segunda-feira, 9 de abril de 2012

Morte de jovem gay no Chile faz com que lei antidiscriminação fosse aprovada no país

Loading
People! Com informações do O Tempo On Line A Câmara dos Deputados do Chile aprovou na última semana a lei de antidiscriminação sexual, que fixa penas de prisão. A curiosidade, é que a iniciativa foi motivada pela morte de um jovem homossexual por um grupo de neonazistas na capital chilena, Santiago, na semana anterior a aprovação da lei. A lei tramitava no Parlamento do Chile desde 2005.

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, apelou aos parlamentares para apressarem os debates. “Queremos uma sociedade mais tolerante. Por isso essa lei é tão importante. Tenho certeza de que [o projeto] será aprovado no Congresso", disse Piñera.

O presidente do Movimento de Libertação Gay do Chile, Rolando Jiménez, destacou que devem ser lembradas as “responsabilidades políticas, éticas e morais no Chile”. Segundo ele, é necessário acabar com o estigma de que os homossexuais são “imorais, desviantes, pecaminosos e degenerados”.

O estudante Daniel Zamudio, de 24 anos, foi espancado até a morte por um grupo de neonazistas. No corpo dele, foram identificados símbolos dos neonazistas feitos com cacos de vidro e sangue. Ele ficou internado por três semanas no Hospital e causou comoção no país.