sexta-feira, 13 de maio de 2011

Deputado Bolsonaro lança panfleto anti-gay, diz sofrer “héterofobia” e causa tumulto no congresso

Loading






People! Acima você pode ver um vídeo que mostra mais um lamentável episódio envolvendo o o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ). Como podemos ver, enquanto a senadora Marta Suplicy(PT-SP) dá uma entrevista, ele fica ao fundo exibindo sua cartilha “antigay”, o que despertou a indignação da senadora Marinor Britto(PSOL-PA). No fim, Marta saiu de cena e Bolsonaro conseguiu o que queria: falar sobre sua visão distorcida de preconceito e cidadania. Ele disse que a senadora é heterofóbica e colocou um adesivo do projeto de lei que criminaliza a homofobia em sua boca, como se a punição aos preconceituosos fosse uma censura a liberdade de expressão. Lamentável! Um verdadeiro Circo dos Horrores! Olha o diálogo da cena:

“Tira isso daqui, rapaz. Me respeita!”, advertiu Marinor, batendo no panfleto de Bolsonaro. “Bata no meu aqui. Vai me bater?”, respondeu Bolsonaro. “Eu bato! Vai me bater?”, rebateu Marinor. “Depois dizem que não tem homofóbico aqui. Tu és homofóbico. Tu deveria ir pra cadeia! Tu deveria ir pra cadeia! Tira isso daqui. Homofóbico, criminoso, criminoso, tira isso daqui, respeita!”, prosseguiu a senadora do PSOL.



Bolsonaro: “Ela é heterobófica. Não pode ver um hétero na frente dela que alopra. Já que está difícil, está difícil ter um macho por aqui. Eu estou apresentando como macho e ela aloprou. Não poder ver um heterossexual. É a discriminação dos heterossexuais”.

Marinor Brito: “Esse cidadão chamado Bolsonaro não é digno de estar no Congresso. Ele é tão criminoso, na minha opinião quanto qualquer corrupto quando qualquer desviador de dinheiro público”.

Além da representação, a senadora Marinor Brito disse que vai entrar com uma ação na justiça contra Bolsonaro por injúria e danos morais. Na Câmara dos Deputados, Jair Bolsonaro já responde a quatro processos por supostas declarações homofóbicas.

Panfleto anti-gay

Outra polêmica, fruto da arrogância e preconceito sem limites de Bolsonaro é o fato de sua assessoria ter feito um panfleto anti-gay, o qual foi distribuído nas ruas do Rio de Janeiro. Ao todo, foram distribuídos 50 mil panfletos. Segundo reportagem do Jornal da Globo houve distribuição do panfleto na saída do metrô, na porta de escolas para pais de alunos e professores, na entrada de templos evangélicos e na caixa de correio de condomínios de Copacabana.

No material gráfico Bolsonaro critica pontos do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT. Principalmente, o “kit-gay”, material didático feito pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) que será distribuído nas escolas com filmes e cartilhas contra a discriminação sexual. “Esse material dito didático pelo MEC não vai combater a homofobia, ele vai estimular a homossexualidade lá na base no primeiro grau”, diz Bolsonaro, durante a distribuição no Rio.

No panfleto anti-gay de Bolsonaro está escrito de forma sensacionalista: “Querem, na escola, transformar seu filho de 6 a 8 anos em homossexual”. LAMENTÁVEL!

Abaixo, você pode ver um vídeo-reflexivo de Arnaldo Jabor que classifica Bolsonaro como um “Machão parado no tempo” e exemplo de “burrice histórica”.







Com informações do G1