ser prejudicial pessoas trans servirem o exército.

"Não existe uma razão médica válida para excluir indivíduos transgêneros do serviço militar. Indivíduos transgêneros estão servindo seu país com honra, e eles deveriam ter permissão para continuar fazendo isso” – diz a nota da AMA

Segundo matéria do Jornal Nacional, a estimativa é que cerca de 2.500 militares transgêneros estejam na ativa nos Estados Unidos e mais uns 1.500 na reserva.  O futuro desses militares ainda é incerto, já que junto ao comunicado de Trump não há detalhamento de informações e políticas adotadas. 


quarta-feira, 26 de julho de 2017

Lia Clark tem vídeo de “boquetáxi” restrito no YouTube e reclama de LGBTQfobia

Loading


Lia Clark, uma forte representante nacional na Drag Music, lançou ontem o videoclipe de “Boquetáxi”. Cheio de referências pop, desde o figurino que lembra Christina Aguilera no videoclipe de “Dirrty” (2002), e, claro, letras e imagens sexualmente sugestivas, mas tudo com bastante humor.  Sim, esse é o estilo da Lia, mas mesmo assim, poucas horas após o lançamento, o YouTube restringiu seu vídeo somente para maiores de 18 anos. Isso mesmo!

A drag queen cantora não ficou nada satisfeita e fez textão sim desabafando sobre e reclamando de sofrer LGBTQfobia:  “Vocês podem estar pensando que é por causa da bunda no clipe e/ou letra da música ou até concordando com o bloqueio do youtube, porém, o buraco é bem mais embaixo.... Eu poderia listar milhões de vídeos/músicas cis-héteros brasileiros que constam no youtube com nudez e palavrões nos quais não consta a tal restrição de +18. Isso sem mencionar as traduções das músicas de vídeos internacionais”.


Fato é que mesmo com a restrição, Lia tem móvitos pra comemorar: o videoclipe de “Boquetáxi” bateu seu próprio recorde e conseguiu 423 mil visualizações em 24h. Isso mesmo! Quase meio-milhão.  

Leia abaixo, na íntegra o texto de Lia Clarck: 

“Ontem à tarde eu lancei meu novo clipe "Boquetáxi" no Youtube e a repercussão do vídeo foi enorme. Fiquei muito feliz e conseguimos alcançar o #1 dos vídeos mais vistos do dia.

Hoje acordei com a triste notícia de que o vídeo foi automaticamente removido da lista de vídeos em alta e não foi por ter caído de posição, o que é um processo natural, mas sim pq ele foi marcado como restrito por conteúdo impróprio para menores de 18 anos por conta do número alto de denúncias do público heteronormativo que o vídeo atingiu com tamanha exposição. Vocês podem estar pensando que é por causa da bunda no clipe e/ou letra da música ou até concordando com o bloqueio do youtube, porém, o buraco é bem mais embaixo.

Eu poderia listar milhões de vídeos/músicas cis-héteros brasileiros que constam no youtube com nudez e palavrões nos quais não consta a tal restrição de +18. Isso sem mencionar as traduções das músicas de vídeos internacionais. Porém, não vou apontar o dedo pra ninguém, só quero deixar explícito que isso é LGBTQfobia. E este preconceito não está vindo exclusivamente dos cis-heteros, mas também dentro da nossa comunidade, que acaba acreditando que se enquadrar aos padrões de higienização impostos por nossos opressores é uma questão de respeito. Não, não é! Respeito é tratar todos de forma igualitária.

E não, eu não estou pedindo pra gostarem/consumirem o meu trabalho, eu só quero igualdade e respeito.

Eu tenho direito de fazer o meu trabalho como todos eles. Eu tenho noção que a forma que me expresso nas minhas músicas não é a que "a grande massa" espera de um músico, mas eu tenho direito de fazer o trabalho da minha maneira e isso não deslegitima a luta de ninguém. Eu cantar “Boquetáxi” e pedir respeito não é hipocrisia. O macho cis-hétero que canta funk proibidão não é julgado da mesma forma que eu e continua lá no Youtube livre de qualquer restrição que atrapalhe seu trabalho. 

E o pior é que muita gente não consegue enxergar isso, a LGBTQ+fobia é real e não é brincadeira. Hoje eu estou reclamando por ser silenciada pelo Youtube mas amanhã coisa muito pior pode acontecer com outra pessoa. 

Obrigado pelo apoio, estamos tentando reverter a situação! Amo vocês”


Ontem à tarde eu lancei meu novo clipe "Boquetáxi" no Youtube e a repercussão do vídeo foi enorme. Fiquei muito feliz e conseguimos alcançar o #1 dos vídeos mais vistos do dia. Hoje acordei com a triste notícia de que o vídeo foi automaticamente removido da lista de vídeos em alta e não foi por ter caído de posição, o que é um processo natural, mas sim pq ele foi marcado como restrito por conteúdo impróprio para menores de 18 anos por conta do número alto de denúncias do público heteronormativo que o vídeo atingiu com tamanha exposição. Vocês podem estar pensando que é por causa da bunda no clipe e/ou letra da música ou até concordando com o bloqueio do youtube, porém, o buraco é bem mais embaixo. Eu poderia listar milhões de vídeos/músicas cis-héteros brasileiros que constam no youtube com nudez e palavrões nos quais não consta a tal restrição de +18. Isso sem mencionar as traduções das músicas de vídeos internacionais. Porém, não vou apontar o dedo pra ninguém, só quero deixar explícito que isso é LGBTQfobia. E este preconceito não está vindo exclusivamente dos cis-heteros, mas também dentro da nossa comunidade, que acaba acreditando que se enquadrar aos padrões de higienização impostos por nossos opressores é uma questão de respeito. Não, não é! Respeito é tratar todos de forma igualitária. E não, eu não estou pedindo pra gostarem/consumirem o meu trabalho, eu só quero igualdade e respeito. Eu tenho direito de fazer o meu trabalho como todos eles. Eu tenho noção que a forma que me expresso nas minhas músicas não é a que "a grande massa" espera de um músico, mas eu tenho direito de fazer o trabalho da minha maneira e isso não deslegitima a luta de ninguém. Eu cantar “Boquetáxi” e pedir respeito não é hipocrisia. O macho cis-hétero que canta funk proibidão não é julgado da mesma forma que eu e continua lá no Youtube livre de qualquer restrição que atrapalhe seu trabalho.  E o pior é que muita gente não consegue enxergar isso, a LGBTQ+fobia é real e não é brincadeira. Hoje eu estou reclamando por ser silenciada pelo Youtube mas amanhã coisa muito pior pode acontecer com outra pessoa.  Obrigado pelo apoio, estamos tentando reverter a situação! Amo vocês🚕🔥
Uma publicação compartilhada por Lia Clark (@xliaclark) em



Hanson faz show em Belo Horizonte em agosto

Loading

O Hanson – sim! Aquela banda composta só por irmãos e que fez grande sucesso nos anos 90, sobretudo com  a música “Mmmbop” – estão comemorando 25 anos de carreira e Belo Horizonte está na turnê comemorativa. Isso mesmo!

A Turnê “Middle Of Everywhere 25th Anniversary World Tour” tem show marcado em BH para o dia 25 de agosto, sexta-feira. Hanson também fará shows no Rio de Janeiro (24/08) e São Paulo (26/08).

Sobre a Turnê

Celebrando o aniversário de 25 anos da banda, o trio de pop rock, indicado ao Grammy por diversas vezes, HANSON anunciou oficialmente no começo do ano sua turnê “Middle Of Everywhere 25th Anniversary World Tour”, com shows na Europa, América do Norte e Austrália rapidamente esgotados. Hoje estão sendo anunciados novas datas na turnê, dessa vez na América Latina, que irá passar pelo Brasil, Argentina, México, Peru e Chile, começando em agosto.

Coincidindo com o 25º aniversário do grupo, o qual lançou seis álbuns de estúdio e vendeu mais de 16 milhões cópias, ainda esse ano HANSON irá lançar uma coleção chamada, Middle Of Everywhere - The Greatest Hits, a qual terá grandes sucessos deles, como “Mmmbop”, “Where’s The Love”, “Weird”, “This Time Around”, “If Only”, “Save Me” “Penny And Me”, “Thinking ‘Bout Somethin’”, “Get The Girl Back”, e ainda o mais novo single do trio, “I Was Born”.

“Fazer músicas juntos por 25 anos é um marco que nós tivemos que reconhecer, e qual melhor maneira de se fazer isso do que com uma turnê de aniversário e um álbum de grandes sucessos”, disse o tecladista Taylor Hanson. O guitarrista Isaac Hanson ainda acrescentou, “A resposta do público com a turnê nos deixou muito surpresos, e nós estamos muitos ansiosos de levar essa turnê à América Latina para celebrar essa marca”.

Além do 25º aniversário do HANSON, 2017 é também o 20º aniversário de seu disco de estreia, Middle of Nowhere, que tinha o icônico single, “Mmmbop”, o qual acabou apresentando o grupo ao mundo. A turnê irá contar com apresentações das músicas mais conhecidas do grupo, além das favoritas dos fãs, dessa maneira abrangendo todo seu extenso catálogo.

Sobre o Hanson

Fundado em 1992, o trio de irmão começou a carreira tocando músicas clássicas do Rock’n’Roll e Soul, além de escrever material original, criando uma mistura única de harmonias e pop-rock. O grupo acabou tomando o mundo todo com uma força impressionante, graças ao lançamento de estreia deles, em 1997, o que acabou sendo estabelecido como um dos principais artistas do mundo.

Em 2003, o grupo fundou sua própria gravadora independente, a 3CG Records, iniciando uma nova era para a banda, graças ao primeiro álbum lançado de maneira independente, Underneath, com o hit "Penny And Me", posicionando-os entre os grupos independentes mais bem-sucedidas até hoje. Desde então, HANSON lançou três álbuns de estúdio sob o rótulo, visitou o mundo, cultivando uma vibrante base de fãs global, envolvida por suas dinâmicas performances ao vivo e lançou um fluxo contínuo de produtos especiais para a sua comunidade de fãs devotos.

A Middle Of Everywhere Tour apresenta mais de duas décadas de música em uma turnê mundial comemorativa, ao lado de novidades que será seguida por um novo lançamento em 2018.

Serviço
Show Hanson – Belo Horizonte 
25 de agosto (quinta-feira)
Copatrocínio: Budweiser
Horário: 21h30
Local: KM de Vantagens Hall BH (antigo BH Hall) – Belo Horizonte (MG) - Av. Nossa Senhora do Carmo, 230 – São Pedro
Ingressos: de R$ 110 a R$ 330 (ver tabela completa).
Duração: Aproximadamente 1h40.
INGRESSOS:
PREÇOS POR SETORES
½ ENTRADA
NORMAL
PISTA/ARQUIBANCADA – LOTE I
R$ 110
R$ 220
PISTA/ARQUIBANCADA – LOTE II
R$ 135
R$ 270
PISTA/ARQUIBANCADA – LOTE III
R$ 150
R$ 300
PISTA/ARQUIBANCADA – LOTE IV
R$ 165
R$ 330

BILHETERIA OFICIAL – SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA
KM de Vantagens Hall BH (Antigo BH Hall) - Av. Nossa Senhora do Carmo, 230 – São Pedro.
Segundas-feiras – FECHADAS
Terças-feiras e Sábados – 12h às 20h
Domingos e feriados – 13h às 20h

LOCAL DE VENDA – COM TAXA DE CONVENIÊNCIA
Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br 
(retirada na bilheteria e e-ticket, com taxas de conveniência).







terça-feira, 25 de julho de 2017

Saiba quando serão as Paradas do Orgulho LGBT de Contagem e Betim

Loading

Depois da 20ª Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte, agora começam as Paradas das cidades próximas à capital mineira: Contagem e Betim.  Conheça abaixo a data, horário e tema de cada uma delas. Programe-se e participe! 

13ª Parada do Orgulho LGBT de Contagem
Tema: Pelo direito de ser e viver
Data: 6 agosto (domingo)
Hoário: 13h (Concentração)
Local: Praça do Iria Diniz no bairro Eldorado. 
Trajeto: 16h às 18h (avenida João César de Oliveira) e encerramento 18h às 20h (Praça do Irla Diniz. 
Realização: CELLOS Contagem 
Apoio: Prefeitura de Contagem

15ª Parada do Orgulho LGBT de Betim
Tema: Respeiro e Diversidade, viva a igualdade!
Data 20 de agosto (domingo)
Horário: 12h (Concentração)
Concentração: Praça Mecatrônica com shows de Drag Queens (Avenida Amazonas, 55, Centro de Betim)
Trajeto: avenida Amazonas até a Avenida JK.
Realização: MGB - Movimento Gay de Betim
Apoio: Prefeitura de Betim 



Saiba quando serão as Paradas do Orgulho LGBT de Caeté, Itabirito e Ribeirão das Neves

Loading

Depois da 20ª Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte, agora começam as Paradas das cidades próximas à capital mineira. Depois de divulgarmos sobre as Paradas de Contagem e Betimchegou a vez de: Caeté, Itabirito e Ribeirão das Neves. Programe-se e participe! 

7ª Parada LGBT de Caeté
Tema: Liberte-se! Você não é diferente
Data: 10 de setembro (domingo)
Hoário: 10h (Concentração)
Local: Praça do Charneaux. 
Realização: Associação LGBT de Caeté
Apoio: Prefeitura de Contagem

1ª Parada LGBT de Ribeirão das Neves
Tema: Olhe Para Nós
Data: 10 de setembro (domingo)
Hoário: 12h (Concentração)
Local: Praça Matriz Justinóplis Ribeiraão das Neve. 
Realização: Pride LGBTQ

5ª Parada LGBT de Ribeirão das Neves
Tema: Olhe Para Nós
Data: 3 de dezembro (domingo)
Hoário: 14h (Concentração)
Local: Largo Municipal Professor Alírio Ferreira Vaz (avenida Queiroz Júnior). 
Realização: Movimento ITA LGBT





segunda-feira, 24 de julho de 2017

Casal não aceita ser atendido por garçonete lésbica em bar de BH

Loading


Para quem acha que a homofobia é algo distante e não afeta a vida pessoal e profissional dos homossexuais... aconteceu na última sexta-feira um caso lamentável que mostra como existe LGBTfobia SIM e que afeta SIM a vida pessoal e profissional dos LGBT.

Na última sexta-feira,  21 de julho, um casal que estava no bar Chopp da Fábrica, bairro Santa Efigênia, em Belo Horizonte, “pediu” para não serem atendidos mais por uma garçonete “sapatão”. O caso ganhou notoriedade após uma internauta, cliente do bar no momento, postar o relato e vídeo do ocorrido. Alguns dos clientes se manifestaram contra a atitude do casal, que foram embora do local após saberem que a Polícia havia sido acionada. 

Abaixo você pode ler o relato na íntegra feita pela internauta e, na sequencia, um comentário feito pelo proprietário do Chopp da Fábrica,  somente no post da internauta.

Post Internauta

Textão:
Sexta-feira, semana intensa, fim dos jobs, reune os migos. Vom prum bar.
Pá. Fomos nós, Chopp da Fábrica. Era a opção perto de onde estamos fazendo um festival, inclusive ele se chama Verbo Gentileza.
Cerveja vai, cerveja vem, boas risadas. Bom atendimento, até que pá! Garçonete vem com os olhos cheio d'água, dizendo que não atenderia mais a gente, pq pediram pra trocar ela.
- Como assim? Pediram quem? 
- ah, o casal ao lado.
- mas pq?
- ele disse que não queria ser atendida por uma sapatão. 
- WHAAAAT- 2017!
Sim, ela era lésbica e ele não queria ser atendido por ela.
CHAMA O GERENTE!!! 
Vem ele...tenta amenizar, diz q não concorda, mas que não pode fazer nada e tal...
Na mesa ja ta todo mundo inconformado.
A GENTE QUER QUE ELA CONTINUE NOS ATENDENDO!!
Ok, ela segue atendendo....segue o baile.
Não, não, não. Para o baile todo! 
Como assim? Isso é crime. Não da pra fingir que está tudo bem.
Notamos que todas as mesas em volta também se incomodaram com a atitude.
Pronto, decidimos! Vamos lá falar com ele.
Na primeira fala, ele grita: aaah, sapatão! ( para uma amiga, heterossexual por sinal) sai daqui.
O que fizemos? UM ESCÂNDALO.
Não dava pra ir embora entubando aquela cena.
O homofobico não negou a homofobia, tentou partir para agressão. O bar? Recebeu a conta dele e ainda tentava ajudar o criminoso sair da cena.
O gerente e segurança o tempo inteiro preocupado com tumulto no bar. OMISSOS!
Chamamos a polícia, que não chegou há tempo. Né? Mais um crime impune. Durmo tranquila sabendo que to rodeada de gente foda, que não põe galho dentro, e que no mínimo conseguimos retirar o criminoso do bar, e foi retirado no grito e na raça!
e digo só uma coisa:
HOMOFOBICOS NÃO PASSARÃO.
Se você frequenta o Chopp da Fábrica, apenas pare.
Habemus vídeo do caso.

Comentário Chopp da Fábrica

Bom dia a todos! Meu nome é Bruno e sou proprietário do Chopp da Fábrica. Estou profundamente chateado por um episódio desse ter ocorrido dentro do Chopp, na realidade, por um episódio desse ainda existir nos dias de hoje. Somos uma empresa séria e responsável. Não temos princípios homofóbicos e tratamos todas as pessoas da mesma forma, consideramos que somos todos iguais, independente de sua orientação sexual, religiosa ou qualquer que seja. Tal fato que não somos homofóbicos, que em nosso quadro de funcionários, quase 90, temos diversos que são declaradamente homossexuais e isso não impede, nao interfere e não faz a menor diferença no momento da contratação. Como disse, a orientação é pessoal e não cabe a empresa julgar! Assim como eu, tenho certeza que toda nossa equipe achou absurdo a atitude homofóbica desse cliente. Não fomos omissos nem apoiamos a homofibia praticada. A opção de mudar de área de atendimento foi exclusiva da garçonete agredida, assim como a opção de não prestar queixa. Eu e toda a equipe do Chopp da Fabrica se encontram a disposição para qualquer esclarecimento! Um bom final de semana a todos e que as pessoas se conscientizem que o respeito ao próximo é fundamental para uma sociedade evoluida!





Conheça a programação da última semana da 4ª Jornada pela Cidadania LGBT de BH

Loading

O Muza já avisou vocês que está acontecendo em Belo Horizonte, durante todo o mês de julho a 4ª Jornada pela Cidadania LGBT de Belo Horizonte. A atividade de maior destaque é a 20ª Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte no dia 16 de julho, organizada pelo Cellos MG. Abaixo, você pode conferir na íntegra a programação desta semana.

Programação (de 24/7 a 30/7)

Dia 24 de julho, segunda-feira, às 19h
Mesa: Violência e Violações em Direitos Humanos contra LGBT
Local: Casa dos Direitos Humanos
Endereço: Av. Amazonas, 558 - Centro (Praça Sete)

Descrição: debate sobre violência e violação em direitos humanos a partir do trabalho que vem sendo desenvolvido de Rede de Combate à Violência motivados por questões de identidade de gênero e orientação sexual em Minas Gerais.
Mesa: Thiago Costa (CONEDH); CR-LGBT; Flávio Ribeiro (CEPEF); Elizabeth (NAC - LGBT)

Dia 25 de julho, terça-feira, às 09h
Oficina: Multiverso: Diversidade Sexual e de Gênero nos Quadrinhos
Local: Centro Cultural Urucuia
Endereço: R. W-3, 500, Urucuia

Descrição: Bate papo sobre quadrinhos e diversidade sexual e de gênero. Como a cultura pop e o mundo geek tem lidado com a crescente visibilidade de pessoas e personagens LGBT. A jornada do herói e sua significação contemporânea como jornada de autoconhecimento, a consequente saída do armário de heróis e a importância disso para a representatividade.
Mesa: Darlan Carling, Rafael Ernesto.

Dia 25 de julho, terça-feira, às 19h
Cine Diversidade – “Família no Papel”
Local: MIS Cine Santa Tereza
Endereço: Rua Estrela do Sul, 89 – Santa Teresa

Descrição: Exibição do filme “Família no Papel” (Fernanda Friedrich e Bruna Wagner | Brasil | 2011 | 52 min) e comentários após a sessão.
Mesa: Rodolfo Leal (Mediador)

Dia 26 de julho, quarta-feira, 9 às 16h
Mutirão: Retificação de Nome
Local: Defensoria Pública de Minas Gerais
Endereço: Rua Guajajaras, 1707 - Barro Preto

Descrição: Mutirão de retificação de nome para pessoas trans, realizado pela Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG) em parceria com o Conselho Regional de Psicologia (CRP). Atividade ao longo de todo o dia (9-16h). ATENÇÃO: as pessoas trans precisam juntar documentos específicos para o processo; acompanhe pelo site e também na tenda da DPMG e do CRP no dia da Parada, onde terão os encaminhamentos necessários.
Realização: DPMG, Defensor Dr. Vladimir Rodrigues; CRP, Dalcira Ferrão.
PARA SABER A DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA, CONSULTE NOSSO SITE: www.cellosmg.org.br

Dia 27 de julho, quinta-feira, às 14h30
Essa oficina é Gay - com Érica Lima e Raquel Fernandes
Local: Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte - CRJ - Centro de Referência da Juventude
Endereço: Rua Guaicurus 112, Centro

Descrição: A oficina nos propõe pensar o caráter ético, estético, performativo e político das palavras,enquanto percorre a história dos termos,siglas e nomenclaturas destinados a promover e reconhecer a diversidade das culturas, sujeitos, afetos, identidades e práticas para além da heteronormatividade.
Mesa: Érica Lima, Raquel Fernandes

Dia 27 de julho, quinta-feira, às 19h
Partilha de uma vivência: "Oficina Trans Teatro"
Local: MuMo - Museu da Moda
Endereço: Rua da Bahia, 1149, Centro

Descrição: Apresentação de intervenção cênica com participantes da Oficina Trans Teatro, realizada no primeiro semestre de 2017, com coordenação do ator e diretor Odilon Esteves e do jornalista Lucas Ávila, com apoio do Transvest e do BDMG. Após a apresentação haverá relato da vivência na oficina e discussão aberta ao público.
Mesa: Odilon Esteves, Estudantes trans que participaram da oficina.

Dia 28 de julho, sexta-feira, 14h
Assistência Social e população e LGBT
Local: BDMG
Endereço: Rua da Bahia, 1600 - Lourdes (entrada pela Rua Bernardo Guimarães)

Descrição: Debater a importância da Assistência Social para a população LGBT, os contextos de vulnerabilidade e as formas de atendimento com os trabalhadores, usuários e gestores do SUAS - Sistema Único de Assistência Social.
Mediador: Bruno Alves.

Dia 29 de julho, sábado, às 9h às 18h
II Educação e Diversidade - Debate com profissionais da educação sobre inclusão
Local: Sinpro Floresta
Endereço: Rua Jaime Gomes, 198 - Floresta; Esquina Av. Silviano Brandão

Descrição: Debate com profissionais da Educação sobre inclusão, famílias, jovens e familiares, evasão escolar.
Mesa 1 (manhã): Álvaro Boechat Chiarello, Gilson Reis, Paulo Lamac, SEE, SME, Arnaldo Godoy, Representante dos Sindicatos.
Mesa 2 (tarde): Lucas Magalhães, Analise da Silva, Roberto Reis, Thiago Santos, Danilo Sabbagh
Mesa 3 (tarde): Munish, sindicatos

Dia 30 de julho, domingo, às 18h
Famílias, Espiritualidades e Direitos
Local: Igreja da Comunidade Metropolitana - BH
Endereço: Rua Domingos Vieira, 587 - 3º Andar - Santa Efigênia

Descrição: Refletir sobre a influência da religião no conceito de famíliaS, tendo em vista os aspectos do seu discurso em relação à sexualidade e as identidades de gênero. Será que a família como núcleo patriarcal, hierarquizada, compulsoriamente heterossexual e formada unicamente pelo casamento representa a versatilidade e pluralidade inerentes ao corpo social da modernidade? Direitos para novas configurações familiares, como a homoafetiva, tem sido uma preocupação presente nos discursos políticos?
Mesa: Gilberth Santos, Sandro Aurélio, José Barbosa, Rosane Pires.

domingo, 23 de julho de 2017

Atendo a pedidos: + 24 fotos inspiradoras da Parada do Orgulho LGBT de BH

Loading



Há exatamente uma semana, último domingo 16 de julho, o Muza esteve mais uma vez presente e com muito orgulho na 20ª Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte, organizada pelo Centro de Luta Pela Livre Orientação Sexual (Cellos MG). Este ano aconteceu vários momentos marcantes, que você pode saber quais foram clicando aqui. Mas como em muitos casos, imagens valem mais que palavras, então... 

... o Muza mostra aqui + 24 fotos inspiradoras da Parada do Orgulho LGBT 2017 (feitas pela querida e talentosa fotógrafa Catarina Paulino), que refletem a diversidade e alguns dos principais momentos desse evento que existe há 20 anos em nossa cidade e celebra a diversidade, o respeito, a dignidade e o amor! 

Não viu as outras 24 fotos inspiradoras da Parada do Orgulho LGBT de BH 2017? clique aqui e veja!

Em breve também divulgaremos essas fotos e muito mais em nossa página no Facebook e Instagram


A drag queen Kayete, uma das mais famosas e queridas em BH, mandando um beijo excluZivo para o Muza

O prefeito Alexandre Kalil, ao lado da companheira Ana Laender, que pediu uma bandeira símbolo do movimento LGBT para entrar com ela nos ombros e assim fez.

A drag queen Nayla Brizard, outra drag super querida e famosa em BH.

Momento Vrá em frente a um dos pontos turísticos de BH: a praça da Estação.
  
Momento selfie na Parada: quem nunca?

Um close, é um close. Tá meu bem?

Uma das performances que encantou e agradou o público presente.

Ninguém consegue nada sozinho nessa vida! 

É para dar mais close? Então toma close!

Choque de monstros: encontro de drag queens caracterizadas de Mulher Maravilha e Gretche (Swich Swich Katy Perry)

A drag quee Perfect sempre chama a atenção pelo seus look Perfeitos!

Mais uma drag queen que ahazou no look!

A drag queen Sáfira Dandeléon que estava deslumbrante com seu visual!

Que tiro de beleza é essa drag queen?!

Combo: Drag queen em momentos Vrá e Close, mas desta vez, em cima do trio elétrico.

As cores do arco-íris sempre se destacam (e com orgulho)

Militância LGBT: presente, necessária e atuante!

E esse tiro de beleza no meio da multidão? Não passou despercebido por nós! 

O Bloco Queixinho também esteve presente na Parada.

O Grupo Mães Pela Diversidade durante discurso emocionante: "elas também saíram do armário"

Sim! A Parada LGBT é um momento político (de várias maneiras).

A equipe do Muza na Parada: Valmique Júnior (jornalista) e Catarina Paulino (Fotógrafa)

Dois ícones juntos: a Praça 7 em Belo Horizonte e a bandeira do arco-íris símbolo do movimento LGBT mundial!