terça-feira, 13 de setembro de 2016

Especial Eleições 2016: Fred Buriti - vereador

Loading


Em outubro acontecem as eleições municipais de Belo Horizonte e o Muza está atento e até esse importante momento democrático irá compartilhar com vocês os candidat@s em BH e região que tem em sua pauta questões LGBT. Desta vez, conheça Fred Buriti que candidata a vereador:

Quem: Fred Buriti
Concorre a: Vereador
Partido: PSOL 
Número: 50888
Página Facebook: Fred Buriti

"Meu nome é Fred Buriti. Sou LGBTIQ, metropolitano, formado Direito pela UFMG, servidor do TJMG, percorro a cidade de bicicleta e pratico a Meditação Transcendental.

Em 2015, me filiei ao PSOL, por afinidade à história e à trajetória do partido e por acreditar num projeto de esquerda com socialismo e liberdade, diferente, portanto, das experiências socialistas ditatoriais e extremistas. Um tempo depois, conheci a movimentação das MUITXS – pela cidade que queremos, na qual encontrei diversas companheiras, que lutam e constroem uma cidade mais democrática, plural e acessível.

De cara, percebi a confluência de ideias e ações entre mim e este coletivo de pessoas, ideias e forças que se uniram para concretizar uma cidade que esteja em diálogo com seus cidadãos e suas cidadãs; onde haja circulação de pessoas, de ideias e do trabalho, em suas diversas formas; uma cidade em que a promoção e a proteção dos direitos das minorias (LGBTIQs, mulheres, negros, negras, crianças, idosos, pessoas com deficiência, ciclistas, periferia, pessoas em situação de rua) sejam primordiais; onde exista respeito à autonomia e aos costumes dos povos indígenas; uma cidade em que a saúde e a educação sejam tratadas como bens e valores humanos, não como mercadorias; uma cidade que preserve os córregos, as matas, o ar, a água potável que entrega para bebermos.

Afinal, não dá mais p’ra compactuar com a atual administração empresarial de bh, porque ela não favorece as pessoas; pelo contrário, favorece só seus apoiadores de campanha. Viver, morar e “amar bh radicalmente” assim não dá, “ser cada vez mais belo horizonte” também não.

É preciso promover maior polifonia dos atores envolvidos e fomentar o contraditório nas discussões e deliberações; ampliar o diálogo com movimentos sociais e a sociedade, posto que a pluralidade de visões e vozes democratiza o processo legislativo, dando maior legitimamidade às leis e normas, e corrobora a atividade de fiscalização da administração.

Mandatos abertos; transparência na tomada de decisões; destinação de parte do salário, incluindo os benefícios do cargo, para lutas sociais da cidade; empoderamento da sociedade; ampliação da participação popular.

Minha plataforma política abrange temas relacionados aos direitos que todos temos à diversidade sexual, à mobilidade urbana, à gestão pública responsável dos recursos financeiros, à saúde de qualidade e à preservação do meio ambiente, conforme demonstram minhas propostas: aplicar a Lei Rosa nos espações públicos, para coibir a discriminação sofrida pelas pessoas LGBTIQs; fortalecer o Centro de Referência de LGBTIQs de BH; substituir os ônibus a diesel pelos ônibus elétricos, que já foram testados na cidade, com consequente redução da tarifa; lutar pela extinção da PBH ATIVOS S/A, empresa municipal que deveria gerir os contratos de parceria público-privada (PPPs), mas que já tentou vender terrenos e imóveis da cidade [a preço de banana]; batalhar pela auditoria da dívida pública municipal; ampliar a coleta seletiva na capital, aumentando de 36 para 487 o número de bairros atendidos e discutir a fluoretação da água, pois o flúor, mesmo em pequenas quantidades, é um elemento tóxico, cuja presença favorece a fixação de metais pesados no corpo".