segunda-feira, 9 de julho de 2012

Casal gay ganha indenização após ser discriminado em Shopping de BH

Loading


People! (Via O Tempo On Line) Um casal homossexual repreendido por um segurança ao demonstrar afeto dentro da livraria Leitura do Shopping Cidade, no centro da capital, ganhou uma indenização de R$ 4.976 por danos morais devido ao caráter homofóbico da abordagem. 


O juiz Henrique Oswaldo Pinto Marinho, do Juizado Especial Cível de Belo Horizonte, determinou que a livraria e também cafeteria que fica no local onde ocorreu o fato que pagassem a quantia ao casal. O estudante de direito Rodolfo Santana, 25, e o vendedor Guilherme Carvalho, 18, receberão, cada um, R$ 2.488. A sentença saiu no último dia 19.

O caso ocorreu em fevereiro deste ano, quando os dois rapazes ainda namoravam. Segundo Santana, como de costume, ele foi à cafeteria, localizada no interior da livraria, para aguardar Carvalho. Quando ele chegou, de acordo com Santana, os dois se abraçaram mais afetuosamente, encostando o rosto um no outro, quando o segurança da livraria os advertiu. "Levei um susto. Aos gritos, ele falava que a gente não podia fazer isso no interior da loja, chamando a atenção de todos os outros clientes. Foi muito constrangedor", disse. 

Ainda segundo a vítima, a situação caracteriza preconceito por eles serem gays. "Eu me senti como se tivesse roubado alguém. Não estávamos nos beijando, demos apenas um abraço", disse Santana. 

No mesmo momento, o casal registrou um boletim de ocorrência e um dia após o fato, entrou com uma ação indenizatória por danos morais contra a livraria, a cafeteria e o shopping. Na sentença, o magistrado condenou a livraria e a cafeteria à revelia, ou seja, quando os réus não comparecem à audiência para se defenderem. Assim, os fatos relatados pelas vítimas são considerados verdadeiros. O representante do shopping esteve presente à audiência, e, por isso, os autores do processo desistiram da ação contra o centro de compras. 

Outro lado. De acordo com o gerente da unidade Leitura do shopping, André Guimarães, a atitude do segurança não reflete a opinião da empresa. "Somos absolutamente contrários a qualquer ato homofóbico. Inclusive, depois dessa situação, orientamos os nossos funcionários. Não gostaríamos que isso se repetisse", disse. 

Segundo Guimarães, a livraria não compareceu à audiência por um erro de comunicação interna. Ele informou ainda que a Leitura não vai recorrer da decisão "por não querer polemizar" e "dar por encerrada a situação". Ninguém da cafeteria foi localizado para repercutir a sentença. 


"Acalorada" O Shopping Cidade informou que não admite nenhum tipo de preconceito por parte dos seus funcionários. Mas se flagrarem um carinho mais acalorado de casais homo e heterossexuais, eles são orientados a intervir na situação.

Na matéria do O Tempo On Line há uma breve entrevista com uma das vítimas. Clique aqui par a ler.