terça-feira, 18 de junho de 2013

Projeto "cura gay" é aprovado na Comissão de Direitos Humanos e Minorias

Loading

 
Que país é esse? Que Comissão de Direitos Humanos é essa? Que Comissão de Direitos Humanos e MINORIAS tem esse país?! Parece brincadeira, mas não é.

Hoje cedo divulgamos que haveria na tal Comissão, presidida pelo deputado pastor Marco Feliciano, uma votação de projeto de lei – criado por outro deputado pastor João Campos (PSDB-GO) – voltado à “cura gay” que, resumindo, permite aos psicólogos promover tratamento com o objetivo de curar a homossexualidade.

Essa foi a quinta ou sexta vez que o projeto entrava em votação na Comissão, anteriormente houve protestos que impediram a realização dos votos. Mas hoje, aconteceu mais uma votação e, desta vez, os protestos  não foram o suficiente e o tal projeto foi aprovado.

Segundo informaões da Folha.com  A votação foi simbólica: durante o debate, apenas os deputados Simplício Araújo (PPS-MA) e Arnaldo Jordy (PPS-PA) discursaram contrários ao texto. Araújo tentou adiar a votação com pedidos de leitura da ata da última sessão e retirada do projeto da ata --ambos foram rejeitados. A votação é uma vitória da bancada evangélica, que tenta avançar com o projeto há dois anos. Durante o debate, manifestantes exibiram cartazes com frases contrárias ao texto. "Não há cura para quem não está doente", dizia um deles.

"A Casa deve acordar para o que aconteceu ontem nas ruas, ao que está acontecendo nesse país. Essa aqui é uma prova que nós estamos muito longe de entender o que a sociedade realmente quer discutir aqui dentro dessa Casa", afirmou Simplício Araújo, sendo aplaudido por alguns presentes.

O tal projeto “cura gay”, para ser efetivo, ainda ter terá que passar ainda por outras duas comissões da Casa: Seguridade Social e Constituição e Justiça. Se aprovada em ambas, segue para o plenário da Câmara.

Vídeo

Por falar sobre a estupidez do projeto “cura gay”,
além do desrespeito com os psicólogos, convido vocês para verem – novamente - o vídeo do programa Entre Aspas, apresentado por Mônica Waldvoguel, com a presença do deputado Roberto de Lucena (deputado federal do PV-SP), que apoia o projeto sobre "cura gay", e da psicóloga Carla Bianca Angelucci (do Conselho Regional de Psicologia de São Paulo,) que em suas colocações deixa nítida a falta de propósito de tal discussão e de tal projeto e, ainda, explica tudo, no mínimo de forma muito inteligente, para aquelas pessoas – como tais deputados e cia - que ainda tem alguma dúvida de que homossexualidade seja doença e a atuação dos psicólogos neste contexto.