terça-feira, 15 de maio de 2012

ColunaZs – “Junta tudo!”

Loading

Olá queridíssimos! Pare de ler agora, corre nesse link, e vota no debate "BLOGAYROS: INFORMAÇÃO SEM AVACALHAÇÃO". Agora você já pode ler o texto.

Semana passada foi o 7º Encontro de Travestis e Transexuais da Região Sudeste, e a Tia falou dos Transhomens. Essa semana vamos falar das nossas queridas travestis.

O que para muitos é tido como exagero,  falta de coragem, falta de estrutura, até como pecado, para outras é simplesmente ser verdadeira e ser feliz.

De todas as letras da sigla, talvez o T seja o que mais sofra preconceitos. Além de pecadores, sem vergonha, imundos, elas ainda enfrentam dificuldades maiores para se inserir no meio acadêmico, no mercado de trabalho, para se inserir no meio social de forma geral. E o preconceito não vem apenas “de fora”, “membros” (não somos nenhum clube, mas enfim) da própria comunidade LGBT discriminam e dizem que travesti é “um exagero desnecessário”. Quem somos nós para julgar isso? Se você é gay, tem alguém pra lhe dizer que beijar alguém do mesmo sexo errado. Você não gosta que te digam isso, mas ainda se sente no direito de falar que “travesti é exagero”. Existe um erro nesse raciocínio, e não são as travestis.

Pense nas limitações de convivência que temos enquanto gays, agora pense nas limitações que teria se fosse travesti. E não, não é simplesmente escolher as horas do dia em que você vai se travestir.


E novamente o grande problema por trás disso tudo, além do grande preconceito, é essa necessidade de dividir todo mundo, colocar em uma caixinha, separar um do outro. Assim acabamos com milhares de clubinhos, que não se misturam. São restrições tão absurdas que acabaremos com grupos de uma ou duas pessoas, pois somos tão diferentes e diversos que a ideia de nos separar em grupinhos se torna inviável. Porque não apenas conviver e respeitar? Pode parecer utópico demais, sempre teremos alguém para ser contra, mas que tal você parar de tentar separar? Uma pessoa de cada vez, cada um cuidando de si primeiro, nós podemos enfraquecer o preconceito. Chega de separar tanto, já passou da hora de juntar, engrossar a fila, e combater uma coisa só, combater o preconceito.

*Becha Má é twittera toda trabalhada no veneno purpurinado. The Bitch says: follow my ass!