quinta-feira, 29 de março de 2012

ColunaZs – “Quem vem com tudo, não cansa” (sobre os 10 anos do Cellos MG)

Loading
Os sonhos coletivos têm mais possibilidade de tornarem-se realidade. Esta foi a lição que aprendi logo no início da minha militância social, nos finais dos anos 80. Por volta dos anos 2000, quando a luta contra AIDS ainda era a pauta central dos movimentos sociais LGBT’s, sete militantes de trajetória de vida e política diferentes, resolveram unificar em um sonho individual: construir uma organização que lutasse pelos direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais – LGBT e que tivesse uma atuação permanente no enfrentamento à homofobia.

História

No bate papo na mesa Bar “Lobo Mal”, no bairro Floresta, na capital mineira, surge a ideia do Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual de Minas Gerais – CELLOS-MG, uma ONG, que foi lançada em 09/03/2002, no Sindicato da Saúde – SINDESS e que completa 10 anos de existência.

Para alguns, este fato é indiferente, não tem importância. Já para os militantes LGBT, que sabem o valor dos anos dedicados à luta coletiva, o aniversário de uma organização LGBT é sempre motivo de comemoração. Há dez anos, a conjuntura LGBT era bem diferente – época que para ir à Parada, era necessário usar máscaras e tomar a decisão de assumir-se sem disfarces era para poucos.

O uso da internet era restrito. Os espaços de socialização e de freqüência GLS eram quase inexistentes. Locais para namoro e/ou práticas sexuais eram bem menor do que o atual. E o movimento LGBT tinha pouca visibilidade. Afinal, estamos falando de 10 anos atrás e da tradicional e conservadora capital mineira! Assumir-se gay ou lésbica e colocar parte de sua vida a serviço de uma ação coletiva homossexual, não era tarefa fácil.

Conquistas

Foi num contexto adverso que surge o CELLOS-MG. Desde o início, a garra de seus membros, trilharam um novo caminho rumo a garantir os direitos LGBT e combate a homofobia. A trajetória do CELLOS-MG não é só de alegria. Houve momentos difíceis, de tensões, crises, onde muitos desistiram da militância e foram cuidar da vida, mas é, fundamentalmente, marcada pela persistência e convicção de um projeto político que a entidade acredita e luta para implementar na sociedade.

Feita por alguns anônimos, outros mais conhecidos, a história do CELLOS-MG traz consigo um conjunto de vitórias que, sem dúvida, contribuíram para melhoria da vida de milhares mineiros LGBT´s. Não há nenhuma conquista sem a intervenção, contribuição e a pressão do movimento social. A decisão histórica do Supremo Tribunal Federal, aprovada em maio de 2011, que reconhece os direitos e deveres aos casais do mesmo sexo; as políticas públicas prol-LGBT no executivo e as Paradas do Orgulho LGBT, que mobilizam milhões de pessoas pelo país, se devem a atores e atrizes que resolveram romper com isolamento social e deram um basta na opressão. Decidiram transformar sua orientação sexual e identidade em ação política.

Vários indivíduos que subverteram a norma. Transformaram o tesão, o amor, o objeto de prazer e as práticas sexuais em política. Mostraram que a sexualidade não deve ser motivo de opressão e preconceito. A militância LGBT, nos seus vários grupos e ações, conseguiram colocar na arena pública o debate dos direitos civis LGBT’s e combate ao preconceito. Enfim, a homofobia apareceu, desmistificando a cordialidade brasileira, país que se acredita não ter violência e preconceito.

Estamos melhores do que há 10 anos atrás.Várias conquistas sedimentam o caminho de uma real cidadania LGBT. Mas ainda temos muitos desafios. O sonho se torna realidade através das mãos de gente de carne e osso. É preciso, cada vez mais, homens e mulheres com os corações e mentes tomados pelo sonho de justiças e liberdade assumiram a luta LGBT. Certamente, são os objetivos dos militantes cellistas. Nestes seus 10 anos de existência deixo a minha saudação a quem luta, a quem tem coragem e a todos e todas militantes do CELLOS.

Carlos Magno é secretário de comunicação da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgênero (ABGLT), coordenador do entro de Referência pelos Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais de Belo Horizonte(CRLGBT-BH) e militante do Centro de Luta Pela Livre Orientação Sexual de Minas Gerais (CELLOS-MG).

EM TEMPO: o Muza esteve presente na cerimônica celebrativa dos 10 anos do Cellos-MG. Aguarde matéria excluZiva.