terça-feira, 13 de setembro de 2011

ColunaZs – “Liberdade cadê?”

Loading
A Praça da Liberdade, aqui em BH, se tornou palco de agressões e intolerância semana passada. A noticia de um possível confronto fez com que a Praça fosse ocupada por carros de polícia, que até a noite desta segunda (13/09) lá permanecem. Se você ainda não sabe sobre os recentes episódios envolvendo skinheads, sugiro que pesquise e preste mais atenção nas próximas vezes. É a sua segurança que pode estar em jogo.

Quem tem o hábito de passar pela praça, independente do horário, sabe que ela é um real símbolo de liberdade em BH, seu nome é levado ao pé da letra por seus frequentadores que são os mais diversos possíveis. Passar por lá em uma sexta a noite é passar por quase todas as idades, gostos, cores, sexualidades e etc. Uma das mais belas praças do país é tomada pela liberdade, e semana passada ela foi destaque justamente pelo contrário, pela intolerância e pelo preconceito. Então lhes pergunto... cadê a liberdade?

Onde ela está? Seja na praça, seja na rua, seja em qualquer lugar. Vivemos uma falsa sensação de liberdade, tentamos nos convencer que em certos lugares podemos ser completamente livres. Infelizmente estes lugares são minoria e possuem território limitado, o que a meu ver é apenas mais uma jaula. Essa liberdade já é reduzida para a população como um todo graças aos crimes, para nós existe o agravante do preconceito.

A liberdade pela qual lutamos está longe de ser alcançada, infelizmente. É cada vez mais comum a demonstração gratuita de intolerância em “oásis” como a Praça da Liberdade. Além da minha natural revolta a respeito do assunto, explicito aqui minha indignação com a mancha de sangue derramada neste símbolo de liberdade. Reforço minha revolta contra a intolerância neste país, relembro meu luto pelas vidas perdidas. Reafirmo minha posição de conscientizadora.

Devemos nos preservar, isso é fato, mas não é desculpa para perdermos a voz. Episódios como os ocorridos na praça acontecem em diversos lugares, pelo país inteiro, o tempo todo. Vidas são perdidas, todos os dias.

Fotos: Bruno BHZ e Felipe Bueno

* Becha Má é twittera toda trabalhada no veneno purpurinado. The Bitch says: follow my ass!