sábado, 13 de abril de 2013

Vídeo mostra skinheads em locais gay friendly em BH, em momento que suspeito é investigado

Loading


Como hoje é sábado, dia de balada e Axé Brasil em BH, é importante ter conhecimento de um vídeo publicado no youtube por um grupo de neonazistas tem assustado muitas pessoas e servido de alerta para quem frequenta a Savassi (Veja no final da notíica). As imagens, feitas no ano passado, mostram jovens de roupa escura, cabeça raspada, coturnos e suspensórios percorrendo locais gay friendly da região. Com um aparelho de som na mão, eles dançam e fazem saudações nazistas. Em uma das cenas, o segurança de um dos locais, aparentemente, pede para que o grupo se retire.

Ao que tudo indica, os autores do vídeo podem estar envolvidos com a agressão de um morador de rua também na Savassi (imagem ao lado), na qual Antônio Donato Baudson Peret aparece em uma fotografia, divulgada nas redes sociais, enforcando um homem negro. O número 1488 que aparece no perfil do usuário que postou o vídeo, BRSP1488BH, é o mesmo pichado em um muro na Cidade Jardim. A imagem foi publicada por Antônio Donato. Inclusive, o suposto agressor já foi detido duas vezes e esteve envolvido em três agressões contra homossexuais. Nas ocasiões em que foi preso, ele foi acusado de participar de agressões contra um grupo de gays na Praça da Liberdade e a outra por agressão a skatistas em São Paulo.

De acordo com Thiago Tavares, presidente da Safernet Brasil – organização não governamental de defesa e direito dos Direitos Humanos na internet -, e coordenador da Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, a polícia será obrigada a instaurar inquérito para investigar o grupo autointitulado “White Skins”, como mostra no vídeo.

Tavares explica que a partir da denúncia de qualquer pessoa que tiver o conhecimento, mesmo se for pela internet, a Polícia e o Ministério Público devem abrir uma investigação. “Isso independe da vontade do agredido. Acorrentar um morador de rua pelo pescoço é um crime de ação penal pública, que pode ser classificado como tortura, não apenas agressão”, explica.

Ainda segundo o coordenador, os “White Skins” também cometeram crime de ação penal pública ao divulgarem fotos com imagens de suásticas e bandeiras nazistas. A lei 7.716 de 1989 prevê pena de 2 a 5 anos de prisão, além de multa, para quem comete esse crime.

O Ministério Público está avaliando se acolhe ou não a denúncia. Mas as Polícias Civil e Militar ainda não abriram inquérito.


Com informações do site Na Savassi