terça-feira, 21 de maio de 2013

ColunaZs – “Olha de novo. O preconceito está ali!” (a nova propaganda com o Neymar)

Loading


Raramente mudo um texto na última hora, mas essa foi uma daquelas vezes. Ontem, o Laranja do Nada Errado, publicou um texto sobre a propaganda da Lupo com o Neymar. Texto com o qual eu concordo. Mas os comentários me deixaram um pouco inquieto. Surpreso não, pois sei que muitas pessoas acham normais “doses homeopáticas” de preconceito.

Já conversamos, aqui no Muza, sobre o risco de ficar paranoicos e apontar preconceito onde não existe. Continuo com esse pensamento, e também continuo acreditando que é preciso muito cuidado com isso. O texto do Laranja aponta preconceitos reais. Machismo e homofobia estão, de alguma forma, representados naquele comercial. Como dito no texto “Homens, heterossexuais, de maneira geral, não recebem um elogio vindo de outro homem como sendo apenas um elogio. É uma cantada, uma agressão à masculinidade”. Para mim este é o ponto chave do preconceito no comercial. O machismo, que é um dos fundamentos da homofobia, está ali, no momento em que o Neymar foge de um cliente homem, cliente esse que pediu pela “cueca sexy do Neymar”.

Mas o que mais pegou nisso tudo, como disse no começo, foram os comentários. Certas coisas já estão tão enraizadas em nossa cultura, machista e homofóbica, que muitos não conseguem enxergar. “Ah... Foi só uma piada.”, “Isso é ver preconceito até onde não tem”. Homofobia não é tentar te ofender chamando de viado, tentar te bater, te negar direitos. Machismo não é só querer uma mulher submissa, se achar o macho alfa, achar que ser hetero é ser superior. Pequenas demonstrações, como a do comercial, não são discursos de preconceito. Mas sim discursos que reforçam o preconceito. Mesmo que de uma forma discreta, dizem que ser elogiado por outro é um problema.

Pode parecer exagero de nossa parte, eu sei. Mas é por que já percebemos como o preconceito pode vir de todos os lugares. Não aprendemos apenas com grandes exemplos, os pequenos detalhes fazem diferença. A vida funciona como um sistema, tudo tem algum efeito. É com isso que nos preocupamos. Ninguém vai se tornar machista, ou homofóbico, vendo o comercial, mas os preconceitos podem ser reforçados.

Me assusta que quando se diz que ali tem preconceito, muitos dizem que não, que é exagero, que ninguém apanhou, ninguém foi xingado. Existem muitos preconceitos “invisíveis” ainda. 


 *Becha Má é twittera toda trabalhada no veneno purpurinado. The bitch says: follow my ass!