quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Minas Gerais tem 16 candidatos pró-LGBT. Oposição da bancada evangélica na Câmara é prevista.

Loading


Com o início da propaganda eleitoral gratuita, na noite de ontem, o Muza traz para você um levantamento feito pelo O Tempo On Line, parceiro do Muza, sobre os candidatos pró-LGBT no estado de Minas Gerais.

Candidatos a vereador afiliados à Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ALGBT), em Belo Horizonte, já esperam oposição da bancada evangélica na Câmara caso sejam eleitos. Na capital mineira, são dois candidatos que pretendem defender os diretos do segmento, que ainda não tem representantes no Legislativo. Em Minas Gerais, são, no total, 16 candidatos associados à ALGBT.

Considerando apenas a possibilidade de serem eleitos, os candidatos que carregam a bandeira dos direitos dos gays preveem um cenário pessimista na Câmara. Osmar Rezende (PV) e Neusa Melo (PPS) alegaram que a bancada evangélica, que, atualmente, conta com oito dos 41 vereadores da capital mineira, é homofóbica e preconceituosa.

São 11 cidades que contam com gays, travestis, lésbicas e transexuais como candidatos a vereador, mas a que mais aposta na vitória da população LGBT é Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Na cidade, são cinco candidatos. Um deles chama atenção. Sayonara Nogueira (PSB) é a primeira professora transexual da rede estadual de Minas Gerais e optou por tentar representar o segmento na Câmara do município.

Os candidatos que representam a população LGBT têm no deputado federal Jean Wyllys (PSOL )um exemplo.

Clique aqui para ler a matéria completa do O Tempo On Line.