terça-feira, 12 de março de 2013

ColunaZs - "Deus está vendo tudo!" (sobre a eleição de Marco Feliciano)

Loading


Com o pastor Marco Feliciano assumindo a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias é impossível, para mim, escrever sobre outro assunto. Diante de todas as cartas abertas, críticas, textos, protestos, comecei a me perguntar “O que mais posso falar que já não tenha sido falado? Que protesto posso fazer?”. Percebi que posso fazer o protesto que quiser, falar o que for. Repetindo ou não, este é um assunto que deve ser levado a sério, discutido. Devemos tomar atitudes a respeito.

Mas ainda sim fiquei em dúvida sobre o que escrever exatamente. Não vou explicar a situação, pois o Google está aí e a esta altura todos já deveriam saber. Também não quero discutir a crença religiosa em si. 

O estado é laico e já cansamos de repetir. Este deveria ser o primeiro impedimento para a indicação de Marco ao cargo. Suas declarações racistas são, de acordo com a constituição, criminosas. Outro impedimento. Declarações homofóbicas não lhe faltam. Está aí mais um impedimento.

Acho até difícil repetir que é um absurdo uma pessoa que, obviamente, não respeita os direitos humanos, assumir a presidência da Comissão que visa defender os mesmos. É algo que me dói. Acreditar que isso é realidade é algo surreal. Perco as palavras para expressar indignação. E me incomoda não conseguir falar direito, pois o absurdo é grande demais para que fique calado. Mas é pelo tamanho do absurdo que perco a linha de raciocínio. São muitos erros. Marco Feliciano é uma das últimas pessoas que poderiam ocupar o cargo. 

O mais básicos de todos os impedimentos a ocupação do cargo pelo pastor, é também o maior. Uma Comissão de Direitos Humanos e Minorias deve prezar, exatamente, pelo direito de todos. Não é função da Comissão selecionar quais humanos defender, quais são abençoados, quais são amaldiçoados. De acordo com a bíblia não é função do Pastor, julgar.

Um homem que faz, publicamente, declarações racistas e homofóbicas deveria ser impedido de concorrer ao cargo. Sem contar que deveria ser tratado como criminoso, racismo no Brasil é crime. O pastor negou ser racista, por ter descendentes negros. Se fosse assim quase não existiriam machistas, pois a maioria deles tem mãe. 

Ele se esconde atrás da fé e diz que é retaliado por ser pastor. Não. Não sou contra ele na comissão por ser pastor, mas sim por ele ser racista, homofóbico. Sou contra por ele claramente desrespeitar aqueles que deveria defender, já que agora é presidente da Comissão de Direitos Humanos. Sem contar as práticas absurdas dentro da própria Igreja, como cobrar para conceder “milagres”, pedir a senha dos cartões dos fiéis. “É a última vez que eu falo. Samuel de Souza doou o cartão, mas não doou a senha. Aí não vale. Depois vai pedir o milagre para Deus e Deus não vai dar", diz o pastor no vídeo que você vê aqui no post. Porque é óbvio que Deus se importa com o nosso dinheiro, tão óbvio quanto a maldição Africana. É triste que isso pareça aceitável, mas não é aceitável que nos revoltemos com uma pessoa dessas à frente da CDHM.

Matheus Pichonelli, em seu texto na carta capital, disse já no título “Um dia para esquecer”. E continuou no texto “Foi, como esperado, um dia para ser esquecido na história do Congresso. O acordo entre as lideranças partidárias na semana passada, que deu de bandeja ao Partido Social Cristão a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, possibilitou ao país assistir a um movimento inédito: um presidente de claras inclinações homofóbicas ser eleito representante das minorias sobre as quais nutre um desprezo declarado.”

É isso que espero poder fazer uma vez que este homem seja afastado. Melhor, quando esse homem for preso por seus crimes. Depois disso, pretendo esquecer que este dia existiu na história do país, pois é muita vergonha para carregar na memória. Mas até lá, acredito que seja um dia para ser lembrado, lembrado a cada segundo. Enquanto ele ocupar a presidência, me lembrarei, me posicionarei e farei o que estiver ao meu alcance. Enquanto ele ocupar o cargo carregarei a esperança de que nossos esforços não serão em vão. 

E para o pastor quero dizer apenas uma coisa: “Deus está vendo tudo!”


 *Becha Má é twittera toda trabalhada no veneno purpurinado. The bitch says: follow my ass!