sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Rucapitulando: Aquele que desacuendou, finalmente! (quarto episódio do RuPauls Drag Race)

Loading


“don’t be so jealous of my boogie...”

Atenção: Este texto contém spoilers do quarto episódio de RuPaul’s Drag Race, quinta temporada. A série é exibida no Brasil por alguns canais de TV a cabo, mas é possível encontrar links para ver por streaming internet afora. Há ótimas fan-pages no Facebook sobre o programa com dicas ótimas de onde ver! 

Anteriormente, em RuPaul’s Drag Race: teve episódio anterior? Eu só lembro de uma expectativa em rolar alguma coisa legal mas nada de muito interessante. Ah, a Monica Beverly Hillz foi mandada embora para casa, mas nem isso foi lá muito memorável.

Três episódios da quinta temporada de RuPaul’s Drag Race me serviram para uma coisa: ter sono. Até que, graças a Santa Cher, as drags resolveram desacuendar o carisma, a singularidade, os nervos e o talento e fazer um quarto episódio divertido (para quem caiu da cama agora e não sabe, acuendar, no mundo drag/trans, é quando as bonitas escondem o órgão sexual em lugares inimagináveis para criarem a ilusão completa de ser mulher). Sim, o quarto episódio foi de fato bastante engraçado, com piadas saindo na hora exata e a edição trabalhando muito para nos dar momentos de muitas risadas. Se não podemos ficar de boca aberta com looks maravilhosos e interpretações memoráveis, eles devem ter caído na real de que pelo menos rir é possível. 

De volta ao ateliê depois da eliminação de Monica as drags ficaram de tititi e Vivienne disse que a culpa dela não ter brilhado como deveria no desafio não foi dela, mas sim de Roxxxy, que, segundo ela, “brilhou demais”. Isso me lembrou quando eu estava, sei lá, na sétima série e não tirava uma nota boa na prova, e vinha com a desculpa de que isso aconteceu porque a professora era muito exigente e não porque eu não tinha estudado tanto quanto deveria. Roxxxy apenas riu desse comentário sem a menor lógica e foi guardar as perucas. 


Corte rápido para a abertura, onde RuPaul anuncia os prêmios da temporada e os convidados especiais para o júri do programa. Depois de apresentar Travis Wall, que ficou conhecido depois de participar de So you think you can dance, a drag mama revela que esse episódio terá ninguém mais, ninguém menos que Chaz Bono como um dos jurados convidados. O programa teria valido a pena só por ele, porque é impossível não amar Chaz: filha que virou filho de Cher, advogado, autor, músico, ativista... Nunca entendi esse tempo que Chaz levou para a aparecer no programa. E também nunca entendi porque RuPaul nunca levou a própria Cher, Madonna, Gaga como parte do júri. Acho que tem toda uma relação com a temática do programa. Fica a dica para a produção!

RuPaul aparece no ateliê com uma peruca afro 70’s e anuncia que os desafios da semana serão todos focados na dança. Para o mini-desafio que decide quais drags serão capitãs, as bonitas tiveram que pegar uma peruca afro, de cores variadas, montar um look 70’s rápido e dançar ao som de um remix de Jealous of my boogie, um dos hits mais divertidos da RuPaul. Coco Montrese e Jinkx Monsoon ganharam o mini-desafio e foram escolher os times. E qual não foi a surpresa de todos quando Alyssa foi a primeira escolha de Coco? Cadê os vídeos da semana passada quando as duas não se suportavam? Está tudo azul no mundo drag? A resposta é não! O desafio da semana é baseado em dança, e como Coco justificou, Alyssa é a melhor dançarina da competição, e ela quer ganhar esse programa. Espertíssima! Eu teria feito o mesmo, porque Alyssa nunca sabotaria o grupo só por conta da Coco. Isso seria auto-sabotagem, e ela também quer ganhar a coroa.  

Quando se é um apresentador/produtor de reality, você cria desafios que realmente explorem a capacidade dos competidores. RuPaul faz isso, claro, mas como ele não é obrigado, o desafio da semana era criar um balé moderno sobre a vida dele próprio. Ou seja, contariam no palco, em dois atos, a história da bonita, desde as casas populares de San Diego até o estrelato, coroando as Americans Next Drag Superstars. Narcisismos a parte, a ideia de combinar balé clássico com moderno e uma história de fundo foi super divertida. Sem contar que a vida da RuPaul é bem interessante. A história de se descobrir drag, ir para Nova York, fazer figuração em filmes... até o estrelato, ter o próprio programa de auditório, gravar com Diana Ross!

Jinkx trabalhou com Lineysha, Ivy, Alaska e Jade, enquanto Coco ficou com Alyssa, Vivienne, Roxxy, Detox e Honey. As drags então tiveram a ajuda de dois bailarinos (o Travis, jurado, e Nick Lazzarini – comentando o episódio com meu amigo, ele disse que achou os dois bem “fazíveis”, mas confesso que tenho uma certa resistência com homens dançando balé). E, como sempre, eles só mostram as bonitas errando tudo, sendo loucas ou fazendo coisas que não têm a menor relação com o desafio, para dar o contraste com a apresentação final. 


No desafio, as drags se saíram bem, de um modo geral. Os destaques foram Alyssa e Coco, fazendo um número onde o lado bom de RuPaul lutava contra o lado mau (Cisne Negro ligou e pediu a referência de volta) e Jinkx e Jade no segmento que mostrava a chegada de RuPaul e Lady Bunny a Nova York. Alaska, como a mãe de RuPaul, foi bem divertida, e Detox foi competente no desafio. 

Alyssa foi merecidamente a vencedora do desafio. Estava perfeita como a versão má da RuPaul e, como pontuou Travis Wall, ela dançou com todo o corpo, dando inclusive o carão necessário para aumentar o drama do ato. Roxxxy, Vivienne e Honey foram as menos “curtidas”, pelos jurados, e Roxxxy se salvou por pouco. Todos justificaram que Vivienne e Honey não se entregaram ao desafio, e não se apresentaram da forma como deveriam, sendo muito planas. 

Para as melhores e piores da noite (Jinkx, Ivy, Roxxxy, Vivienne, Honey and Alyssa), RuPaul perguntou quem deveria ser mandada embora. Os votos ficaram divididos entre Vivienne e Honey, que acabaram dublando para se salvar. A música escolhida foi Oops!... I did it again, da Britney Spears. E as duas fizeram de novo, de fato: foram planas, chatas e não trouxeram ao palco o fogo que RuPaul sempre pede das drags. Por isso, não foi surpresa quando as duas foram mandadas para casa, sendo essa a primeira eliminação dupla da história do programa. 

Como eu disse em outros rucaps, as “samambaias” (se é que isso é possível quando se trata de drag queens) estão saindo uma a uma. Ainda não sei se tenho uma favorita, ou se o próprio RuPaul tem uma favorita (isso conta muito, acreditem). Continuo achando que Roxxxy, Detox e Alaska chegarão à final, se não tropeçarem juntas em algum desafio. Coco continua correndo por fora e, se Alyssa continuar mostrando o que mostrou nesse episódio pode roubar os holofotes. E, sejamos francos, drags sabem como ninguém fazer isso. 

Texto de Flavimar Dïniz. Ele está na internet desde 1999, quando sofria com conexões discadas e downloads a 3.4 kbps. Começou no mundo dos blogs em 2002 e não entende como não ficou rico com internet igual a tantos outros de sua geração. Adora música, cinema, literatura e jornalismo, sua formação profissional. Escreve sobre o ele achar que dê um texto de mais de 140 caracteres.