sexta-feira, 27 de abril de 2012

ColunaZs – “(direitos, deveres, indignação...)”

Loading

Ei, Every Body.

É difícil ter a oportunidade de escrever em um site fantástico com total visibilidade e não reclamar de coisas muito sérias que assolam as vidinhas medíocres desta sociedade maluca. Não se esqueçam que TODOS nós somos responsáveis por cada decisão, cada gesto bom ou péssimo que tanto a mídia sensacionalista tende a crucificar apenas um indivíduo quando expressa um erro patrocinado por todos nós. E é isso sim... de forma direta ou indireta, mais ou mais, ou menos tem o nosso dedo. Indo pro efeito negativo que todos nós emanamos uns aos outros por decisões equivocadas que fazemos na vida, mesmo que aparentemente banais, vou falar poucas e boas.

Esta permissividade que sai inclusive de mim me enoja... Enoja-me o fato de não conseguir ser mais forte e ser mais verdadeiro nas minhas relações, em colocar minhas ideias claras e objetivas e assim colaborar, pelo ao menos, para que certas atitudes detestáveis sejam contestadas. Nos últimos dias, os ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) estabeleceram um critério extremamente específico para determinar a embriaguez, e esse critério somente pode ser revelado por provas que dependem da vontade do motorista. Ou seja, a tal Lei Seca não existe,”não pegou”. E o que auxilia isso, é o fato de o acusado não ser obrigado a criar provas contra si. Ah tá!!! Então o negócio é não ter provas, o resto é permitido. Eu não entendo! Isso é ilógico, para aqueles que têm um pingo de senso de justiça. E TODOS nós temos, basta acordar o que está adormecido. Mas a gente quer isso? E a responsabilidade de se manter na linha depois que a justiça não mais quer dormir dentro de você? E alguém quer se responsabilizar pelos seus erros? Lembrem se “errar é humano” e erramos muito. Porém, há uma grande diferença entre erro e crime. Não vamos confundir.

Tem outra coisa que nunca entendi: “O argumento secular louco da defesa de um acusado”. Que defesa pode ter um sujeito se o crime está claro e obviamente provado pelas evidências, pelos fatos e testemunhas? Não me refiro aos casos subjetivos que tanto geram dúvidas e sim aqueles casos óbvios e lógicos. A única defesa seria o que esta corja de advogados de defesa não fazem, que é garantir ao preso dignidade enquanto ele tiver que pagar sua divida com a sociedade na cadeia. Que não tenha mordomias, mas as condições necessárias para a regeneração. Vocês devem estar se indagando: “Nossa ela tá pegando pesado neste mês...” E estou mesmo. Estou mais puta do que sempre fui. Estou espumando de ódio. Corja sim... porque não fazem nada pra mudar esta porra de sistema que beneficia uns e prejudica outros. “A Justiça é cega”? Deve ser mesmo, porque trata sim com distinção os mais favorecidos e esquece que deve ser realmente TODOS iguais perante a lei. Alias, os mais favorecidos não tem o direito de cometer crime algum, já que tiveram oportunidades mais que suficientes para serem pessoas muito melhores que marginal, alguém ousou pensar em ser por não ter, na sua maioria, chance como os tais privilegiados. Portanto, a pena pra estes “bambambans” deveria ser ainda mais pesada, porque sabem da responsabilidade que os competem. Mas não, se não é o dinheiro que compra este indulto asqueroso, é a tal imunidade parlamentar. Que deveria se chamar “Impunidade Parlamentar” segundo meu amigo Rodrigo Couto.

Recentemente, fui multada por estacionar em local proibido numa área comercial. Até ai tudo bem, se a multa não tivesse sido feita às 22h30 onde o movimento de trânsito reduz mais que a metade em Belo Horizonte. Aí me pergunto: “O objetivo desta multa não estaria ligado ainda mais ao enriquecimento dos cofres da união?”. São mais de 200 mil veículos circulando por Belo Horizonte de forma irregular, estes fora do trânsito já ajudaria na diminuição do tráfego tão desgastante na cidade. Eu vejo barbaridades no trânsito dia e noite, nos pontos mais críticos da cidade e NUNCA há fiscalização (pois se houvesse, penso eu, resolveria de certa forma esta falta de educação). Mas tudo bem... eu estava errada e concordo com a punição.Tanto é que já paguei a multa no intuito de que isso traga mais justiça ao mundo. Sim... uma boa intenção tem seus frutos sim. Estou colaborando, e apesar de achar que certas normas de trânsito deveriam ser mais flexíveis, sei que não é a lei. Então, este erro eu não cometerei mais. Se um estádio de futebol lotado para um clássico qualquer tivesse as pessoas nele contido todas direcionando suas mentes para que o país ganhasse o melhor “gol”de sua vida, e não uma seleção camisa canarinho - (Seleção esta que já está com a vida ganha, né?) colaboraria um tanto...

Daí. com tanta impunidade que vem degradando esta sociedade brasileira e que percebo não ser restrita ao país, eu tive um insight:

O mau gosto cultural é também o resultado de muitos dos erros da falta de punições devidas. Sim... Os valores se constroem a partir da elaboração, que se tem através das comparações. Distingue-se algo de valor das coisas desvalidas. As coisas realmente valorosas são imutáveis e atemporais, então não se trata de gosto. São princípios básicos e normalmente rejeitados para o melhor uso da manipulação e por rebeldes (um estado infantil das pessoas).

Assim, as coisas tornam-se iguais. Não há mais certo e errado. Tudo é igual. O bom tem o mesmo valor que o ruim... e assim como a educação a cultura que deveria instruir passa a ser uma ferramenta de destruição, o que é lamentável pra um artista como eu concluir.

Agora vou ali olhar as besteiras postadas no youtube ou no facebook de milhares de pessoas, porque está tudo comprometido e não é hora de show... É hora de combate.

Dollysuspiros