sábado, 25 de fevereiro de 2012

Um papo excluZivo sobre visual na balada com os produtores Rodrigo Leon (BH) e Laís Pattak (SP)!

Loading

Bee! Como sabe, em fevereiro a boate On Board realizou a festa “Hollywood Street”, que teve como destaque a presença da produtora paulistana Laís Pattak e o lançamento do tumbrl Hollywood Street, voltado a moda de rua de BH. O Muza esteve presente e, pretinentemente, conversou com Laís Pattak e Rodrigo Leon, produtor de festas em BH, sobre visual na balada.

Quando começamos a conversar e fazer um paralelo das baladas de BH e São Paulo, Rodrigo Leon logo observou que “o pessoal de BH é estiloso, mas em São Paulo é mais. Eles preocupam mais com isso", no que Laís completou: “Não sei se o povo se preocupa mais. O lance do Glória (casa noturna paulista onde Laís realiza suas festas) é que tem um público muito característico. Gostam de se vestir e preocupar mais com roupa, sapato, maquiagem.... gostam de sair bem na foto, gostam de tirar foto e gostam de aparecer”. Em seguida, Leon disparou uma frase que pode, a primeira vista, soar polêmica e/ou controversa:

“Não é pecado querer aparecer”, foi a declaração de Rodrigo Leon, a qual, pedimos explicações... “Eu falo que não é pecado querer aparecer, porque as pessoas tem preconceito com quem quer aparecer. Eu acho bacana você querer mostrar o que você tem, o seu interior por meio de roupa, cabelo, maquiagem... é gostoso você ir em um lugar onde as pessoa se preocupam em estar bem vestidas, bem apresentáveis e se preocupam com estilo”. Entretanto, Rodrigo ponderou e ressaltou que “a vida não se resume a isso, muito menos por isso. Mas é bacana, a noite se torna mais gostosa quando as pessoas se produzem para ir e não, simplismente, colocam um bermudão e sai. A noite para mim não é isso”.

Laís reforçou a ideia de que a noite não é “isso” ao revelar que se sente até mais valorizada, como produtora quando o pessoal capricha no visual. “Eu prefiro esse meio que eu trabalho quando as pessoas se dedicam para sair. Que se arrumam mais cedo, conversam com o amigo sobre o que vestir, que roupa vai.. . eu acho mais legal. Você sente que seu trabalho é mais valorizado. A pessoa se preocupou em ir na festa, com o DressCode”, ressaltou.

Apesar do visual ser algo importante para os produtores, os dois também concordam que independente da indumentária um acessório não deve ir junto nas festas que realizam: “não ter carão na balada!”. “As pessoas tem que se divertir”, ressalta Rodrigo, No que Laís concordou da melhor maneira popular: quem cala, consente.

EM TEMPO: como dissemos a festa também foi o lançamento do tumbrl Hollywood Street, dos também fashions e simpáticos Patty Hollywood e Yago Marciano, que também contam com o apoio de João Andrade e Célio Dias. Eles revelaram que a proposta é mostra a moda de rua de Belo Horizonte, algo, para eles, ainda inexistente na cidade. Clique aqui e conheça o Hollywood Street.

Abaixo e ao lado, você pode ver o Muza Galeria, atualizada com fotos do pessoal que esteve presente na festa!