sexta-feira, 29 de junho de 2012

Saiba como foi a audiência pública que discutiu “a cura gay” por psicólogos

Loading

O deputado Jean Wyllys durante a audiência
People! Como o Muza havia adiantado, aconteceu ontem uma audiência pública na Câmara dos Deputados na qual foi discutida a suspensão de dois dispositivos de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia que orientam os profissionais da área a não usar a mídia para reforçar preconceitos contra os homossexuais nem propor tratamento para curá-los. Tal audiência, é fruto do projeto do deputado religioso João Campos (PSDB-GO). Abaixo, você pode ler, via O Tempo On Line, como foi a lamentável audiência, que cá entre nós, nem deveria ter existido:

Gritos, bate-boca e muita confusão marcaram a audiência pública que terminou no início da tarde de ontem na Comissão de Seguridade da Câmara para discutir o projeto de decreto legislativo 234/11, conhecido como Projeto de "Cura" Gay. De autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), a proposta susta a aplicação de dois dispositivos da resolução 1/99 do Conselho Federal de Psicologia (CFP). O regulamento do CFP proíbe profissionais de usarem a mídia para reforçar preconceitos contra grupo de homossexuais ou propor tratamento para curá-los.

O CFP não aceitou o convite para participar da audiência por considerar a composição da mesa "pouco equilibrada". Entre os convidados que falaram, estava a psicóloga Marisa Lobo, que defende o direito de psicólogos atenderem pacientes que busquem mudar a sua orientação sexual. A defesa da psicóloga provocou polêmica entre os que assistiam à audiência, um tumulto se formou e um bate-boca entre Marisa e representantes do Movimento Gay se instalou. "Ser cristão não significa ser alienada", disse para a plateia, que a chamou de "barraqueira".

Os deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ) e Érika Kokay (PT-DF) criticaram o projeto e se retiraram. No fim da audiência, o relator do projeto, deputado Roberto de Lucena (PV-SP), leu trechos do manifesto do CFP em repúdio à proposta, e integrantes do movimento gay passaram a ler o texto na íntegra, provocando nova confusão. Eles foram retirados do local por seguranças da Casa.