terça-feira, 9 de outubro de 2012

Eleições municipais 2012 confirmam a dificuldade de candidatos LGBT (ex-BBB Serginho não foi eleito)

Loading


A ABGLT, Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, divulgou nesta terça-feira, 9 de outubro, um balanço sobre as eleições municipais de 2012 no âmbito LGBT.

Neste ano, 165 LGBT disputaram uma vaga nas câmaras ou nas prefeituras do país. Deste total, nove foram eleitos. Os estados que mais elegeram candidatos gays foram a Paraíba e São Paulo Em Minas, infelizmente, nenhum dos 18 candidatos LGBT saiu vitorioso. Dois buscaram uma vaga na Câmara de BH: Osmar Rezende (PV) e Neusa Melo (PPS).

A Associação parabenizou todas as candidaturas que se colocaram à disposição da causa LGBT e manifestou a vontade de continuar na luta, apesar de saber das dificuldades das eleições, principalmente sem dinheiro e com pouco apoio.
 

O ex-BBB Serginho, que foi candidato a vereador pelo PSD, foi um dos derrotados nas urnas, obtendo somente 2.619 votos. Para ele, a derrota é fruto do preconceito aos homossexuais. “Ser votado em política é muito difícil, ainda mais com tanto preconceito e desunião dos gays”, publicou em seu twitter. Ele ainda tuitou que vai se eleger deputado federal nas eleições de 2014. Ainda na ala dos famosos, quem não foi muito feliz em sua candidatura foi a cantora do sucesso “Como uma Deusa”, Rosana Fuengo (PC do B - RJ), que conquistou apenas 317 votos.

Em todo o Brasil, das 66 candidaturas que se declaram aliadas ao movimento gay, onze conquistaram um mandato municipal. Entre os aliados de Minas, estão o prefeito Márcio Lacerda (PSB), que se reelegeu em primeiro turno, e o candidato a vereador de Betim, Pãozinho (PV). No Estado, foram dez os candidatos aliados que brigaram por uma cadeira nas câmaras mineiras.

Segundo a ALGBT, as candidaturas aliadas e LGBT atingiram um índice já previsto, que era de 10%. Para 2014, a entidade pretende se articular mais, inclusive, se fortalecer dentro dos partidos políticos, e aprender com toda esta experiência para eleger parlamentares vinculados ao movimento LGBT.

Em relação ao achincalhamento que algumas candidaturas LGBT sofreram por parte de fundamentalistas religiosos, como ocorreu com Fátima Cleide (Porto Velho), Teresa Surita (Boa Vista), entre outras, a Associação disse que todo material será reunido para análise e para formar estratégias de combate.