segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Em BH, amigos são vítimas da homofobia e de skinheads na Savassi

Loading


Imagem original da campanha da Parada Gay da Bahia de 2012
Após o Senado divulgar pesquisa em que a maioria dos brasileiros apoiam acriminalização da homofobia, neste fim de semana, em Belo Horizonte, dois amigos foram atacados por skinheads na Praça da Savassi. O ataque ocorreu na madrugada de sexta para sábado entre a avenida Cristóvão Colombo e rua Antônio de Albuquerque.

De acordo com uma das vítimas, Juliano Azevedo, jornalista, 32 anos, após sair do show do Kid Abelha, no Chevrolet Hall, enquanto se despedia de um amigo com um abraço dois skinheads o atacaram. “Dois deles me atacaram. Não me esqueço da careca, das tatuagens, dos olhos endemoninhados, do ódio”, relatou o rapaz. A vítima ainda contou que foram agredidos com pedradas e chutes, além de xingamentos, como “vamos exterminar você. Vou matá-lo”.

Segundo relato da vítima, mais uma vez a sensação de impunidade se repetiu neste tipo de crime. A agressão ocorreu sob os olhares da Guarda Municipal, que simplesmente, disse: não podemos fazer nada. Ligue para o 190.

Juliano, então, ligou e ouviu do atendente que deveria ir ao Pronto-socorro João XXIII para realizar a ocorrência. Lá, a história não foi diferente. O policial disse que não poderia tomar nenhuma providência, pois deveriam se dirigir à Seccional da Rua Carangola. Ao site naSavassi, ele afirmou não ter ido à delegacia, pois já eram 4 horas da manhã quando saiu do hospital e precisava viajar logo cedo.

“Meu amigo ganhou uma cicatriz na cabeça de uns sete pontos. Vai carregar esta marca sempre que passar na esquina da Cristóvão Colombo com Antônio de Albuquerque. Nossa alma se desmanchou. Chorei, pedi ajuda, desabafei nas redes sociais. Quem devia me dar segurança, me humilhava com um jogo de empurra. Meu problema, não era compromisso de ninguém. Entendi que a culpa foi minha por ser simpático. Agradável e educado. Era uma despedida”, desabafou Juliano em seu blog.

Ele declarou ter orgulho do que é e fez um alerta: peço que todos tenham cuidado por onde andam, em quem confiam. O mundo de rosas existe, mas as minhas pétalas estão despedaçadas até a próxima primavera.

Confira aqui, a íntegra do texto escrito por Juliano. Em seu blog, ele também compartilhou em seu "desabafo" a música "Proud" de Heather Small. Segundo ele "esta música é tema da série Queer as Folk e aparece no episódio final quando dois amigos vão reconciliar suas diferenças. "Esta série me ensinou a ser homem. Com H bem maiúsculo. Homem do bem, do respeito, da paz, do amor", escreveu Juliano. 

Naturalmente você se pergunta coisas como “Em que ano estamos mesmo?”, “É, tipo sério isso?” ou “Até quando?”, após ver notícias como essa.  O fato é que, por mais ultrapassado que possa parecer, acontecimentos como esses não são tão raros assim, como o Muza já contou recentemente.