quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Coordenador da Unaids Brasil criticou vetos do Governo às ações direcionadas aos gays

Loading


Na véspera do Carnaval desse ano oMinistério da Saúde produziu um vídeo voltado aos jovens homossexuais, comidade entre 15 e 24 anos, mas o mesmo não foi exibido na TV. O motivo? Não foi revelado, mas há indícios de que foi que foi cancelada a exibição por pressão da bancada conservadora evangélica em Brasília. A assessoria do Ministério da Saúde informou que o vídeo não foi vetado e que já estava no planejamento que ele iria para ambientes fechados.

Meses depois, o coordenador da Unaids no Brasil, Pedro Chequer, em coletiva de impressa lamentou a decisão do Ministério da Saúde.  As declarações foram dadas ontem, durante coletiva após divulgação dos números mundiais da Aids em 2011 referente a forma como os países lidam com os pacientes e o tratamento da doença.  Por outro lado, mediu as palavras, dizendo que confia na equipe técnica do Ministério da Saúde e que entende que essa situação é passageira.

"Eu afirmo sem margem de dúvida e fico tranquilo em afirmar isso porque fui diretor do Programa de Aids antes duas vezes: (o comercial vetado) foi a melhor campanha do ministério já produziu voltado para a população mais vulnerável. Direta, objetiva, mobilizadora, alegre. Nós não podemos ter campanhas mórbidas. Ela foi substituída por uma campanha in?cua que não mobiliza e que tem erros técnicos inclusive. E sem a participaçãoo da área técnica especializada no Ministério da Saúde"

Chequer também criticou o veto do governo brasileiro ao kit com material pedagógico que seria distribuído nas escolas para combater a homofobia. O material recebeu de seus opositores o apelido de kit gay e, pressionada, a presidente Dilma Rousseff cancelou sua distribuição. "Nós sofremos um revés importante", disse.

Abaixo, você pode ver o “vídeo-vetado” pelo Ministério da Sáude.

 

Com informações do O Tempo On Line