sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

ColunaZs – “O que as pessoas esperam de você” (estreia de Hilário Júnior)

Loading


Resolvi pedir esse espaço quinzenal (ok Valmique?) aqui no MuZa para falar sobre a vida, sobre trabalho, sobre o mundo e todas as coisas que acontecem a nossa volta.

Neste primeiro texto gostaria de falar sobre a expectativa que as pessoas criam em cima dos outros. Estamos cansados de ouvir por aí o famoso bordão: “Não ligo para a opinião de ninguém ao meu respeito, eu me basto, ou as pessoas que amo me bastam”, Certo? O problema é que: Quantos de nós realmente seguimos estas palavras e deixamos a opinião alheia não nos afetar? 


Se você é gay, com certeza se incomodou com a opinião do Malafaia sobre você/seu estilo de vida. Se você trabalha em uma grande/média/pequena empresa, você fatalmente já se viu incomodado com aquela opinião do seu chefe, da moça do cafezinho ou mesmo do ascensorista sobre seu jeito de agir; Se portar e conviver naquele ambiente. Então, trata-se de uma balela isso de que não nos importamos. Nos importar faz parte do viver em sociedade. Não se importar é que é errado, ao menos para mim.


Sabendo isso, precisamos agora pensar na convivência com o todo. Se você cria expectativas sobre algo, então é batata que as pessoas criam sobre você também. Viver o equilíbrio entre o “não se importar”  e o “vamos superar essa expectativa” é a grande jogada, ou a coisa mais difícil que podemos fazer nessa vida.

Por exemplo, vamos dizer que você faz parte deste novíssimo mercado de trabalho que envolve a gestão de redes sociais para empresas/pessoas públicas. Por mais que o mercado seja novo - ele tem menos de 10 anos de atuação em nosso país - já existem pessoas que dominam bem as ferramentas e sabem aplicar conceitos de comunicação que trarão os melhores resultados. Existem equipes e empresas grande o bastante nessa área, para não fazer feio frente a gigantes e conglomerados mundo a fora. Se você vai se aventurar nesta “nova profissão”  o mínimo que se espera de você é que você seja antenado com o que existe de mais moderno, tenha um pé na realidade de consumo das redes sociais no brasil - ou como nos comportamos nela - e, principalmente, como podemos aproveitar a maré para fazer bons negócios para os nossos clientes. Se você não se encaixa, ou acha que se encaixa, mas tem preguiça de pesquisar, estudar e se envolver com novidades e espera sempre que algum amigo te ajude muito - num nível que a pessoa se sente explorada ou que está fazendo todo o seu trabalho, então é melhor procurar outra área.

Este exemplo se aplica em qualquer área. Até na sua vida. Se você não sabe, peça ajuda, mas saiba que ajuda tem limite, ninguém pode caminhar por você o tempo todo. Se você não tem como ajudar, não atrapalhe. Se você quer ajudar, então tenha certeza que você sabe/domina aquilo/aquele assunto; Se não sabe, estude. Procure aprender sobre, nem que seja uma frase de esperança e boas novas, volte e ajude a(s) pessoas. 


Fala a verdade, nada melhor do que superar aquilo que as pessoas esperavam/pensavam sobre você, não é mesmo? 


Hilário Júnior, Publicitário e Profissional de Social Media. Pensa sobre a vida e seus meandros o tempo inteiro. Está na internet desde que a cigana Dara rodopiava sua saia em horário nobre. Escreverá no MuZa quinzenalmente.