sexta-feira, 9 de setembro de 2011

ExcluZivo – entrevista com Ariadna, ex-BBB 11, em sua passagem por BH

Loading




People! Ariadna, ex-BBB e transexual, esteve recentemente em Belo Horizonte. Ela participou do novo projeto da Josefine, uma das boates GLS mais renomadas e conceituadas de BH: o “Quinta Mix – Celebrities”, que na última quinta-feira do mês trará uma celebridade à boate. Para estreiar, no dia 25 de agosto, Ariadna foi a atração.

A ex-BBB compareceu ao palco da Josefine, na companhia de Walkíria La Roche, e bateu um papo com o público presente. Simpática, ela respondeu todas as perguntas e ainda viu, sem problema algum, a revista Playboy na qual foi capa. Mas antes de marcar presença na Josefine, Ariadna concedeu uma entrevista excluZiva ao Muza, na qual, dentre outras revelações, disse que quando recebeu a notícia de que havia passado para a segunda fase do BBB, ela estava em Belo Horizonte.

Dizem que a primeira impressão é a que fica. No caso de Ariadna, talvez seja a segunda. Pessoalmente, ela é mais bonita e aparenta ser uma pessoa bastante segura do seu lugar como ex-BBB e transexual. Sim, confesso: esperava menos de um ex-participante de um reallity show. O que no final, não deixou de ser uma agradável surpresa, a qual pode-se deduzir coma entrevista abaixo.

O ensaio para a Playboy não parece ser sinônimo de boas lembranças para Ariadna, mas o passado já foi superado: “Foi um ensaio bem bacana, mas não foi o que eu esperava. Muitas coisas aconteceram nos bastidores, o que me decepcionou bastante. Mas não vem ao caso falar agora. Enfim, já foi”. Ela também negou que tenha pedido para não ser chamada de transexual na revista. Ela explicou melhor a polêmica: “As pessoas usam o termo transexual de forma de diminuição, como aconteceu em várias entrevistas. Por exemplo, colocam em uma revista Sabrina Sato e a transexual Ariadna. Por que não colocam então a héterosexual Sabrina Sato? Não é para distinguir quem sou na verdade”.

Já sobre vida pós-BBB ela não tem do que reclamar: “Estou trabalhando bastante. Rodando o Brasil todo. Agenda lotada, não tenho tempo nem para dormir e ver namorado. Às vezes, a verdade é essa”. Mas nem tudo são flores... “Já sofri preconceito por ser ex-BBB. Acha que tudo que você está fazendo é para aparecer. Por exemplo, eu estava com um cabelo parecido com o da Amy Winehouse, como uma brincadeira divulguei a foto. Aí, rolou umas enquetes maldosas, dizendo algo como ´o que um ex-BBB não faz para aparecer´. Graças a Deus eu tenho uma visibilidade boa, as pessoas gostam de mim. Eu não preciso fazer isso para me mostrar”.

Recentemente, Ariadna começou a fazer apresentações dançantes em boates GLS do país. Mas não foi dessa vez que BH pode vê-la em ação. Ela explicou o por que de ter começado a fazer tais apresentações. “Nunca fui chamada para boates héteros, até hoje. É o público gay que me apoia mesmo. Então, eu quis fazer algo que eu estivesse mais próximo aos gays, que todo mundo gostasse. Por que não? Eu gostava de ir em boates gays para ver shows, bate-cabelo...”. Então, isso quer dizer que podemos esperar algo mais do futuro da Ariadna-performer? Não necessariamente... “Na verdade eu estou estudando para ser atriz. Mas não pretendo largar agora, se me contratarem para fazer show, faço na boa. Não deixa de ser um trabalho artístico”, explicou.

Ariadna também negou algum tipo de comparação entre o momento dela no BBB com o destaque de Lea T no mundo da moda: “Lembro de estar na Itália, quando ela posou para a capa de uma revista. A Lea T estorou antes deu entrar no Big Brother. Não teve muita mistura, ela era outro patamar. Ela moda, e eu reallity show”.

Sobre o fato de ser uma transexual escolhida para um reallity show, Ariadna parece ter consciência da importância do seu papel. Mas ressalta que não foi nada planejado: “O BBB também gosta de polêmica, independente de ter gay, transexual e travesti... Eles queriam algo diferente, porque vivenciam o dia-a-dia do ser humano, do brasileiro, do mundo em si. Não tem só homem, mulher e gay. Existem outros tipos de sexualidade, pessoas e raças. O BBB quer expor sim que qualquer tipo de pessoa pode conviver em conjunto, em um reallity show”.

Sobre o mistério para os outros participantes do BBB envolvendo sua transexualidade, Ariadna afirma que não houve orientação nesse sentido, mas sim, um receio pessoal e natural, inclusive de rejeição: “Não fui enganar. É um espanto para as pessoas chegarem lá e encontrar uma mulher operada. Eu tinha medo de chegar... Eu cheguei para a Maria e Talula e disse que era operada, e elas tipo “Como assim? Não tô entendendo?”. Tive carta branca para falar o que eu quisesse. Eu tinha certo medo de rejeição das pessoas. Porque eu sabia que quando entrasse, aqui fora ia estourar. Ali era o único cantinho em que eu me sentia protegida, porque eu não sabia o que seria depois que eu saísse. As pessoas levaram para outro lado... eu não queria enganar ninguém... Enganar o quê? Eu sou uma mulher e isso as pessoas tem que colocar na cabeça. O meu passado é o meu passado. Eu não posso ficar levando sempre a frente a história do meu passado se eu quero viver uma vida nova. Claro que eu não posso esquecer. Mas tem essas divisões”.

Muitos também questionaram a postura de Ariadna como “a primeira transexual a participar de um reallity show”, mas ela não parece ter dado ouvido às críticas: “Esse é o problema. As pessoas têm que saber que tenho minhas opiniões, minhas vontades, eu tenho que viver aquilo do jeito que eu acho melhor para mim. Eu não entrei no BBB para achar o que as pessoas vão achar melhor. Eu entrei ali, fui o que sou. Pode ter me prejudicado, falei muito palavrão... Não sou hipócrita. Sou verdadeira, doa a quem doer”.

Se o novo BBB deve ter uma transexual? Para ela, isso não é fundamental: “Eu acho que existe espaço no mundo para todo mundo. Se vier outra transexual, eu não vou me incomodar. Eu vou mais apoiar mesmo que venha a próxima. Não é regra. Se tiver que vir, que venha”.

Por fim, perguntei à Ariadna se ela tinha algum conselho para dar para um/uma transexual que lesse a entrevista ou que a tenha como exemplo devido à visibilidade que ela conseguiu ter. Abaixo, suas sinceras palavras: “Que lutem! Que se quiserem se transformar mulher (ou homem), se tornem, sem medo de ser feliz. Eu tive tantas barreiras antes de fazer minha cirurgia.... enfrentei o mundo sozinha. Saí de casa com 14 anos, tenho uma história de vida difícil. Mas graças a Deus, hoje eu consegui superar. E que as pessoas sonhem sim, os sonhos se tornam realidade. Que não desistam. É difícil, dá vontade de desistir mesmo. Mas que não desistam. Mas que corram atrás de seus objetivos. A felicidade maior não é o vizinho, o pai ou a mãe que vai decidir. Somos nós mesmos que temos que correr atrás da nossa felicidade. Torço para que todos sejam felizes e que todo mundo acabe bem”.

Fotos: Roberto Reis