domingo, 14 de abril de 2013

Rucapitulando: Aquele do dia de princesa (décimo episódio do RuPauls Drag Race)

Loading


“where my girls at? make your heels clap!”

Atenção: Este texto contém spoilers do décimo episódio de RuPaul’s Drag Race, quinta temporada. A série é exibida no Brasil por alguns canais de TV a cabo, mas é possível encontrar links para ver por streaming internet afora. Há ótimas fan-pages no Facebook sobre o programa com dicas ótimas de onde ver!

Anteriormente, em RuPaul’s Drag Race: as drags tinham que atuar em uma novela estilo Televisa. Um show de lágrimas falsas, risos e interpretações lá em cima. Jinkx ganhou pela segunda vez e, no lipsync, o choque de monstro foi entre Coco e Alyssa, que finalmente foi embora para casa.

Reta final, cinco participantes e minha previsão de Rulaskatox no top 3 ainda pode se realizar. Claro que, depois de um tempo, eu passei a encarar a Jinkx como uma possível candidata (entrando no lugar da Detox, creio eu). Mesmo eu sempre tendo uma “quedinha” por ela, e ter declarado que ela era minha candidata guilty pleasure da temporada, não conseguia imaginá-la no top 3. O histórico das comediantes não era bom e, convenhamos, ela cresceu demais do começo até agora. Prova disso foi a passarela da semana passada, com ela vindo de esqueleto e chocando todo mundo. Isso mostra confiança no potencial e, sem dúvida, é uma característica que a RuPaul ama em suas pupilas.

O programa dessa semana foi ok. Tinha lido em algum lugar que ele era sobre transformações e, depois do Snatch Game, essa é a prova clássica de RuPaul’s Drag Race. Acontece desde a primeira temporada e, em cada uma, um grupo diferente foi convidado para ser transformado pelas drags. Na primeira foram as mulheres meio masculinas (e foi daí que surgiu a ideia para o spin-off Drag U); na segunda os gays mais velhos transformados em drag-mothers; na terceira os esportistas em irmãs das drags; e, na quarta, pais em mães atraentes. É sempre uma prova divertida e que revela como as drags se vêem, porque os jurados sempre buscam por características em comum entre os participantes e as drags. Então não adianta cobrir o convidado dos pés a cabeça se a drag adora mostrar o corpo, ou carregar numa maquiagem enquanto a drag vai sempre mais “limpa”.

Para o mini-desafio da semana, as bonitas precisavam encarar um booty-camp, que nada mais é que um programa de treinamento pesado em alguma atividade física. Pode ser dança, luta ou exercícios físicos, como foi o caso das bonitas. Polichinelos, barras, abdominais... para no fim Alaska ser a vencedora. Um desafio bem mais ou menos mas que, pelo menos dessa vez, tinha relação com a prova da semana.

Para o grande desafio, as drags tinham que transformar veteranos gays do exército americano em irmãs-drag. Bem a cara do que rolou na terceira temporada. Alaska ficou com o direito de combinar os convidados com as drags e, como está todo mundo morrendo de medo da Jinkx, ela deixou para a drag dorminhoca o veterano mais velho. Sabotagens e drag queens caminham juntas desde os tempos mais antigos. Para a Roxxxy ela mandou um com barba e os braços bem peludos; para Detox um até bonitinho; para Coco um veterano meio desengonçado e para a própria ela escolheu o alto, loiro e magro. Muito esperta!


O programa se desenrolou com as drags tentando conhecer melhor os convidados. E sempre tem uma história triste, um caso engraçado, inusitado. O veterano que fez dupla com a Jinkx contou ao RuPaul que ele acredita ter matado a Judy Garland. Claro que era uma loucura mas a Rupaul ficou perplexa. O que fez par com a Detox sabia usar salto alto como ninguém. E, claro, sempre tem alguém ensinando aos “novatos” como esconder, digamos, certos volumes do corpo. O que provoca imediatamente olhares em choque e risos pelo ateliê.


Depois de dar uma olhada em como as drags estavam indo, RuPaul faz a linha maldita e anuncia que tem uma pequena adição ao desafio: as bonitas tinham que fazer um número bem patriótico com os veteranos. Ela sempre traz essas reviravoltas em números de mudança, ou seja, para quem já acompanha esse programa há algum tempo, isso não era surpresa.

Claro que os números foram tenebrosos, as drags totalmente perdidas e os veteranos mais ainda. Porque mesmo sendo gays, faltava a eles aquela mágica de elegância que só as drags possuem. A passarela foi ok, mas nenhuma delas me deixou impressionado. Jinkx e sua parceira fizeram um número meio Judy Garland – Liza Minelli, bem divertido e que impressionou os jurados pelo trabalho que Jinkx fez com o veterano mais velho. Roxxxy criou uma drag-clone dela mesma, servindo todas as curvas possíveis e imagináveis. Já Alaska montou looks que flertavam com a mulher-gato, uma coisa meio assaltante de banco dos seriados vintage, com cabelos bem Farrah Fawcett. Detox estava aleatória combinando vestidos vermelhos de listras brancas. E o veterano de Coco estava estranho com aquele vestido cheio de pontas e aquela maquiagem pavorosa!




No fim das contas, Roxxxy ganhou o desafio, e foi bem justo. O trabalho dela foi o mais detalhado e bem executado, com Jinkx chegando bem próximo. Já as duas piores foram Detox e Coco. Achei que Alaska poderia ter ido por ter colocado uns enchimentos horríveis no parceiro, mas por fim foi salva por RuPaul. Para o lipsync, usaram uma música da Michelle Visage (sim, ela canta!). Coco fez o bom trabalho de sempre mas, depois de quatro vezes dublando, os jurados já se cansaram e mandaram a bonita para casa.

Para o último episódio antes da grande final, tradicionalmente, as drags são colocadas para criar três looks dentro de um conceito. Se RuPaul manter a regra, podemos supor alguns cenários de acordo com as habilidades já mostradas pelas drags. Se for um desafio de costura, como na terceira temporada, que elas tinham que criar looks baseados em notas de dinheiro, Roxxxy tem uma vantagem por costurar bem. Se for alguma coisa mais criativa, como na quarta temporada, dos looks dos cachorros, talvez Jinkx ganhe uma dianteira com seu lado comediante. Alaska pode se dar bem se colocar tudo que sabe no desafio, mas depois do deslize nesse episódio é uma incógnita. Entretanto, somente ela e Jinkx ainda não dublaram nessa temporada. Já vimos que Detox e Roxxxy dão conta do recado, por isso o campo está em aberto para as duas. Faltam dois episódios para sabermos quem fica com esse título, e a corrida das bonitas nunca esteve tão em aberto. 

Texto de Flavimar Dïniz. Ele está na internet desde 1999, quando sofria com conexões discadas e downloads a 3.4 kbps. Começou no mundo dos blogs em 2002 e não entende como não ficou rico com internet igual a tantos outros de sua geração. Adora música, cinema, literatura e jornalismo, sua formação profissional. Escreve sobre o ele achar que dê um texto de mais de 140 caracteres.