sábado, 3 de março de 2012

Momento Muza 2011! Os 20 momentos + gays e inspiradores!

Loading
People! Dando continuidade ao Momento Muza 2011! Depois de conhecermos as “10 músicas + gays e inspiradoras de 2011” e “Os 10 momentos menos gays e inspiradores” do último ano! Sim! Depois do Grammy, do Oscar é a vez de O Momento Muza! ;)

Agora é a vez de conhecermos os “20 momentos + gays e inspiradores de 2011”. Por quê 20 e não 10? Porque se a vida lhe der 10 motivos ruins sempre haverá o dobro de coisas boas para celebrar! ;)

Concorda? Discorda? No final, tem uma enquente para você poder se expressar em cima da relação feita pelo Muza!

20 :: Filha e trilha-sonora "Burlesque"

Sim! Nós sabemos que o filme “Burlesque” foi lançado no final de 2010, mas chegou aos cinemas do Brasil no início de 2011. Desta forma, foi aí, que nnós, tivemos a chance de ver duas divas pop, com suas respectivas grandezas, na telona dos cinemas. No caso, Cher e Christina Aguilera. Foi também em 2011, que a ótima trilha sonora esteve disponível. Assim, tivemos a chance de ter/ouvir músicas inéditas das duas. Ou seja, não é sempre que podemos prestigiar o trabalho de duas muzas pop juntas.

19 :: Kazaky

Uma boy band de salto alto? Isso e muito mais, é o que podemos dizer sobre Kazaky, um grupo musical de quatro rapazes da Ucrânia que chamou a atenção em 2011, apesar de terem surgido em 2010. O termo boy band seja talvez infeliz, mas ajuda a entender um pouco a proposta desses quatro ucranianos que cantam inglês e adoram um salto alto. Além disso, eles trazem um visual fashionista e uma pose carão no melhor estilo das divas, ops!, muzas que com certeza devem inspirar os rapazes: Madonna, Lady Gaga e Beyoncé (dentre outras e outros que provavelmente conhecemos e desconhecemos). Sobre a música? Nada demais, mas nada de menos na proposta eletrônica-dance.

18 :: Shows de artistas Pop no Brasil

Não é regra. Mas geralmente os gays adoram música pop. Assim, um dos sonhos de muitos homossexuais é poder ir/ver o show de suas divas. Neste sentido, em 2011, ninguém pode reclamar. Rihanna, Katy Perry e Kesha vieram. Britney Spears e Shakira, que não vinha ao nosso país há 10 anos, também estiveram por aqui. Ah! Ainda teve show também de Ricky Martin e Elton John (Avril Lavigne também neah?). Ou seja, um ano inédito e inesquecível neste sentido. Só mesmo Madonna e Lady Gaga vindo em 2012 para manter e/ou elevar esse quesito!

17 :: Marcelo Tas diz que sente orgulho da filha lésbica na TV

Que tal um apresentador de um dos programas mais populares da TV brasileira dizer em rede nacional, durante o programa, que sente orgulho de sua filha lésbica? Não precisa imaginar ou desejar. Isso já aconteceu: em abril do ano passado, Marcelo Tas, do CQC, exibiu uma foto de sua filha lésbica, falou de como ela é bem sucedida profissionalmente e disse que sente orgulho em ser pai dela. O motivo de tal ação? Uma declaração homofóbica do deputado Jair Bolsonaro em seu programa. Tu-do!

16 :: Crô, personagem gay da novela Fina Estampa

Nunca se viu tantos personagens gays em novelas como em 2011. E, felizmente, das mais variáveis maneiras e caracterizações. Um destaque do ano passado e que continua contudo em 20112 é o personagem Crô, papel do ator Marcelo Serrado, na novela “Fina Estampa” de Aguinaldo Silva. Sim! É um gay afetado. Sim! É um gay no núcleo cômico da trama. Sim! É um gay que reforça esteriótipos. Mas a interpretação do ator aliado ao texto tem transformado Crodoaldo Valério como um dos persongens gays mais memoráveis da TV brasileira. Além de muito querido pelo público.

15 :: Áureo, personagem gay na novela "Morde e Assopra"

Mais um personagem gay que se destacou nas novelas. Talvez só não teve a popularidade de Crô, por a novela “Morde e Assopra”, do autor Walcyr Carrasco, ser das 19h e não das 21h. Desta vez, o ator André Gonçalves mais uma vez interpreta um gay. Lembra dele como Sandrinho na novela A Próxima Vítima dos anos 90? Pois bem. Com Áureo, ele foi cômico e caricato a maior parte do tempo. Mas trouxe mais nuances que o Crô de Fina Estampa. Por exemplo, chegou a ter uma enquete no site oficial da novela para saber se ele deveria ficar com um homem ou uma mulher no final. O casal gay foi o mais votado. E assim sendo, no final, ele fugiu da igreja, onde ia se casar com uma mulher, para viver seu amor com um homem.

14 :: Curta “Eu não quero voltar sozinho”

Esse ótimo e delicado curta-metragem é de 2010. Mas infelizmente, teve uma distribuição muito restrita e só em 2011 foi disponibilizado na íntegra na web para quem quisesse ver. “Eu não quero voltar sozinho”, de Daniel Ribeiro, traz a história de um adolescente cego que começa a se interessar pelo seu novo colega de sala de aula.Ótimas atuaões, nuances interessantes da homossexualidade e tudo feito com uma abordagem delicada. Inspirador!

13 :: Casal gay na série Glee

Sem dúvida, a série Glee continua sendo um dos fenômenos mais gays da cultura pop recente. Em 2011, exibiu episódio contra a homofobia, beijo gay... mas o principal destaque foi a criação de um casal gay na história e com todo a pompa que exige. Um episódio foi dedicado exclusivamente ao casal, além dos desdobramentos antes e depois. Chris Colfer e Darren Criss deram vida ao casal e chegaram a ser capa de um das revistas mais populares dos Estados Unidos, A Entreteiment Weekly.

12 :: Atores “saem do armário”

Sempre que um artista resolve “sair do armário” é motivo de comemoração. Afinal, de alguma forma isso contribui para a visibilidade gay e quebra de paradigmas neste sentido. Por exemplo, em outubro, o consagrado ator Marco Nanini fez uma declaração, não tão direta, mas o suficiente para entendermos que ele estava falando de sua homossexualidade. No exterior, um dos novos atores, Zachary Quinto, conhecido pelo filme Star Treck e a série Heroes, também revelou ser gay. Outro que declarou sua homossexualidade, foi Jonathan Knight, integrante da boy band New Kids On The Block.

11 :: Casamento gay é legalizado em Nova York

Parece mentira... afinal, Nova York é um dos símbolos de liberdade mundial. Afinal, a Estátua da Liberdade fica lá. Mas sim, até 2011, o casamento gay não era legalizado na Big Apple. Teve campanha com celebridades que nasceram na cidade em apoio a legalização do casamento homossexual, com a participação de Julianne Moore, por exemplo. Quando o resultado saiu em junho, até Lady Gaga comemorou em seu twitter.


10 :: Ariadna no Big Brother Brasil 11

Sim. Ela pode não ter a classe de uma Roberta Close ou Lea T, mas fato é, que a participação de apenas sete dias de Ariadna Thalia no Big Brother Brasil foi o suficiente para entrar para a história do programa e da TV. Afinal, como a mesma disse quando foi eleminada do BBB: tem muito orgulho de ser a primeira transexual a participar do BBB. Alem disso, o Muza a entrevistou com excluZividade e ela foi uma simpatia! ;)

09 :: Casal gay na novela “Ti Ti Ti”

Sim! Mais personagens gays em novelas. Mas desta vez, algo fora dos estereótipos e mostrando de forma mais fidedigna uma relação homoafetiva. Parabéns à Maria Adelaide Amaral, autora da novela “Ti Ti Ti”, e aos atores Gustavo Leão e André Arteche que criaram uma história de um casal gay, mostrou o lado sentimental (com direito a morte de um deles), o preconceito da mãe em aceitar a homossexualidade do filho, e até mostrou a história de um novo amor para o “víúvo”. Tudo com muita delicadeza e consistência. Algo inédito na abordagem da temática homossexual em novelas.

08 :: Frente Parlamentar Mista pela Cidadania LGBT é relançada


Por mais novelas, filmes e artistas em prol da causa gay é importante é preciso, fundamental, também termos esse empenho na esfera política. Por isso, a o relançamento da Frente Parlamentar Mista pela Cidadania LGBT é motivo de destaque. Trata-se de171 parlamentares que buscam igualdade de direitos para todos os cidadãos, independentemente de sua orientação sexual ou identidade de gênero.

07 :: Valéria "Bandida"

Sim! Ela é bandida, safada e ainda não é das melhores com sua amiga Janete. Talvez tudo isso poderia fazer dela uma personagem anti-popular. Mas Valéria Vazquezs, papel do ator Rodrigo Sant´anna, no programa Zorra Total foi uma das maiores sensações do humor nacional e continua com um bom destaque em 2012. Valéria também é transexual “operada”, ou seja, ex-Valdemar, e sempre está cantando músicas das divas pop e usando, (e no caso, popularizando) as gírias e trejeitos gays. Uma maneira divertida de muitos se reconhecerem na TV.

06 :: Reprodução assistida/ténicas de fertilização para casais homossexuais

Ok. O casamento gay no Brasil ainda não é reconhecido, nem mesmo a adoação por casais homossexuais. Mas é bom saber que mesmo com leis mais abrangentes ainda não aprovadas, isso não é sinônimo que outras instituições possam agir de forma pró-LGBT. No início de 2011, o Conselho Federal de Medicina divulgou uma nova resolução sobre a reprodução assistida/técnicas de fertilização. Nela, está estabelecido que casais homossexuai podem usar técnicas, em que o embrião é fertilizado no laoratório. O que não era claro na regra de 1992, o que, consequentemente, sempre gerava dificuldades aos interessados.

05 :: Lea T


Lea T, a modelo transexual mais badalada do mundo em 2011, é o símbolo do ano que os transexuais teve grande visibilidade. Além de se destacar na moda mundial, a brasileira que é filha de Toninho Cerezo (ex-jogador de futebol), levou a discussão do tema a todos os veículos de comunicação que ela estava. Ah! E ainda teve uma carta do próprio Toninho Cerezo, publicada em uma revista nacional, na qual fala sobre a aceitação e o amor que tem/sente por sua filhA.

04 :: Novela “Insensato Coração”

No Brasil, a TV influencia e serve de pauta para discussão de diversos assuntos na sociedade. Assim, quando uma novela opta por exibir personagens gays e suas realidades isso pode ou não ajudar. No caso da novela “Insensato Coração”, de Gilberto Braga e Ricardo Linhares – exibida pela Rede Globo, felizmente, podemos comemorar neste sentido. Além de trazido o recorde de maior número de personagens homossexuais em uma novela (foram 7), também debateu diversas questões: a homofobia, com direito a morte de um personagem em razão disso; a relação de uma mãe ao descobrir que o filho é gay e o processo de aceitação da mesma e personagens não caricatos.

03 :: Deputado federal Jean Wyllys O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) em uma matéria da revista Rolling Stone Brasil posou como uma “Che Guevara Gay”. Talvez seja um exagero. Mas não há exagero em dizer que ele é a personalidade política mais atuante e com maior visibilidade no cenário nacional quando a pauta é LGBT. Qualquer assunto que ganhe proporção desta temática ele está presente. Nem que seja com seus comentários no twitter. Por exemplo, um dos momentos menos gays e inspiradores de 2011 foi justamente o adiamento e a divergência entre políticos aliados. Jean foi um dos que queria que o texto da criminalização da homofobia fosse mudado. Ele também integra a Frente Parlamentar Mista, que também apareceu nesta relação do Muza. Precisamos de mais Jean Wyllys na política nacional e mundial. Em um ano de eleições é bom termos essa referência.

02 :: Beijo homossexual em novela do SBT
O mundo parou de girar? Tudo ficou de cabeça para baixo? Crianças foram mortas de tanto medo e pavor? Ou seja, a exibição do beijo homossexual na novela “Amor e Revolução”, exibida pelo SBT, provou que o tal polêmico beijo gay não é tão polêmico assim, e que talvez, a ideia que se tem sobre é pior do que a coisa em si. Ok, é certo que o beijo aconteceu entre duas mulheres – no caso, das atrizes Luciana Vendramini e Giselle Tigre – o que pode ser um pouco mais aceitável em uma sociedade machista, mas isso não diminui o mérito da novela, escrita por Tiago Santiago, e do SBT em ter exibido o beijo. Além disso, no fim da novela as duas ficaram juntas.

01 :: Superior Tribunal de Justiça reconhece união civil entre pessoas do mesmo sexo

Em outubro de 2011, foi reconhecido no Brasil o primeiro direito legal coletivo aos LGBT. O Superior Tribunal de Justiça reconheceu, em julgamento, o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Essa foi a primeira vez que o STJ admitiu o casamento gay, o que assim, abriu precedente para que tribunais de instância inferiores ou até mesmo cartórios adotem posição semelhante. Entretanto, a decisão do STJ não tem o mesmo efeito da do STF e não cria um efeito vinculante (não obriga juízes e tribunais a reproduzi-la). Porém, instaura uma jurisprudência e deve estimular outros casais gays a fazerem a conversão entre uma declaração de união estável para um contrato de casamento civil. Mas a decisão Mas a decisão abre um precedente,ou seja, aumenta as chances teóricas de uma vitória na Justiça.