quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Núcleo de apoio ao LGBT em BH/Minas completa um ano e mostra aumento de agressões no Estado

Loading

 
Se você não sabe, há um ano, Belo Horizonte conta com a existência do Núcleo de Atendimento e Cidadania à População de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (NAC/LGBT), órgão vinculado à Polícia Civil de Minas Gerais. Desde sua criação, foram registradas 1335 ocorrências nos últimos 12 meses. O que significa uma média de quatro denúncias por dia.

Nesta semana, a TV Record Minas relatou o caso de discriminação contra um casal gay na capital. Na reportagem, um homem de 35 anos contou que foi expulso do bar, comumente frequentado pelo público gay, após trocar carícias com o namorado. "A gente ficou numa situação constrangedora, porque se você está num ambiente GLS, é para que você possa se sentir à vontade. A gente achou um absurdo", disse.

A vítima ficou ainda mais assustada depois de acionar a Polícia Militar e ela não aparecer ao local sob a alegação de que isso não se configura crime. “A partir do momento que as autoridades passarem a enxergar isso como crime, como uma coisa séria, eu acho que o retorno vai ser mais positivo”, desabafou.

Os crimes de discriminação e violência psicológica são os líderes da lista com 138 denúncias. Em segundo lugar, aparecem as ameaças com 44 queixas e agressão física com 41. Mas a coordenadora do NAC, Vânia Lunardi, explica que esses números ainda não representam totalmente a realidade, pois muita gente não denúncia por medo ou por desacreditar que vai haver justiça. Mas ela aponta que “à medida que o núcleo vai surgindo, um vai comentando com o outro, e a gente vai fazendo o possível pra atender essa demanda, muita gente vai aparecer à delegacia, vai denunciar.”
Serviço - Núcleo de Atendimento e Cidadania à População de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (NAC/LGBT)
Horário de funcionamento: 8h às 18h30
Local: Rua Paracatu, nº822– bairro Barro Preto – Belo Horizonte/MG