segunda-feira, 30 de março de 2015

BH teve aperitivo do Lollapalooza com os ótimos shows de Foster The People, Major Lazer e Robert Plant

Loading

Esse final de semana aconteceu em São Paulo a edição 2015 do Lollapalooza, mas Belo Horizonte recebeu uma prévia de um dos festivais músicas mais interessante ao longo da última semana, para a felicidade dos mineiros: Foster The People  e Bastille (quarta-feira, 25 de março); a lenda viva da música e do rock´n´roll: Robert Plant, o ex-vocalista do Led Zeppelin, e a indie St. Vincent(quinta-feira, 26 de março); e os dançantes e eletrônicos Skrillex, Dillon Francis e Major Lazer, projeto do badalado DJ e produtor Diplo (sexta-feira, 27 de março).

Foster The People era sem dúvida um dos shows mais aguardados, mas Bastille surpreenderam ainda mais pelo público adolescente-histérico que aguardava. Bastille foi a atração de abertura e surpreendeu a muitos presentes pela boa presença de palco, os covers inusitados (“Scrubs” da girlband TlC e “rhythm of the night” da Corona) e os cativantes hits “Things We Lost In The Fire” e “Pompeii”. Já Foster não tem uma presença de palco tão “entretener”, mas a potência da voz singular do vocalista Mark Foster e os diversos hits da banda, como a já clássica “Pumped Up Kicks”, foram o suficiente para deixar o público satisfeito, realizado e suado com o show!



No dia seguinte, foi a vez do público de BH se render a uma lenda viva da música e do rock´n´roll: Robert Plant, o eterno vocalista do Led Zeppelin. Mas antes de um clássico, uma novidade: a cantora St. Vincent, com seu som eletrônico e guitarra que rendeu a artista o prêmio de melhor disco alternativo no Grammy deste ano. Ela chamou muito atenção pelo visual e mesmo mais tarde sendo elogiada por Robert Plant, St. Vincent não conquistou todo o opúblico, mas era possível ver que algumas pessoas gostaram. Quando Robert Plant entrou no palco foi ovacionado e aplaudido de pé, tamanha sua potência e respeito, o que se confirmaria ao longo do show de quase 2 horas. O ex-líder do Led Zeppelin agradou e encantou a todos presentes, inclusive esse que vos escreve. Desde as releitura de clássicos do Led, como “Rock´n´Roll” e “What Out a Love” até as novas como “Rainbow”. Simplesmente um dos maiores vocalistas de todos os tempos em um digna performance. 


No último dia desse “mini Lollapalooza” foi a vez de todos dançarem e curtirem o som eletrônico de Major Lazer e Skrillex. Se Skrillex trouxe um som eletrônico “mais raiz” que empolgou a todos, foi Major Lazer quem se destacou ao fazer uma mistureba das boas com eletrônicos, elementos africanos e jamaicanos, além de tocar canções do funk brasileiro, incluindo Valesca Popozuda. Isso, sem contar a presença de palco de Diplo, que no início foi o melhor mestre de cerimônias possível, com direito a se colocar em uma enorme “bolha” de plástico e se jogar ao público, literalmente. 

Com esses 3 dias, o público de Belo Horizonte teve a oportunidade de vivenciar mais do que um aperitivo, mas uma boa ideia do Lollapalooza e ao mesmo tempo presenciar alguns dos melhores shows do Festival e quiçá da atualidade. Como dizem, quem pode ir aproveitou, quem não pode, perdeu. Simples assim. 

Texto por Valmique
Fotos por Diego Moreira (veja mais na página do Muza no Facebook).