terça-feira, 26 de abril de 2011

ExcluZivo – Saiba como foi a Festa da Lili, que aconteceu em BH em sua primeira edição fora da capital federal

Loading




People! Há exatos 10 dias, no dia 16 de abril, o Mix Garden abriu suas portas para “Festa da Lili”, evento tradicional da noite GLS brasiliense, que, pela primeira vez, desde o seu início, ultrapassou as fronteiras do Distrito Federal para uma edição na capital mineira, em parceria com o Andaluz Club Café.

A equipe do Muza conseguiu uma entrevista exclusiva com Liliane Santana (foto acima), organizadora do evento, que falou sobre o surgimento da festa. “Tudo começou como a comemoração de aniversário meu e se tornou uma das melhores baladas de Brasília. Foi incrível ver como uma reunião comum, com amigos, algumas caixas de cerveja e entrada de 10 reais para cobrir os custos, tornou-se um evento desse tamanho. O pessoal gostou muito da organização e a festa passou a ser realizada todo ano”, conta

A promoter relata que a primeira edição da festa em Belo Horizonte foi possível graças à parceria com Denise Martins, proprietária da casa noturna Andaluz. “A proposta é a de trocar experiências e promover festas de qualidade em boas em ambas as cidades. A 'Festa da Lil' reúne em Brasília de 4000 a 5000 pessoas. Hoje, esperamos cerca de 3000 convidados. O Mix Garden é um excelente espaço e, por isso, esperamos uma grande festa hoje. Desejo fazer novas edições aqui na cidade e espero que os mineiros compareçam à ‘White Emotion’, que acontece dia 11 de junho em Brasília”, confessa.

Liliane também falou sobre os cuidados com a organização da festa. "Minha maior intenção é a de que o público saia realizado daqui. Eu checo tudo pessoalmente: desde a pista de dança, pra saber se o pessoal está curtindo, até ao bar, para ter certeza de que não existam filas. Não quero ninguém preocupado em um lugar que é pra diversão", justifica.

Não foi raro encontrar, durante o evento, heterossexuais na pista com os amigos, curtindo o som na mesma “vibe” de transformistas, gays, lésbicas. Lili destaca o nível de civilidade das baladas GLS que produz e a convivência amigável entre todos. "O que mais gosto é a ausência de brigas. Desde que comecei, nunca aconteceu nenhuma durante as minhas festas", relata.

Música é um dos destaques


Segundo Liliane, a festa já tem, atualmente, as proporções de um mega evento, com produção grandiosa e a presença de DJs internacionais “super badalados". “Na edição em BH, trouxemos Isaac Escalante, do México, Gra Ferreira, de São Paulo, Vilson Santos, de Brasília e Allan Natal, que reside aqui na cidade”, enumera.

O resultado da seleção dos profissionais que comandou as pick ups não poderia ser diferente: a pista "ferveu” durante toda a noite e ninguém ficou parado. A qualidade musical chamou a atenção até mesmo de quem costuma frequentar festas semelhantes. É o caso do administrador Christian Sanchez, 27 anos, que só teceu elogios. “A gente vem pra uma festa assim e acha que vai ser o mesmo som batido. Os DJs inovaram sem decepcionar. Estou ouvindo o que gosto sem perder o foco da musica eletrônica. Já tinha vindo na White Emotion e meus amigos, que vieram da última vez comigo, falaram sobre a ‘Festa da Lili’. Estou muito empolgado", relata.

A decoração não deixou nada a desejar às melhores casas noturnas paulistanas. O lugar foi dividido em diversos ambientes, uns à meia luz, outros iluminados por grandes displays de led. O ambiente tinha conforto e agradava aos olhos. Colunas suspensas iluminadas contrastavam com cortinas vermelhas, proporcionando uma descontração que agradou o público presente. "Há dez anos frequento as baladas gay e adoro. Aprendi a ser exigente por conta delas", relata Cristiane Figueiredo, 29, autônoma. "A festa está impecável ao meu padrão de exigência, isso sem falar do público gay, que por ser muito mais desencanado que o hetero, traz uma presença positiva em qualquer ambiente", opina.

Matéria: Filipe Esdras e Vinicius Rocha
Fotos:
Vinicius Rocha



Aguarde mais fotos! Incluindo, fotos do pessoal que curtiu a Festa!