quinta-feira, 25 de junho de 2015

Leia entrevista excluZiva com o pastor Gregory Rodrigues que criou uma igreja inclusiva, acolhedora aos LGBT, em BH

Loading

Em uma época em que sexualidade e religião geram diversas polêmicas e controvérsias, sobretudo no Brasil. Conversar com um homossexual religioso pode ajudar a entender melhor esses assuntos que parecem ser tão distantes: homossexualidade e religião. A conversa fica ainda mais interessante quando estamos falando com o pastor Gregory Rodrigues, fundador da Igreja Apostólica Benção e Vida, inaugurada no último mês de maio em Belo Horizonte, e que tem o objetivo de ser inclusiva, ou seja, um ambiente acolhedor para os LGBT que querem viver sua religiosidade.  

Na entrevista abaixo, ele fala mais sobre a criação da Igreja, que é do segmento protestante mais conhecido como evangélico; da relação religião e Estado; e claro, a importância da Fé em sua vida. Além de falar sobre duas polêmicas recentes no Brasil envolvendo sexualidade e religião: a transexual crucificada na Parada Gay e a tentativa de Boicote ao Boticário pelo pastor Silas Malafaia. Gregory tem 23 anos, também é conhecido por participações no programa TV Verdade da rede Alterosa, além de pastor ele é digitador e atualmente está namorando. 

Muza - De que maneira a religião teve importância em sua vida ao ponto de criar uma igreja específica?

Gregory - A religião me aproximou de Deus, me fez encontrar apoio para me aceitar da forma como eu eu sou verdadeiramente, mesmo que tivessem ocorrido momentos de tristeza e conflitos para que eu me aceitasse, posso dizer com toda certeza: O "Religare" aconteceu em minha vida quando conheci a teologia inclusiva, que me ajudou a passar por todo este vale de lágrimas.

Alguma questão pessoal específica lhe fez criar a “Igreja Apostólica Benção e Vida”?

Sim, a rejeição por muitas outras denominações e a grande procura por muitas pessoas ao me verem nos programas de televisão. O desespero e a angústia, o vazio que me permeava por não ter onde buscar a Deus sem máscaras!


A “Igreja Apostólica Benção e Vida” foi inaugurada em maio e dá a entender que se trata de uma igreja inclusiva aos gays/LGBT. O que seria essa inclusão?

A Igreja Apostólica não é apenas uma igreja para Gays e lésbicas, somos uma igreja para todos e todas expressarem sua fé sem máscaras, sem se esconder por detrás do medo das pregações preconceituosas. Somos inclusivos pois cumprimos o papel que muitos não cumprem, a missão que Cristo nos deixou: Pregar o evangelho a toda Criatura!

Qual a diferença da Benção e Vida para outras igrejas ou cultos? 

Apenas teológica. A métrica do culto é a mesma. Acreditamos que um homossexual poderia preferir estar conosco a estar em outra pela forma que ministramos a palavra. Cremos que Espírito Santo se manifesta de forma ímpar e poderosa, tentamos de todas as maneiras levar o ser humano a exercer uma fé inteligente e coerente tal qual a bíblia nos ensina, culto racional, sem bandeiras de denomicação ou movimento social, apenas e nada mais que evangelho.

Ao se tornar inclusiva em  comparação com outras igrejas  que teoricamente não são para os gays/LGBT você percebe a Bênção e Vida uma transgressora ou vanguardista?

Vanguardista com toda a certeza, apesar de a teologia inclusiva já ter mais de 40 anos de existência, nos consideramos uma comunidade e não uma instituição religiosa privada tal qual muitas outras se entitulam. Estamos à frente do nosso tempo, batalhando em todo tempo para que avancemos mais e mais. Posso dizer ainda que considero a Benção e Vida como uma precursora de uma nova reforma no seguimento protestante.

Ao se auto intitular inclusiva, você acha que a Bênção e Vida pode ir em dissonância com a crença de alguma religião de referência?

Não considero. Nossa comunidade não prega uma religião, pregamos o evangelho, que transcende as barreiras religiosas, sendo assim só há uma percepção cabível, somos um divisor de águas em meio a este mar de um pseudo amor. Entretanto, nossa comunidade tem sido perseguida por outras denominações evangélicas tradicionais. Por isso deve ter notado que mudamos o nome da igreja. São muitas lutas e batalhas, pois a vitória tem sido grandiosa. 

"Não achei ofensivo, porém desnecessário"

Religião e sexualidade parece uma dualidade difícil de integrar, como você avalia essa relação?

Algo simples, seguimos um padrão bíblico, e a bíblia sempre vai condenar a promiscuidade, nunca, jamais o amor entre iguais. Vejo como papel da igreja num contexto geral orientar de forma coerente e sensata para que todos possam viver sua sexualidade em liberdade, porém com responsabilidade. Faço aqui um comentário que acredito ser de extrema importância: Igreja inclusiva não significa ser liberal!

Você já presenciou preconceitos contra homossexuais/LGBT em ambientes religiosos ou mesmo discursos religiosos?

Falo de cátedra. Em debates, e até mesmo em púlpitos de denominações tradicionais. Chacota, piadas, brincadeiras de mau gosto e até mesmo afrontas de tal forma que fazem com que muitos sejam absurdamente atacados psicologicamente. O Fato que já levou muitos a morte, e sempre a rejeição.

Você acha que atualmente os cultos religiosos, evangélicos ou católicos, podem ser um ambiente opressor para o homossexual/LGBT  que o frequenta?

Não podemos generalizar. Existe apenas um grande medo por parte de muitos LGBT"S de serem confrontados com discursos sexistas dentro do ambiente religioso, lugar que deveria ser de amor, afeto e respeito, como muitos dizem: MAIS HOSPITAL E MENOS TRIBUNAL! Não que seja algo passível de tratamento, porém muitos em processo de aceitação, descoberta da sexualidade precisam de apoio, é o momento mais crucial para nós LGBT"S

Como avalia a questão da do estado laico no Brasil atualmente? Você acredita que estado e religião devem andar juntos ou separados?

Religião e Estado não devem se misturar em momento algum. Quando falamos em estado laico, levamos em consideração toda a pluralidade religiosa que existe em nosso país, as representações nas esferas públicas devem ser representantes do cidadão num contexto geral, e não apenas advogar em causa "própria" no que tange a defesa de apenas um seguimento social. Democracia não significa sublimar a minoria, e sim fazer com que todos convivam em respeito, literalmente em comunidade. Todos os países onde a religião exerce controle sobre o estado o mesmo acaba por perecer. Basta olhar para os países do oriente médio.

O Brasil é um país religioso, em sua maioria católica. Assim, provavelmente, muitos homossexuais/LGBT foram criados em ambientes religiosos e em algum momento de suas vidas a sexualidade e a religião pode ter se tornado um problema. Que conselho daria para um gay/LGBT que está lendo essa entrevista e esteja passando uma questão conflituosa no momento?

Acredite em si mesmo, confie em DEUS! Não se deixe levar pelos conflitos que servem apenas para desconstruir a estrutura emocional que possuímos. Seja o exemplo para sua família, mostre que você tem valor. Certa vez ouvi de minha mãe uma história: Neste mundo em que ser gay é considerado por muitos uma abominação, seja gay, seja quem você é, mas seja duas vezes melhor do que você julga necessário! existe uma música que nos diz: "Quero que valorize o que você tem, você é um ser, você é alguém, tão importante para DEUS. Nada de ficar sofrendo angustia e dor, neste seu complexo inferior, dizendo as vezes que não é ninguém. Eu Venho falar do valor que você tem!!"

O que você achou do protesto da transexual crucificada na Parada do Orgulho Gay de São Paulo?

Desnecessário apenas.  Não achei ofensivo, porém desnecessário. Existem outras formas de protesto, outras formas de protestar. As pessoas estão saturadas, sabem que os tradicionais são difíceis de lidar. Existiam outras maneiras de protestar. Diante daquele evento, as pessoas já tem a Parada Gay como um evento de promiscuidade, de badalação... não havia a necessidade daquela cruz que é símbolo de salvação para muitos. Pra mim, a cruz foi vencida por Jesus, tem outro significado. Jesus venceu a morte, ele está vivo. 

E sobre a convocação de boicote ao Boticário pelo pastor Silas Malafaia. O que achou?

Ridícula a atitude. Sem noção. Ficou parecendo até mesmo que boicotou por causa própria... haja visto, que a esposa dele tem uma marca de cosméticos: Os produtos da "mulher vitoriosa" . Será que foi só pelo fato de O Boticário ter feito à propaganda? Fica a pergunta no ar... Não que eu esteja insinuando alguma coisa. 

Os cultos da Igreja Apostólica Benção e Vida acontecem todos os domingos às 18h30h com o culto de adoração e louvor e às 17h escola bíblica dominical e preparação para batismo na Rua Rio Grande do Sul, 856, Bairro de Lourdes, Hotel Royal Center, próximo à praça Raul Soares e terminal JK.