quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais apoia Semana pela Visibilidade de Travestis e Transexuais

Loading




Na semana em que se celebra o Dia Nacional da Visibilidade Trans, 29 de janeiro, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) está apoiando a Semana pela Visibilidade de Travestis e Transexuais.

Para isso, a SES-MG está realizando diversas ações nas redes sociais mostrando as ações da Sistema Único de Saúde (SUS) para acolher a comunidade LGBT, em especial Travestis e Transexuais. Acima você pode ver algumas imagens, vídeos e textos divulgados.

De 25 a 31 de janeiro, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) participa da Semana pela Visibilidade de Travestis e Transexuais, cujo Dia da Visibilidade Trans é comemorado no dia 29 de janeiro. A proposta é sensibilizar a sociedade sobre as questões relacionadas à cidadania, aos direitos humanos e o acesso à saúde pública que envolvem a comunidade de transexuais e travestis.

Por meio da Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, o Sistema Único de Saúde (SUS) universaliza o acesso à saúde pública à população LGBT sem que haja qualquer tipo de discriminação ou preconceito nas Unidades de Saúde. Por isso, transexuais e travestis podem ter o Nome Social no Cartão do SUS.

O nome social é aquele pelo qual transexuais e travestis preferem ser chamados (as) cotidianamente, refletindo sua identidade de gênero, em contraposição aos nomes de registro civil determinados no nascimento, com o qual não se identificam. Além disso, é muito importante que os profissionais de saúde respeitem a diversidade sexual e de gênero das usuárias e dos usuários da saúde pública, se preocupando com o acolhimento e tratamento adequado para que não haja discriminação, nem preconceito.

O cuidado com os aspectos da identidade de gênero são fundamentais para trabalhar questões de saúde de indivíduos que trazem uma identidade de gênero diferente de seu corpo biológico de nascimento. Evitar preconceitos e decisões clínicas baseadas em estereótipos de gênero auxilia no alcance do cuidado integral dessa população que tem outras demandas de saúde para além de sua sexualidade. Abaixo, confira o depoimento da Secretária-Adjunta da SES-MG, Alzira de Oliveira Jorge, sobre a campanha: