segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Veja o novo vídeo-clipe da Lady Gaga: “Born This Way”

Loading

Oscar 2011 teve selinho e dedicatória gay!

Loading

Bee! Como sabem, na noite/madrugada de ontem para hoje aconteceu a 83ª edição do Oscar, a premiação mais badalada do cinema mundial. Entre os modelitos das divas, os eternos galãs e os prêmios, a premiação trouxe alguns momentos gays interessantes.

- Como podemos ver acima, os atores Javier Bardem e Josh Brolin trocaram um selinho antes de apresentarem um dos prêmios da noite.

- A querida e grávida Natalie Portman ganhou o prêmio de melhor atriz por sua atuação no filme “Cisne Negro”. No filme, ela tem uma cena lésbica beeeeeem sensual.

- James Franco, um dos apresentadores da noite, apareceu vestido de Marilyn Monroe e em uma paródia do filme Cisne Negro, mostrou ter um.. hã.. digamos... popozão! Delícia!

- Mas o momento mais mais de todos foi justamente na hora do prêmio mais aguardado: o de melhor filme. Quando a equipe do filme “O discurso do rei” subiu ao palco, o produtor Iain Cannin agradeceu ao seu namorado Ben: “Você me diz todos os dias o que eu sou capaz de fazer”. Q fofo! Q amor! Olha o Iain Cannin apertanado a mão de Steven Spilberg ao receber o prêmio.


- Ah! Claro, não poperíamos não comentar dos 8 figurios da simpática atriz, e apresentadora da noite: Anne Hathaway. Na imagem abaixo podemos ver todos. No sentino horário, os modelitos são de autorias de: vestido e sandália Tom Ford, tomara-que-caia Versace, terno Lanvin, modelo azul-safira Giorgio Armani Privé, corset Vivienne Westwood, modelo nude Givenchy, vintage Valentino, e o 'melindrosa' Oscar de la Renta.

Abaixo, você pode ver a relação completa dos ganhadores!

Melhor direção de arte- "Alice no País das Maravilhas"
Melhor fotografia- "A origem"
Melhor atriz coadjuvante:- Melissa Leo – “O vencedor”
Melhor curta-metragem de animação- "The lost thing", de Shaun Tan, Andrew Ruheman
Melhor longa-metragem de animação:- "Toy story 3"
Melhor roteiro adaptado- “A rede social”
Melhor roteiro original- “O discurso do rei”
Melhor filme de língua estrangeira- "Em um mundo melhor" (Dinamarca)
Melhor ator coadjuvante- Christian Bale – “O vencedor”
Melhor trilha sonora original- "A rede social" - Trent Reznor e Atticus Ross
Melhor mixagem de som- "A origem"
Melhor edição de som- "A origem"
Melhor maquiagem- "O lobisomem"
Melhor figurino- "Alice no País das Maravilhas"
Melhor documentário em curta-metragem"Strangers no more"
Melhor curta-metragem- "God of love"
Melhor documentário (longa-metragem)- "Trabalho interno"
Melhores efeitos visuais- "A origem"Melhor edição- "A rede social"
Melhor canção original- "We belong together", de "Toy story 3"
Melhor diretor- Tom Hooper – “O discurso do rei”
Melhor atriz- Natalie Portman – “Cisne negro”
Melhor ator- Colin Firth – “O discurso do rei”
Melhor filme- “O discurso do rei”
Com informações do G1.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Centro de Referência LGBT de BH realiza encontro nessa segunda-feira

Loading

People! Nessa segunda-feira, 28 de fevereiro, será realizado um encontro promovido pelo Centro de Referência pelos Direitos Humanos e Cidadania de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais de Belo Horizonte (CRLGBT/BH).

No momento, serão apresentados o relatório das atividades desenvolvidas nos seis primeiros meses de funcionamento do CRLGBT/BH e o planejamento para o próximo período, bem como, ouvir algumas demandas do movimento LGBT de Belo Horizonte.

O encontro será às 14h no Auditório 12º andar da Secretária Municipal Adjunta de Direitos e Cidadania (Rua Espírito Santo, 505/ 12º andar, Centro).

A imagem acima traz a equipe do CRLGBT/BH: Alessandra Campos (Advogada), Carlos Magno (Coordenador) e Dalcira Ferrao (psicóloga).

EM TEMPO: A volta do funcionamento do CRLGBT/BH foi eleito, pelo Muza, um dos 10 Momentos Mais Gays e Inspiradores de 2010 em Belo Horizonte. Clique aqui e saiba mais.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Saiba como foi o show dos Backstreet Boys em BH!

Loading

Um momento de nostalgia pop e adolescente
por Valmique

Confesso que minha expectativa em relação ao show dos Backstreet Boys, que aconteceu na última quarta-feira em BH, era baixa. Talvez, por isso, me surpreendi tanto com o show e tudo que o envolveu.

Ok, fato é, que hoje em dia, os Backstreet Boys, que estão mais para Backstreet Men, não tem nem de longe a relevância pop que já tiveram no passado. Passado esse, que eu preferia ouvir as Spice Girls do que eles. Mas tudo bem, nada como reviver uma nostalgia adolescente onde o mundo se resume a preocupações como “I dont care who you are/ Where you from/What you did/As long as you Love me” , como diz a letra de um grande sucesso do grupo, que dispensa apresentações.

Mas minha surpresa começou antes mesmo do show começar, com a euforia histérica de muitas meninas e a de pouquíssimos meninos, igualmente histéricos. Gritaria, cartazes com frases apaixonadas, bandanas e gritos em coro de “back-street-boys! back-street-boys!” era o clima do Chevrolet Hall, local onde o show aconteceu. Quando eles surgiram do palco então...

O show abriu com um efeito visual interessante e impactante. Ao som do hit “Everybody” eles saíram de dentro do telão, literalmente, em uma sincronia perfeita com o vídeo de abertura! Entretanto, ao longo do show, nada se igualou em termos visuais. O figurino era bem simples e o show não tinha nem efeitos de luzes. Ou seja, não tinham elementos esperados de um show pop. Mas os meninos compensaram com muita dança, boa coreografia e vídeos engraçados, que eram exibidos entre sequencias de música. Vídeos estes, que traziam os Boys em cenas de filmes consagrados como Matrix e Clube da Luta.

Sim! Eles não são mais os garotos sarados do clipe de “Quit Playing Games”, mas mesmo assim, mostraram ter fôlego para os passos de dança e ainda tem lá o seu charme. Principalmente Nick Carter, que foi, sem dúvida, o mais empolgado, animado e sexy durante todo o show.

Sobre as músicas, nos primeiros 20 minutos achei que eles não dariam conta da 1 hora e 20 minutos que faltava. Isso, porque logo nesse início eles cantaram os hits “Everybody”, “Quit Playing Games” e “As Long As You Love Me”. Sim! Eu havia esquecido da grande quantidade de hits que o grupo tem, os quais eu sabia por acompanhar o Disk MTV (Alguém lembra?). Afinal, vieram vários outros e, juntamente, a lembrança de um tempo que não volta mais: “Larger Than Life”, “All I Have To Give”, “Show me the meaning of being lonely”, “The One” e a mais fofa de todas “I Want It That Way”. Sim! Eles também cantaram músicas de discos mais recentes, inclusive do último This Is Us, como “PDA” e “Straight Through My Heart” – essa fechou o show - mas que não tem o mesmo impacto que os hits, vários hits, do passado já tiveram. Mas o show dos Backstreet Boys não tem como atração principal o presente ou o futuro e sim a boa nostalgia do pop feito para cativar meninas – e meninos (gays talvez?) – na adolescência!

Abaixo, veja um vídeo com a abertura do show e sinta um pouco da vibe!

Balada weekend! Balada GLS para sexta, sábado e domingo!

Loading

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

ColunaZs: "Sou discreto e não frequento o meio. E você?"

Loading

Sou discreto e não frequento o meio. E você?
por Daniel Mazzaro Vilar de Almeida*

A política do “Don’t ask, don’t tell”, que restringia a entrada e permanência de homossexuais e bissexuais no exército dos Estados Unidos, caiu. Ainda bem! A velha desculpa de que o homossexualismo (me dói muito ler e ouvir esse sufixo –ismo no final da palavra!) poderia criar um risco inaceitável para os altos padrões de moral, ordem, disciplina e coesão das unidades que são a essência das capacidades militares, esse pretexto no mínimo esdrúxulo foi derrubado graças à prova de que, parafraseando as travestis, gay não é bagunça. Bom, pode não ser bagunça, mas que tem um desarranjo aos olhos de vários, inclusive dos próprios gays, ah, isso tem!

Durante a minha pesquisa da monografia, pensei em dedicar algumas linhas a perfis de sites de relacionamento como esse:

“Mandem mensagem os discretos e trabalhadores, que tenham jeito e voz de homem... sem enrolação podemos ver no que dá um encontro. Olho no olho as coisas acontecem de forma transparente... Pra adiantar, não sou e nem pretendo ser assumido, muito menos frequentar lugares gays... Isso não quer dizer que não sei respeitar a vida de cada ser vivente...”

O autor desse perfil, desde o início, já deixa claro que procura pessoas “discretas”e que tenham “jeito e voz de homem”. Possivelmente, discreto significa não-afeminado. Entretanto, este perfil abarca outra característica que aparece no seguinte fragmento: “não sou e nem pretendo ser assumido”.

Ser ou não ser assumido (eis a questão!) encadeia diversos saberes partilhados por uma dada comunidade e são instrumentos linguísticos que, quando se cria um discurso, os organizam de forma que sejam “aceitáveis” e coerentes. Neste caso, um possível saber partilhado é que ser assumido pode significar ser afeminado ou até mesmo frequentar o meio gay, como foi sugerido no próprio texto.

Por mais que não fosse minha intenção na pesquisa, entrei em contato com um dos participantes do site cujo nick era DiscretoBakana e lhe questionei o porquê do “discreto” e o porquê do comentário que havia feito sobre as pessoas que frequentam boates GLS. A resposta foi, para mim pelo menos, surpreendente: “não curto afeminados e acho o ambiente muito depressivo e doente”. A relação evidente entre frequentar o meio e ser afeminado contribui para a construção de uma imagem de credibilidade do participante do site (lembra-se do termo ethos?) que se pauta em representações acerca dos afeminados, mas também em representações acerca do que seria mais correto e mais aceitável em termos de valores e julgamentos morais.

E não para por aí. DiscretoBakana ainda afirma: “sou bem resolvido e decidido em relação à cultura gay, inclusive não faço parte e não me considero gay” pois, como disse, “já tive lances com caras, já namorei, fico, curto, mas não faço parte do ambiente desse reduto”. A generalização que ele faz entre ser gay e frequentar ambientes GLS leva-o a excluir-se da categoria gay, já que não se considera pertencente ao “ambiente desse reduto”.

O que dizer do conceito de gay desse participante? No mínimo, parece ser o mesmo que afeminado e frequentador de boates e bares específicos, e não necessariamente o de homem que sente atração por outros homens. É mais: é alguém que busca locais não apenas para conhecer os outros, mas para, como ele diz, “ficar falando de coisas gays” e que “fazem questão de serem ridículas”. Nesse caso, quanto mais “enrustido”, quanto mais “discreto”, quanto “menos gay”, melhor.

Qualquer semelhança à extinta política do exército dos Estados Unidos não é mera coincidência...


*Texto de Daniel Mazzaro Vilar de Almeida, Professor e pesquisador de Espanhol e Português. Sua monografia pode ser lida clicando aqui!

Rufus Wainwright, cantor e gay, agora, também é pai

Loading

Bee! Mais um cantor gay virou papai. Desta vez, estou falando do canadense Rufus Wainwright. Ele anunciou o nascimento de sua filha esta semana, Viva Katherine, em seu site oficial. A mãe da menina é a amiga Lorca Cohen, filha do cantor e compositor Leonard Cohen. Aliás, o cantor esclareceu em seu site que Lorca é a mãe sim! Já que algumas pessoas estavam especulando que ela seria algo como mãe-de-aluguel para o cantor.

Rufus tem 37 anos e tem um relacionamento de cinco anos com Jorn Weisbrodt, alemão e administrador de artes. Acima, podemos ver uma foto dos dois juntos. Rufus escreveu que considera seu companheiro “vice-pai” da pequena Viva:

"Querida filha Viva Katherine Wainwright Cohen nasceu dia 2 de fevereiro, em Los Angeles, Califórnia, de orgulhosos pais Lorca Cohen, Rufus Wainwright e vice-pai Jorn Weisbrodt. O pequeno anjo é claramente saudável, presumivelmente feliz e certamente muito, muito bonita",

Para quem não conhece Rufus vale muuuuuuuuuito a pena conhecer. Aliás, ele até já fez show em BH, em 2008, e eu, Valmique, fiz até uma crítica do show dele. Clique aqui para ler.

EM TEMPO: Rufus posou junto com o vocalista do Scissor Sisters, Jake Shears, para a capa da revista gay gringa Next. A foto é de de Tim Hailand.

Com informações da Folha.com

BBB 11: Beijo lésbico aconteceu entre Maria e Diana. Veja o vídeo e saiba como!

Loading


Bee! Erótico demais? Mas fato é, que o primeiro beijo lésbico do Big Brother Brasil aconteceu regado a leite condensando. Durante a última festa, as sisters Maria e Diana, com o apoio e incentivo de Diogo e Wesley, se beijaram em uma brincadeira com leite condensado, como podem ver no vídeo acima. Pesado? De boa? Fato é, que o beijo aconteceu. Será que a cena vai ao ar? Tem que interagir!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Sexta tem a festa “Deca.Danse Avec Elegance”! O Muza sorteia cortesias!

Loading

Bee! Na próxima sexta-feira, 25 de feveireiro, acontece uma festa muuuuuuuuito bacana: “Deca.Danse Avec Elegance”. A proposta é dançar e curtir a noite “Entre a decadência e a elegância”. Adoooooro!

Segundo informações oficiais “...contamos com sua elegância ao avesso. Uma noite divertida, sem frescuras e sem medidor de bons modos. Mas claro, sem descer do salto.Ou quem sabe...”. Para fazer o convite no melhor estilo, há aina citação de Coco Chanel: “"Elegância é tudo aquilo que é belo, seja no direito seja no avesso”. Tu-do!

A festa vai ser na Up E.Music, a partir das 23h. Animam a noite os DJ´s Steiner, Jmersex, Ana Sylvia, Igorsh vs. Shum e Valmique (euzito aqui do Muza!). Vai ter muita musica pop e muita música trash! Adooooooro (2)! Aliás, se tiverem sugestão, deixa a dica aí no comentário!

Quer ganhar cortesia para a festa?

E tão bom quanto a festa em si, é o fato do Muza sortear duas cortesias/entradas OFF para esta zuper-balada! Como você pode garantir a sua? Simples! Siga o twitter do site (@muzasite) e Retwitte a mensagem: “Eu vou me acabar na pixta com elegância! Quero off da festa @dacadanseavec http://bit.ly/g6ddUU Siga @muzasite, dê RT nesta msg e concorra!”. O resultado será divulgado neste mesmo post, no bate-papo VoZes e no twitter, na sexta-feira, 25 de fevereiro! Participe!

Resultado promoção festa “Deca.Danse Avec”! @Fredagno @daninhadee Nome completo + Número Identidade para contato@muza.com.br :)

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Em BH, travestis se unem e reagem contra agressores

Loading

People! O Muza recebeu um e-mail do Supervisor do Conselho Regional LGBT de Belo Horizonte, Carlos Magno, relatando um episódio lamentável que ocorreu na madrugada do dia 18 de fevereiro, que envolve o preconceito e violência que as travestis, que trabalham com sexo, lidam no seu dia-a-dia. Abaixo, você pode conferir o relato do caso na íntegra.

O que era para ser mais um fato "rotineiro" e deplorável de agressão às travestis de Belo Horizonte, teve um desfeche inusitado. Na madrugada de 18/02/2011, cerca de doze rapazes desceram de um ônibus e se dirigiram para agredir as meninas que faziam “ponto”, na avenida D. Pedro II, região noroeste da capital mineira. Foi então, que elas resolveram reagir. Logo, se juntaram 15 profissionais do sexo trans para enfrentar os agressores. Enquanto um grupo de meninas brigavam com os agressores, a outra parte fez parar uma viatura que passava no local, na hora do confronto.

As travestis unidas exigiram aos policiais que levassem os agressores à delegacia. Mesmo com todos os argumentos e esclarecimentos dos seus direitos, as meninas tiveram que pressionar os policiais para que não soltassem os rapazes, pois alguns agressores foram liberados. Estranhamente, os que foram liberados eram os que estavam com mochilas, possivelmente, onde se encontravam as pedras, ovos e extintores de incêndios, que são usados com freqüência para agredir as travestis daquela área.

Imediatamente, as trans entraram em contato com a vicepresidenta do CELLOS-MG (Centro de Luta pela Livre Orientação), Anyky Lima, que foi imediatamente à delegacia para acompanhar todos os encaminhamentos necessários para a denúncia. A militante Anyky Lima acionou toda rede de parceiros das policias civil e militar, militantes e do poder público. Em seguida, o coordenador do CRLGBT de Belo Horizonte, Carlos Magno, foi até a delegacia da Pedro II para acompanhar o caso e conversou com os policiais responsáveis e exigiu o tratamento digno ao caso.

O ambiente da delegacia era de início de “bate-boca”, mas também de união das meninas que permaneceram até 2h, dando depoimento e informações para o Boletim de Ocorrência - BO. Em seguida, um dos agressores, que era menor de idade, teve que mudar de seccional. Todos envolvidos foram transferidos de delegacia, que foram em três viaturas. O tratamento dos policias foi positivo, pois ouviram os depoimentos, as informações, deram orientações às meninas. E, ainda, realizaram os procedimentos da denúncia com tranquilidade.

As meninas ficaram até 5h, na delegacia de menores, acompanhada pela militante Anyky Lima. Este tempo todo, foi para darem prosseguimento aos encaminhamentos legais da denúncia. O mais relevante deste caso, foi o grau de união e politização das meninas, que nenhuma momento recuaram, mantiveram-se firmes para realizar a denúncia e exigiram uma punição aos agressores. Um bom exemplo de cidadania que se conquista com esclarecimento e luta.

* Imagem meramente ilustrativa.

Calendário sensual ajuda projeto a favor dos homossexuais nos Estados Unidos

Loading

Bee! O projeto “FCKH8” em mais uma ação irreverente está comercializando um calendário sensual no qual parte da renda irá financiar ações pela igualdade de direitos da população LGBT e na prevenção de suicídio entre jovens homossexuais.

O calendário traz homens héteros, seminus e em posições provocativas. O nome do calendário é “STR8 against H8”, algo como “Héteros contra o ódio”. O calendários estão à venda no site oficial por US$10 – do valor, USS$4 serão direcionados as ações citadas - do projeto FCKH8, que tem esse nome por fazer referência à expressão Fuck e à Proposta 8, que proibiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo em Los Angeles, nos Estados Unidos. O Projeto FUCKH8 também é conhecido por fazer vídeos com mensagens mais diretas e agressivas (?) contra o ódio aos homossexuais.

Abaixo, você pode ver o making off do calendário. Calor!

Já ouviu a música “Samba”, parceria de Ricky Martin e Cláudia Leitte?

Loading


Bee! É isso mesmo! Acima, você pode ouvir um dueto com Ricky Martin e Cláudia Leitte. A música se chama “Samba”, mas apesar do nome,é uma musica dance-eletrônica, com direito a batidão. Apesar de ser um dueto latino, Ricky canta em inglês na música. Eita! Coerência para que né minha gente?

A música foi mixada pelo DJ brasileiro Deeplick, que já trabalhou com Shakira e Jennifer Lopez. Em recente entrevista, Cláudia Leitte falou sobre o estilo da musica e revelou que está no planos o lançamento de um vídeo-clipe da música:

"Gravamos 'Samba' juntos. Existem várias versões da música: remix, uma mais lenta, uma inteira em inglês. Ele é incrível. Agora, nós estamos tentando arrumar um tempo na agenda para poder gravar o clipe. Como ele está muito ocupado com o lançamento do disco novo e a turnê, não sei ainda se ele vem para o Carnaval".

A música “Samba” está no novo disco de Ricky Maritn “MAS” (Música + Alma + Sexo) e foi divulgada pelo twitter do cantor há alguns dias e já alcançou o segundo lugar nas músicas mais tocadas em Miami.

E aí? Ken Kurt? “Uh.. ele quer sambar...”

Ah... a amizade...
Com informações da Revista Quem

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

ExcluZivo: Personalidades Trans de BH e do Brasil falam sobre Ariadna e Lea T

Loading

People! Como sabem, um dos destaques da visbilidade no quesito LGBT , nesse início de 2011, está sendo os “T”, através da participação da transexual Ariadna no Big Brother Brasil e da modelo Lea T, que desfilou no São Paulo Fashion Week e que chegou a sair em uma revista beijando a Kate Moss. Ontem, mais um capítulo na visibilidade Trans aconteceu: Lea T deu uma entrevista ao Fantástico sobre sua transexualidade, onde chega a afirmar que não há nada de bom em ser transexual atualmente.

Como vocês leitores doMuza também sabem, no dia 31 de janeiro, aconteceu em BH, o debate “Direitos Humanos e Cidadania Trans: Acessando Políticas Públicas”, em razão ao Dia da Visibilidade de Travestis e Transexuais no Brasil, que é comemorado no dia 29 de janeiro.

O Muza estava presente no evento e, pertinentemente, obteve opiniões de personalidades Trans que estavam no evento sobre Ariadna e Lea T e a visibilidade e exposição que elas estão tendo. Como o Muza já havia avisado que divulgaria aqui, abaixo, você pode ler com excluZividade do Muza o que Anyky Lima (vice-presidente do Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual -Cellos MG), Walkíria La Roche (Centro de Referência GLBTTT Estadual) e Keilla Simpson (vice-trans da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais – ABGLT) tiveram a dizer a respeito. Ressalto, que as opiniões abaixo foram dadas no dia do debate, em 31 de janeiro.

Keilla Simpson

Ariadna: “Eu acho que é uma visibilidade passageira, tão rápida, aconteceu naquela dia e passou. Se ela tivesse conseguido ficar mais alguns dias na casa poderia ter uma visibilidade mais positiva, mas como ela estava mal preparada e foi eliminada de primeira... mas tudo bem, a população tem transfobia, mas eu acho que ela contribuiu um pouco pra isso”.

Lea T: “É uma modelo famosa, que não contribui muito para a causa, a visibilidade. Ela vai viajar, vai embora e a gente fica aqui com as mazelas. A gente precisa mostrar as travestis daqui , que estão trabalhando todo dia para melhorar as travestis que vivem no Brasil”.

Anyky Lima

Ariadna: “Eu fiquei muito triste em ver o caso da Ariadna. Ninguém na casa retirou ela. Nenhuma pessoa ´normal´ da casa. Quem retirou a Ariadna da casa foram os LGBT de lá, desde o primeiro dia. Eu fico muito triste quando vejo homofobia no meio homossexual. Os dois gays que falavam mal dela, eles deveriam incentivar. O preconceito é o mesmo. Ela estava representando uma comunidade. O mesmo preconceito que o travesti tem, a transexual tem e o gay tem. Falta realmente uma união”.

Lea T: “Eu vi uma reportagem. Ela parece ser uma pessoa centrada. Ela falou que quer fazer cirurgia, que ela não é uma mulher. Uma pessoa que está fazendo aquilo para o bem estar dela. Ela não foi vista como uma marginal, como geralmente é visto na mídia”

Walkíria La Roche

Ariadna: “A importância teria se ela tivesse sido orientada pela militância, alguém mais maduro... Eu fiquei triste porque acho que ela foi chamada para provocar a dúvida e não entendeu o chamado. Causar a dúvida até o final do momento. Buscaram uma menina de realidade pobre, uma cara meio latina, meio índia, para ela confundir mais ainda. Jogaram ela aos leões. Acho que a Globo pode ter até chamado a atenção dela, durante ou pós programa- afinal, não sei como é guiado o reallity show. É uma espécie de exposição. Entendo perfeitamente o personagem que quiseram dela, mas ela na primeira semana entregou sua orientação, contou que era uma garota de programa, o que é muito para a sociedade brasileira, que é conservadora e machista. Pesou muito na primeira semana. No momento que ela se revelou, inocentemente, pelo confinamento, acreditar na amizade – a gente, geralmente, não tem muitos amigos - naquele momento, ela se traiu.

Lea T: “Eu acho uma excelente visibilidade, que vem de encontro à procura do trabalho e o reconhecimento. Não que a garota de programa não tenha. A Lea T é um exemplo. Mas... temos um coração sofrido, apertado, cheio de cicatrizes”.

Em agosto de 2010 Walkíria La Roche foi fonte de uma matéria sobre a Lea T ao conceituado jornal inglês The Guardian, na qual ela falou um pouco sobre a situação do transexual: “Em uma cultura machista latino-americana e de cultura católica... (a reação da família) é negar completamente... Nós somos excluídas quando vamos à escola primária, mas a primeira instituição que nos excluí são nossa família”, declarou.

Abaixo, você pode ver a participação da Ariadna no programa do Faustão. Na sequencia, pode ver também a entrevista completa - que por sinal é muito boa – da Lea T ao programa Fantástico, que foi exibida ontem.





sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Veja o novo video-clipe da Britney Spears: "Hold It Against Me"

Loading



Bee! Acima podemos ver um dos mais aguardados eventos pop desse início de 2011: o novo vídeo-clipe da Britney para a música “Hold It Against Me”, primeira musica de trabalho de seu novo disco, Femme Fatale, que será lançado em março.

O vídeo é dirigido por Jonas Arkelund, um dos fodas na direção de vídeos ("Ray Of Light" da Madonna, é dele, por exemplo). Sobre o vídeo de “HIAM” ele é muito bom dentro de sua proposta do pop pelo pop: deixa aquela sensação de que é bom de ver sem saber dizer exatamente o por que.

Este vídeo, como todos os outros de Britney, tem produção e edição – um de seus segredos – impecáveis! Mas mesmo assim, fica evidente que Britney não está dançando como antigamente. Porque aqueles movimentos com os braços e cabelo + edição competente não me enganam, ok? Mas o vídeo em si é bom e tem dois momentos especialmente interessantes: a briga Britney x Britney (mesmo que não seja um conceito novo – nada contra reutilizado, ainda mais se for bem feito - já visto em “Die Another Day” da Madonna e “Heartbreaker” da Mariah Carey). Aliás, aquela parte da briga na qual sai o som do salto quando ela dá dois passos para trás é tu-do! O outro momento é quando saem as tintas coloridas dos dedos da Britney e borram toda sua videografia. (Metáfora? Simbologia?) Ou seja, mesmo com uma música razoável, Britney conseguiu , junto com Arkelund, fazer um bom vídeo pop. Prova de que na pop music a música nunca se limita a ela em si. It´s Britney, Bitch! Mas poderia ter menos propaganda neah?

Ah! Um detalhe: cadê o umbigo? Repare a partir dos 29 segundos. Fernanda Vasconcelos no comercial das Havaianas feelings? Just Asking! ;)

Ah! Mais uma pergunta que vi no twitter: Lady Gaga veio de um ovo e Britney de um cometa? Just asking 2! Há! ;)

Balada weekend! Balada GLS para sexta, sábado e domingo!

Loading

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Marcha Contra Homofobia acontece sábado em São Paulo (e pode acontecer também em BH)

Loading

People! No próximo sábado acontece a Marcha Contra Homofobia e pelo PLC 122/06. O evento será realizado em São Paulo e os organizadores também estão se mobilizando para que aconteça em outras cidades do Brasil. Até o momento, não há nada programado para Belo Horizonte, mas fique ligado no Muza para atualizações!

A Marcha é uma iniciativa do Ato Anti-Homofobia, a Ação Anti-Homofobia e outras organizações LGBT de São Paulo, que através do evento pretendem mostrar à sociedade a importância da aprovação da PLC 122, que quer criminalizar a homofobia no Brasil.

Já confirmaram presença a senadora Marta Suplicy – que atualmente está empenhada na aprovação do projeto - e a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário.

A concentração será na Praça do Ciclista, início da Avenida Paulista, às 15 horas. De lá, os participantes seguirão para o número 777 da avenida, local onde aconteceram recentes ataques contra jovens gays.

Abaixo, você pode ver um vídeo-convite dirigido por Daniel Gomes Martins.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

ColunaZs: “Para acabar com o preconceito sobre regatas!”

Loading

Que calor é esse? Essa é a pergunta do verão. Existem milhões de maneiras de se vestir a favor da estação, com objetivo de minimizar o calor. Para os homens, uma das opções mais legais é a regata. O problema é que ainda existe muita gente que acha que elas são apenas para mulheres ou para os marombeiros de academia. Lego engano.

Aliás, é muito mais fácil achar uma regata boa do que uma camisa normal boa. Galera não percebe que, tirando as mangas, o caimento da peça é diferente e que isso traz opções sem limites, basta combinar o tipo de material com o tipo de alça, com a cor, com a estampa e, por fim, com o resto do look – pois regatas, se bem escolhidas, combinam com calças, bermudas, tênis, chinelos, coturnos, casacos...

Se você não se sente muito bem com elas – por se achar muito gordo ou muito magro, por exemplo – comece a cortar uma blusa velha. Tem gente que gosta da manga e de um decotão e tem gente que o contrário, não quer mangas, mas quer também cobrir um pouco mais o peito. Experimente ir cortando uma blusa até ela ficar como você quer. Se exagerar no corte, sem problemas. Usar duas regatas juntas também pode dar certo, sabia?

Os modelos mais básicos estão, claro, em lojas como Hering, Riachuelo e Renner e, por causa do bom preço, você pode customizá-las sem medo. Mas já existem muitas que vem coloridas e com estampas ótimas, como as da Zara, UrbanOutfitters, Butch e até das lojas de esporte em geral. Respire fundo, tome coragem e entre em uma. Você vai se surpreender em ver como muitas daquelas roupas podem fazer sentido no seu look não-esportivo.

*Texto de Gabriel Cadete, é jornalista e blogueiro do Oi Tudo em Cima?, louco por tênis e compulsivo por blusas com frases de impacto.

Sexta acontece a festa “Born This Way”! O Muza sorteia cortesias!

Loading

Bee! No próxima sexta-feira, 18 de fevereiro, acontece a festa “Born This Way” em BH! Isso mesmo! É a balada certa para quem quer celebrar a nova música da Lady Gaga.

Segundo informações do organizador Júlio Alok a festa terá “o melhor do electro-pop e, claro, todos os hits da GaGa que cantamos e dançamos ao longo desses anos! Preparem a voz e o figurino! Ninguém ficará parado nem um segundo na noite!”. Ui! Adoooro!

Animam a noite os DJ´s Ana Sylvia, JMersex, Lee, Dr.Jeff e Amarante vs. Blizzard.

A festa acontece a partir das 22h30 no Matriz, localizado no Terminal Turístico JK (Rua Guajajaras, 1353). Classificação: 18 anos.

Os 50 primeiros que chegarem e tiverem seu nome na lista amiga (bornthiswayparty@hotmail.com) até as 0:30 terão 20$ de consumo

Quer ganhar cortesia para a festa?

E tão bom quanto a festa em si, é o fato do Muza sortear três cortesias/entradas OFF para esta zuper-balada! Como você pode garantir a sua? Simples! Siga o twitter do site (@muzasite) e Retwitte a mensagem: “I Born This Way Baby! Eu quero entrada off na festa @bornthiswaypart http://bit.ly/fdt8Qo Siga o @muzasite, dê RT nesta msg e concorra!”. O resultado será divulgado neste mesmo post, no bate-papo VoZes e no twitter, na sexta-feira, 17 de fevereiro! Participe!
RESULTADO PROMOÇÃO: @AALKS @guiisbarros @doubleci_ Nome completo + Número Identidade para contato@muza.com.br :)

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

ExcluZivo: Saiba como foi o “Piquenique pelo Mesmo Amor”, que aconteceu em BH e em outras cidades do mundo

Loading
Lenin Campos, um dos responsáveis pelo evento em BH


People! Como sabem, no último sábado aconteceu em BH o “Piquenique Pelo Mesmo Amor”. Trata-se de um evento mundial, realizado simultaneamente em diversas cidades do mundo, como Buenos Aires, Los Angeles e Bogotá. No Brasil, além de BH, também aconteceu em São Paulo e Rio de Janeiro.

O objetivo do evento é celebrar o dia de São Valentim (Dia dos Namorados em várias cidades do mundo) através da celebração de todos os tipos de amor: hétero e homo. A idéia também foi de reunir famílias, gays e heterossexuais, para compartilhar experiências, histórias, fazer novos amigos, ou, simplesmente, passar uma tarde agradável.

Dentre os participantes do Piquenique em BH, no Parque Ecológico da Pampulha, estava Cyntia Beltrão, psicóloga, acompanhada de seu filho e marido: “Eu vim especialmente por causa do meu filho. Porque em um mundo que a gente abraça a diversidade é um mundo melhor para ele no futuro. Assim, estou pensando nas pessoas de hoje e nas de amanhã também”, explicou, ressaltando que recebeu o convite para o evento por e-mail de uma amiga hétero.

Cyntia nunca participou de uma Parada do Orgulho LGBT, assim como Isabela de Queiroz, professora universitária, que estava no Piquenique acompanhada do filho e do irmão. Entretanto, elas acreditam que momentos como o Piquenique possibilitam mais integração e interação: “Esses eventos tem funções diferentes, mas acredito que o de hoje aproximam mais as pessoas. Eu, por exemplo, conversei com várias pessoas, sobre diversos assuntos”, explicou.

Quem já participou da Parada e também achou o Piquenique interessante é Rafael Cândido, designer de interiores, que estava com amigos. “Eu acho que a Parada tem um quê mais de festa, como se fosse uma festa pedindo igualdade. Aqui, o evento é mais tranqüilo, mais calmo, mas o intuito é o mesmo”, observou, mas disse que um dos problemas foi a pouca divulgação: “Eu achei muito legal o evento, mas faltou divulgação. Mas é o primeiro ano e tende a crescer”.

O Piquenique em BH reuniu cerca de 70 pessoas. Uma quantia de participantes abaixo do esperado segundo um dos organizadores, Lenin Campos, mas que não diminuiu, em nada, a efetivação da proposta: “Aconteceu exatamente o que queríamos: um ambiente familiar, com a presença de crianças, convivendo com naturalidade com os homossexuais e heterossexuais. Foi bonito de ver”. Sobre a possibilidade da realização do evento em BH no próximo ano, Lenin é cauteloso, mas otimista: “O evento acontece anualmente em outras cidades. Vamos esperar o ano que vem para ver, inclusive, para que ele cresça mais”. O Muza, particularmente, fica na torcida! ;)