terça-feira, 12 de março de 2013

Protestos contra Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos: De Xuxa às ruas de BH

Loading
Manifestação em São Paulo


Desde a eleição do pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, diversos protestos e manifestações contrárias aconteceram no país. Desde anônimos a celebridades. Sobretudo no último final de semana. Saiba mais sobre algumas delas:

Nas ruas, de BH e do Brasil

Anônimos também não têm se calado diante do ocorrido. No último sábado, 9 de março, 16 capitais brasileiras saíram às ruas em protesto. Em BH, cerca de 150 pessoas se reuniram na Praça Sete. Os manifestantes empunhavam cartazes com os dizeres: “Mais amor e mais tesão, Feliciano não". Em São Paulo e Rio de Janeiro, 500 e 400 pessoas, respectivamente, aderiram ao manifesto.

Em Belo Horizonte, os manifestantes se concentraram na praça Sete e seguiram até a praça da Estação, no centro. Além de criticarem as declarações preconceituosas creditadas ao deputado, o grupo ainda engrossou o coro reivindicando a destituição de Renan Calheiros (PMDB-AL) da presidência do Senado. 

Em outras duas cidades mineiras também foram realizados atos contra Feliciano. Em Uberlândia, no Triângulo, cerca de 300 pessoas, de acordo com os organizadores, se reuniram com faixas e cartazes e caminharam pelo centro. 

Manifestação em BH

Celebridades

A apresentadora Xuxa, por exemplo, em seu perfil no Facebook, declarou respeitar todas as religiões, “mas que esse homem [Feliciano] não é um religioso, é um monstro. Em nome de Deus, ele não pode ter esse poder. Essa pessoa não pode ser presidente da comissão de direitos humanos. Ele não pode ter esse espaço para usar, pisar e denegrir o ser humano”.

Feliciano chegou a dizer no Twitter que iria processar a apresentadora, porém, hoje ele voltou atrás, dizendo que ela também já “foi injustiçada e caluniada, como ele está sendo agora. E por isso não moverei ação nenhuma contra ela. O tempo mostrará que fui vitima de calúnias. Pois sei que ela é sensata e do bem. Deus a abençoe”, publicou.

Famosos como Luciano Huck, Gaby Amarantos, Sérgio Marone, Marcelo Tas, Sarah Oliveira, Tico Santa Cruz e Aguinaldo Silva também demonstraram apoio às declarações de Xuxa. “Se o conclave papal seguir a lógica do Congresso Brasileiro p/ eleger seus presidentes de comissões, é capaz do Ahmadinejad virar Papa”, publicou Huck.


Montagem original do site www.cnews.com.br

O apresentador Marcelo Tas criticou o Congresso e cobrou explicações do Partido dos Trbalhadores. “Semana histórica no DF. Quem diz que Congresso é latrina é desatualizado. O buraco é + embaixo. A coisa fede muito +. PT: explique a barganha política que leva o pastor @marcofelicianoà presidencia da Comissao dos Direitos Humanos”, afirmou.

“Não quero condenar ninguém. Mas sei que existem evangélicos muito mais capacitados a ocupar o posto dado ao Pastor Marcos Feliciano. O problema do Pastor Marcos Feliciano não e ele ser evangélico: é ter opiniões que se chocam com a comissão que trata dos direitos humanos..”, ponderou Aguinaldo Silva.

Feliciano convoca protesto

No último domingo, o deputado federal também resolveu convocar um manifesto de apoio em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Por meio do Facebook, o pastor divulgou o evento. O folder dizia: A igreja está sendo bombardeada pelas mentiras insinuadas por grupo de bandeira LGBT que planejam dividir e destruir nossas igrejas e famílias, usando a política e a descriminação como armas.


Cristãos repudiam Feliciano na CDH

Diante de tamanho incômodo que gerou a presença de Marco na CDH, o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil pediu o afastamento dele da presidência da Comissão. “Considerando o corolário de nossa missão, à luz dos valores que a inspiram, e as manifestações de diversos segmentos da sociedade brasileira, expressamos nosso repúdio ao processo que levou à escolha do Deputado Marco Feliciano (PSC), o qual, por suas declarações públicas, verbais e escritas de conteúdo discriminatório, de cunho racista e preconceituoso contra minorias, pelas quais responde a processos que tramitam no Supremo Tribunal Federal”, informou a nota divulgada pela entidade.

Marco Feliciano nega ser racista ou homofóbico. O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), já informou que a eleição do pastor deverá ser revista.

Com informações do parceiro Portal O Tempo Online

Que bom que não perdemos o bom humor! ;)