terça-feira, 27 de outubro de 2015

Entrevista com Katya, do RuPaul´s Drag Race: “eu não sei se eu queria passar por tudo aquilo de novo”

Loading


Belo Horizonte recebeu recentemente mais uma visita de uma drag queen que participou do badalado reality show RuPaul´s Drag Race. Desta vez, foi Katya a atração principal da festa Crazy Bitch, que aconteceu no início de outubro.  

A russa Katya Zamolodchikova, ou simplesmente Katya, foi um dos destaques da última tempora, a sétima, que foi ao ar no primeiro semestre desse ano. Fazendo o melhor estilo louca e divertida, Katya ganhou o carinho de todos e chegou a receber o prêmio de Miss Congeniality do programa, que é dado, de certa forma, para a participante mais querida pelo público. 

Na entrevista, Katya, que foi muito simpática, falou sobre o que receber esse prêmio significa, sobre seu antigo vício em drogas, explica por que pensaria duas ou três vezes para participar de uma nova edição do programa e revelou, inclusive, sua experiência com um garoto de programa brasileiro (?!). Leia agora! ;)

Muza - Você está no Brasil há alguns dias. O que tem a dizer sobre as pessoas, o país, a comida, os garotos...

Katya - O país é lindo e os garotos são tão sexy... na verdade eu estou um pouco frustrada.. porque eu vejo os garotos na plateia dos shows e gostaria de fazer sexo com todos! (risos) Mas eu não tenho tempo.. é bem triste isso (risos)..  

Katya - Advinha o que eu fiz outro dia? 

Muza - O que?

Katya - Eu contratei um garoto de programa. 

Muza - Sério? Um garoto de programa brasileiro?

Katya - Sim!

Muza - E me conta como foi essa experiência?!

Katya - Eu fui meio roubada... porque eu devo ter pago umas três vezes... mas ele foi tão sexy e fez tudo tão bem... (risos)

Muza – E como foi a experiência no RuPaul... qual era sua expectativa com o programa?

Katya - Assustador! Foi assustador! Eu não sei... eu achei que seria difícil, mas nada poderia me preparar para o quão difícil foi.. foi mentalmente exaustivo... eu sabia que fisicamente eu estaria cansado, mas eu me coloquei em varais situações de tortura psicológica (risos)..  depois de um tempo eu vi que foi bem pesado...

Muza - Mas mesmo com todo esse “estresse” que você está relatando... você aceitaria um convite para uma segunda edição do All Stars, por exemplo?

Katya - Eu não sei... eu teria que pensar nisso.. definitivamente teria que pensar sobre isso.. porque foi bem difícil e eu não sei se eu queria passar por tudo aquilo de novo... 


Katya sendo ousada em seu show em Belo Horizonte

Muza - Como você explica esse fenômeno mundial que se tornou o RuPauls Drag Race? Você está aqui no Brasil e se apresentando em outros países...

Katya - Eu não sei. Eu não sei! É tão incrível! Nada me preparou para a extensão dessa fama... sabe? Fãs da Tailândia, Japão, Cingapura, África do sul, Amsterdã, Rússia...  

Muza - Você não foi a ganhadora da temporada, mas foi a Miss Congeniality. O que isso significa isso para você?

Katya - Eu acho que...  hoje em dia é meio um premio de consolação... tradicionalmente, destaca alguma das participantes tipo quem é mais legal, generosa, enfim... mas eu acho que no show significa algo como “eu gostaria que você tivesse ido mais longe” e “eu gostaria que você tivesse ganhado” é tipo isso que significa, então, me faz me sentir bem.. 

Muza - Algumas pessoas acham, baseado no programa, que você é uma drag louca e divertida... você acha que é uma impressão certa sobre você? O que acha?

Katya -Sim! Eu sou psicótica! Eu tenho doença mental (risos)

Muza - Qual foi sua parte favorita no programa?

Katya - Eu amei o desafio de John Waters .. o desafio das gêmeas... e também o episódio final, da reunião... foi a primeira vez que eu consegui conversar com o RuPaul sem ter medo dele (risos)... toda vez eu ficava assustado, sabe? Muito assustado! 

Muza - Você mantem contato com o RuPaul ou com as outras queens?

Katya - Com algumas sim, ninguém tem muito contato com o RuPaul. Ele é meio misterioso... (risos)

Muza - No programa, veio a tona seus problemas com vício em álcool e drogas... como foi para você compartilhar essa situação? Viu o vídeo do programa depois? Como se sentiu?

Katya - Na época, me senti muito envergonhado e humilhado... mas, quando vi a reação das pessoas fiquei agradecido...  porque falar sobre vício e ansiedade ajudou as pessoas, não achava que seria o caso... foi tocante. Agora eu não tenho vergonha sobre isso porque eu sei que ajudou as pessoas. 


Katya mostrando toda sua elasticidade durante o show, que teve Britney Spears como parte da trilha sonora

Muza - Você teria algum conselho para alguém que se vê nessa situação?

Katya - Eu acho que se você acha que tem um problema, provavelmente você tem (risos), minha sugestão é pedir ajuda. Todos os recursos estão lá fora para lhe ajudar, inclusive uma enorme rede de contatos de gays que superaram e podem ajudar. Outra coisa que quero dizer é: Não acredite que ao parar de usar drogas e álcool sua vida será entediante, você ainda pode se divertir, curtir e viver ótimos momentos. 

Muza - Como você explica sua conexão com Rússia pela persona Katya... eu pesquisei e você não é russo, não tem parentes russos... como foi? Fechou os olhos e apontou um país no mapa mundi?

Katya - Não faz sentido algum... eu sei! Foi basicamente isso (gargalhadas).

Muza - Que conselho daria para um garoto que está começando a se montar como drag... aqui no seu meet e greet tinha vários... ou mesmo para uma drag queen?

Katya - Eu diria duas coisas. Número um: se divirta e não se leve a sério. Número dois: tente achar algo seu que seja único. Algo que ninguém faz, que só você possa fazer e trabalhe nisso.

Muza - Você ainda é "viciado em ansiedade" como RuPaul diagnosticou você no programa? (risos)

Katya - Eu melhorei muito... mas ainda sou ansioso, mas melhorei muito agora.

Por Valmique
Fotos: Crazy Bitch - Victor Piroli